Diversity in News Coverage of the War in Ukraine

February 24, 2022, Kiev, Ukraine: Ukrainian firefighters respond to the a rocket attack on a residential building attacked by Russian military forces during the invasion near Kiev. (Credit Image: � State Emergency Service Of Ukraine/Planet Pix via ZUMA Press Wire)

In the conflict that unfolds on European soil and whose victims are predominantly white people, attention to the value of diversity in journalism is revealed both in what is reported and in what is not usually covered

Ester Minga

The war in Ukraine has, unsurprisingly, received intense news coverage. Even before the invasion by Russia, the tensions on the border between the two countries and their international repercussion already occupied considerable space in the different outlets and mediums. Such an ostensible presence in the media around the world is justified by the undeniable news value of a conflict, whose trigger was the aggression of a military and nuclear power against a sovereign country.

After months since the beginning of a war that, unfortunately, no one can predict an end, we can make some reflections on the news coverage in Portugal in terms of diversity. And the first relates to the beginning of the invasion when news anchors from different TV channels classified the war that had just begun as the biggest conflict in European territory since the Second World War. As mentioned, the news value of the war in Ukraine is comprehended by the geopolitical importance of the countries involved. However, the claim that it is the biggest conflict since the Second World War without a greater explanation could raise questions about the (little) importance of other wars, such as those that took place in the Balkans in the 1990s.

Especially in the coverage of armed conflicts, it is fundamental for journalism to be clear about the values that guide itself to dispel misunderstandings and reinforce the consensus that there are no wars and people more worthy of commotion. As countless posts on social media have reminded us these days, there are wars underway in other parts of the world as well, such as the one in Yemen, but they do not receive the same media attention as the war in Ukraine. Therefore, it is relevant to clarify the relative political importance of where the war unfolds, the actors involved and their allies. TV news commentators have tried hard to untangle the web of interests that cover the current conflict in Europe, but a more direct assertion about its geopolitical importance would also be positive.

Just as it is essential to make clear that the relative strategic importance of a war does not mean that there are conflicts and peoples more deserving of empathy than others, journalists should avoid making indirect comparisons between peoples. As observed not only in Portugal, journalists sometimes highlighted the similarity between Ukrainians and the national audiences. However, by trying to convey the message that they are people “like us”, they ended up implicitly reinforcing the idea that their suffering is more worthy of attention because they are white and European. I do not think that those involved in news production establish hierarchies between war victims, although they end up indirectly promoting them by highlighting the similarity of Ukrainians with the audience when the same is not usually done about other victims.

Something positive was the fact that different outlets reported the discrimination that people of colour faced when trying to cross the borders of Ukraine, being stopped and passed over by white people by the border guards. This presence in the news probably occurred because some of these people were young black Portuguese people[1], but this denunciation of racism is still essential. Also noteworthy is the attention to cases of discrimination identified against the Russian community in Portugal, which may increase with the maintenance of the war[2].

The UN has indicated that the war in Ukraine could originate 10 million refugees and in Portugal, also due to its remarkable Ukrainian community (almost 29 thousand people, according to the latest Immigration and Borders Service report[3]), this topic has got massive attention in the news. In general, news coverage has followed the framework proposed by the political field by associating the issue of Ukrainian refugees with job opportunities and the demand for labour in the country[4].

This framework had already been adopted by the Portuguese government during the “refugee crisis” in 2015 for the same reasons: attracting human resources to strengthen the economy and combat the demographic deficit [5]. In principle, the convenient political strategy behind this effort to associate the arrival of refugees with employment possibilities does not diminish the receptive position of the Portuguese government. When reporting, though, journalists should be careful in promptly establishing this association. Let’s remember that the refugee’s legal status is linked, first of all, to an essential humanitarian dimension that must not be subject to any economic or similar interests.

As Marcus Ryder (Sir Lenny Henry Center for Media Diversity, Birmingham City University) points out, the war in Ukraine could be a seminal moment for newsrooms to demonstrate their respect for diversity and advocacy of anti-racism[6]. I would add that it could also become a key time for journalists to reflect on the naming of events, phenomena and groups of people, whose nouns, over time, end up becoming naturalized, as well as their associated images. An example is the term “immigrants from the East”, on which not only the Ukrainian community but also the Russian, the Moldovan, the Romanian… Have always been labelled in Portugal. In a not-so-distant period, more than an anodyne denomination, this expression established a tacit racialization of these groups of people who were not (white) like the Portuguese[7].


Diversidade na cobertura jornalística da guerra na Ucrânia

No conflito que se desenrola em solo europeu e cujas vítimas são sobretudo pessoas brancas, a atenção ao valor da diversidade pelo jornalismo se revela tanto no que é comunicado quanto no que é geralmente escamoteado

Ester Minga

A guerra na Ucrânia tem recebido, como era de se esperar, uma cobertura jornalística intensa. Mesmo antes da invasão pela Rússia, as tensões na fronteira entre os dois países e sua repercussão internacional já ocupavam um espaço considerável nos diferentes veículos e meios. Tal presença ostensiva nos media de todo o mundo justifica-se pelo inegável valor-notícia de um conflito, cujo estopim foi a agressão de uma potência militar e nuclear a um país soberano.

Passados mais de dois meses desde o início de uma guerra que, infelizmente ainda não se prevê o fim, podemos tecer algumas reflexões sobre a sua cobertura jornalística em Portugal em termos de diversidade. E a primeira prende-se logo ao início da invasão, quando pivôs de diferentes jornais classificaram a guerra que mal principiava como o maior conflito em território europeu desde a Segunda Guerra Mundial. Como mencionado, compreende-se o valor-notícia da guerra na Ucrânia pela importância geopolítica dos países envolvidos. No entanto, a afirmação de que se trata do maior conflito desde a Segunda Guerra sem um maior embasamento pode suscitar questionamentos sobre a (pouca) importância de outras guerras, como as que ocorreram nos Balcãs nos anos 1990.

Sobretudo na cobertura de conflitos armados, é salutar ao jornalismo ser claro sobre os valores que o guiam de forma a dissipar subentendidos e reforçar o consenso de que não há guerras e pessoas mais dignas de comoção. Como inúmeras postagens nas redes sociais nos lembraram por esses dias, há guerras também em marcha em outras partes do mundo, como a que fustiga o Iémen, porém não recebem a mesma atenção dos media que a guerra na Ucrânia. Portanto, faz-se necessário esclarecer a importância política relativa de onde se desenrola a guerra, dos atores envolvidos e dos seus aliados. Os comentadores dos telejornais têm se esforçado em destrinçar a emaranha teia de interesses que recobre o conflito atual na Europa, porém uma asserção mais direta sobre a sua importância geopolítica também seria positiva.

E assim como importa deixar claro que a relativa importância estratégica de uma guerra não significa que há conflitos e povos mais merecedores de empatia que outros, convém aos jornalistas não estabelecerem comparações indiretas entre povos. Como observado não só em Portugal, jornalistas por vezes salientaram a similaridade entre ucranianos e as populações ocidentais. Porém, ao procurarem transmitir a mensagem de que são pessoas “como nós”, acabaram por implicitamente reforçar a ideia de que o seu sofrimento é mais digno de atenção porque são brancos e europeus. Não penso que os envolvidos na produção de notícias estabeleçam hierarquias entre vítimas de guerra, porém, acabam por indiretamente promovê-las ao realçarem a semelhança dos ucranianos com a audiência, quando o mesmo não costuma ser feito em relação a outras vítimas.  

Algo positivo foi o facto de diferentes veículos terem reportado a discriminação que pessoas não brancas enfrentavam ao tentar cruzar as fronteiras da Ucrânia, ao serem barradas e preteridas por pessoas brancas pelos guardas fronteiriços. Esta presença no noticiário provavelmente ocorreu porque algumas dessas pessoas eram jovens portugueses negros[1], porém não deixa de ser importante esta denúncia de racismo. Também digno de nota a atenção a casos de discriminação identificados contra a comunidade russa em Portugal, que podem vir a aumentar com a manutenção da guerra[2].

A ONU indicou que a guerra na Ucrânia pode originar dez milhões de refugiados e em Portugal, também em razão da sua assinalável comunidade ucraniana (são quase 29 mil pessoas, de acordo com o último relatório do SEF[3]), este tópico tem obtido destaque na cobertura jornalística. Na generalidade, essa cobertura tem seguido o enquadramento proposto pelo campo político ao associar a questão dos refugiados ucranianos a oportunidades de trabalho e demanda por mão-de-obra no país[4].

Tal enquadramento já fora adotado pelo governo português durante a “crise dos refugiados” em 2015 pelas mesmas razões: atrair recursos humanos para robustecer a economia e combater o déficit demográfico em Portugal[5]. Em princípio, a conveniente estratégia política por detrás deste esforço em associar a vinda de refugiados a possibilidades de emprego não diminui o posicionamento recetivo do governo português, porém ao reportarem, convém aos jornalistas terem cuidado no pronto estabelecimento dessa associação. Lembremos que a figura jurídica do refugiado se liga, antes de mais, a uma dimensão humanitária essencial que não deve estar submetida a quaisquer interesses económicos e afins.

Como indica Marcus Ryder (Sir Lenny Henry Centre for Media Diversity, Birmingham City University), a guerra na Ucrânia poderá ser um momento seminal para as redações demonstrarem o seu respeito à diversidade e defesa do antirracismo[6]. Acrescento que também poderá vir a ser um período fulcral para jornalistas refletirem sobre a nomeação de eventos, fenómenos e grupos de pessoas, cujos substantivos, com o tempo, acabam por se naturalizar, assim como as imagens associadas. Um exemplo é o termo “imigrantes de Leste”, sobre o qual não apenas a comunidade ucraniana, mas também a russa, a moldava, a romena… Esteve desde sempre rotulada em Portugal. Num período não tão distante, mais que uma denominação anódina, tal expressão estabeleceu uma racialização tácita desses grupos de pessoas que não eram (brancos) como os portugueses[7]


[1] RTP (2022). Portuguesa acusa guardas fronteiriços da Ucrânia de racismo. Jovens portugueses impedidos de sair da Ucrânia. Available in: <https://www.rtp.pt/noticias/mundo/portuguesa-acusa-guardas-fronteiricos-da-ucrania-de-racismo-jovens-portugueses-impedidos-de-sair-da-ucrania_v1387898>.

[2]Expresso (2022). “Vocês têm de morrer, todos os russos agressores”: Anna é russa, vive em Portugal, recebeu um telefonema anónimo na madrugada e diz que a comunidade é alvo de bullying de ucranianos e portugueses. Available in: <https://expresso.pt/guerra-na-ucrania/voces-tem-de-morrer-todos-os-russos-agressores-anna-e-russa-vive-em-portugal-recebeu-um-telefonema-anonimo-na-madrugada-e-diz-que-a-comunidade-e-alvo-de-bullying-de-ucranianos-e-portugueses/>.

Carmo, D. (2022). Comunidade russa em Portugal alvo de ameaças e bullying. Available in: <https://www.publico.pt/2022/03/02/sociedade/noticia/comunidade-russa-portugal-alvo-ameacas-bullying-1997334>.

[3] Reis, S., Sousa, P. & Machado, R. (2021). Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo 2020. Oeiras: Immigration and Borders Service. Available in: <https://sefstat.sef.pt/Docs/Rifa2020.pdf>.

[4] Lusa (2022). Portugal já está a identificar oportunidades de trabalho para refugiados ucranianos. Available in: <https://www.publico.pt/2022/02/25/sociedade/noticia/portugal-ja-identificar-oportunidades-trabalho-refugiados-ucranianos-1996779>.

[5] Costa, P. M. & Sousa, L. (2017). “You are welcome in Portugal”: conviction and convenience in framing today’s Portuguese politics on European burden-sharing of refugees. Oxford Monitor of Forced Migration, 6 (2), 49-53.

[6] Ryder, M. (2022). An open letter on the reporting of Ukraine: Do not let people of colour be a casualty of war. Available in:  <https://mediadiversified.org/2022/02/28/an-open-letter-on-the-reporting-of-ukraine-do-not-let-people-of-colour-be-a-casualty-of-war/>.

[7] Baker, C. (2021). The contingencies of whiteness: Gendered/racialized global dynamics of security narratives. Security Dialogue, 52(S), 124–132.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search