Categorias
Human Rights Integral Human Development journalism Media Coverage Migrants

Media attention to the earthquake in Turkey and Syria – a reflection on news media coverage of humanitarian crises

Atenção mediática ao terramoto na Turquia e na Síria – uma reflexão sobre a cobertura noticiosa de crises humanitárias

O terramoto do último dia 6 de fevereiro foi a “maior tragédia desde 1939” na Turquia e levou a Síria a uma situação “pior que a guerra” que o país enfrenta há mais de uma década, de acordo com um título de peça do jornal Diário de Notícias[1]. No entanto, numa pesquisa em seu website pelos termos “terramoto”, “Turquia” e “Síria”, os resultados apresentados só vão até à quarta página. A mesma pesquisa no website do Expresso – o semanário português de referência – mostra apenas oito peças relacionadas com o trágico evento [2].

Não apenas por interesse científico, mas também por razões culturais e sentimentais, conheço melhor o panorama mediático português e brasileiro. Todavia, apesar de não seguir os noticiários internacionais com a mesma regularidade, tenho a sensação de que a cobertura em geral do terramoto na Turquia e na Síria não tem sido ampla. Parece-me que a perda de 50 mil vidas[3], o sofrimento do povo turco e sírio e os apelos humanitários das Nações Unidas (ONU)[4] não são suficientes para assegurar uma presença maior nas manchetes mundiais.

Tal ausência é ainda mais espantosa no caso da Síria. O conflito armado no país impulsionou uma enorme deslocação de pessoas que colocou os refugiados sírios no topo da lista mundial de refugiados por origem geográfica[5]. Ademais, o fluxo de pessoas da Síria em busca de asilo – muitas vezes, por meio perigosos – deu origem à chamada ‘crise dos refugiados’.

Como a atual diminuta cobertura do terramoto também sugere, tal crise foi menos sentida e enquadrada como uma crise para os refugiados (não apenas sírios) e mais como uma crise para a Europa[6]. Clara Ferreira Alves, em sua coluna para o Expresso Pluma Caprichosa – já tinha indicado em 2015 tal hipocrisia de políticos e público europeus[7]. A jornalista então assinalava que a guerra na Síria tinha já quatro anos, mas o clamor público só começou a se ouvir quando milhares de refugiados começaram a (tentar) atravessar as fronteiras europeias.

Poder-se-ia argumentar que a atenção menor ao terramoto na Síria – mesmo em relação a Turquia – está relacionada com os obstáculos à ajuda humanitária num país dividido e cujas infraestruturas já eram precárias antes do terramoto[8]. Compreendo que deva ser difícil obter informações do terreno e os media dependam do que é partilhado pela ONU e organizações relacionadas, as quais também enfrentam dificuldades de acesso às áreas afetadas.

No entanto, um evento dessa magnitude numa área já devastada deveria receber mais atenção. Como Martin Scott, Kate Wright e Mel Bunce demonstram[9], a atenção dos media influencia a alocação de ajuda humanitária. Por meio de entrevistas com burocratas de 16 governos com os maiores orçamentos de ajuda humanitária, os autores confirmaram que, nalgumas circunstâncias, uma cobertura noticiosa súbita e intensa tende a aumentar os níveis de ajuda humanitária – mesmo que tal não se justifique pela dimensão da crise em questão.

Conjeturamos mais um efeito que uma ampla cobertura – no caso do terramoto na Turquia e na Síria – poderia ter: influenciar os governos ocidentais a engajarem-se num esforço coletivo de resolução do conflito na Síria. Sei que tal soa ingénuo a considerar-se as complexidades dessa guerra e não creio que nem mesmo a melhor cobertura possível poderia, por si só, conduzir a uma resolução. Mas, como Scott, Wright e Bunce também salientam, com o seu poder de estabelecer tópicos na agenda pública, os media têm a capacidade de mobilizar o público, organizações da sociedade civil e, em última análise, aqueles que foram por nós eleitos a agir de alguma forma.

Para finalizar, gostaria de vos convidar a refletir sobre a razão pela qual algumas crises humanitárias recebem tanta atenção – dos media, dos políticos, da sociedade civil e afins – e outras mal se tem conhecimento no Norte Global. Desde o seu início, a guerra na Ucrânia recebeu mais cobertura noticiosa do que 41 outras crises humanitárias combinadas[10]. Será que tal aconteceu porque, como Myria Georgiou observa[11], sentimos que os ucranianos são “pessoas como nós” (étnica, racial e culturalmente)?


[1] https://www.dn.pt/internacional/na-turquia-e-a-maior-tragedia-desde-1939-no-noroeste-da-siria-e-pior-do-que-a-guerra–15792601.html

[2] Conduzi a pesquisa no dia 27 de fevereiro de 2023.

[3] https://www.reuters.com/world/middle-east/magnitude-55-quake-strikes-eastern-turkey-emsc-2023-02-27/?UTM_CAMPAIGN=Big_Moments&UTM_SOURCE=Google&UTM_MEDIUM=Sponsored

[4] https://www.un.org/en/t%C3%BCrkiye-syria-earthquake-response?gclid=CjwKCAiAxvGfBhB-EiwAMPakqnU3X7U9lCzkVzeYaM4JZl0bWQb9XM_2eDjUGSh344opF2kO6ZveBoCQLgQAvD_BwE

[5] https://www.unhcr.org/refugee-statistics/

[6] Moore, K., Berry, M. & Garcia-Blanco, I. (2018). Saving Refugees or Policing the Seas? How the national press of five EU member states framed news coverage of the migration crisis. Justice, Power and Resistance,2 (1), 66-95.  

[7] https://leitor.expresso.pt/semanario/semanario2236/html/revista-e-2236/pluma-caprichosa/Clara-Ferreira-Alves

[8] https://www.reuters.com/world/middle-east/quake-response-syria-faces-obstacles-says-top-un-aid-official-2023-02-06/

[9] https://theconversation.com/how-news-coverage-influences-countries-emergency-aid-budgets-new-research-172894

[10] https://www.careinternational.org.uk/press-office/press-releases/breaking-the-silence-the-10-most-under-reported-humanitarian-crises-of-2022/

[11] https://www.youtube.com/watch?v=6FlMA6nDuSc



Citar este post
Ester Minga (2023, 6 Março). Media attention to the earthquake in Turkey and Syria – a reflection on news media coverage of humanitarian crises. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 22 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkvt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search