Categorias
Non classé

Higher education and society: co-creation opportunities for sustainability and mutual transformation?

Ensino superior e sociedade: oportunidades de cocriação para a sustentabilidade e transformação mútua?

A transferência de conhecimento e a inovação devem estar na ordem do dia das instituições de ensino superior (IES), numa articulação cada vez mais estreita com diferentes partes interessadas, nomeadamente outras universidades e politécnicos, instituições ligadas ao sector da saúde e, cada vez mais, ao tecido empresarial, no âmbito do desenvolvimento conjunto de projetos.

Ana Marta Aleixo

Por todo o mundo as empresas têm vindo a manifestar preocupações quanto ao desenvolvimento de práticas mais sustentáveis, quer por acreditarem que podem contribuir para a uma sociedade mais verde e mais justa em consonância com os interesses desta geração e salvaguarde os interesses das gerações das vindouras, quer porque se apercebem que essa divulgação lhes permite alcançar uma maior notoriedade, visibilidade e promoção. Somos cada vez mais confrontados com anúncios alusivos às preocupações das empresas, particularmente das grandes, pelo desenvolvimento sustentável (DS), quer através de campanhas que promovem causas sociais, quer na apresentação e desenvolvimento de produtos mais sustentáveis, ou através do crescente envolvimento em parcerias, particularmente com politécnicos e universidades. Para Yarime et al. (2012, p. 11), a experiência e a especialização do sector privado são um ingrediente particularmente crucial na implementação de colaborações das diversas partes interessadas (multi-stakeholder) com o sector público destinadas a desencadear reformas institucionais para a inovação para a sustentabilidade.

A transferência de conhecimento e a inovação devem estar na ordem do dia das instituições de ensino superior (IES), numa articulação cada vez mais estreita com diferentes partes interessadas, nomeadamente outras universidades e politécnicos, instituições ligadas ao sector da saúde e, cada vez mais, ao tecido empresarial, no âmbito do desenvolvimento conjunto de projetos.  Para O’Reilly et al. (2019) as IES têm um papel crescente no apoio à inovação e na facilitação do desenvolvimento económico regional através da adição de atividades de transferência de conhecimento, também designada de terceira missão das IES.

É notória a procura de possíveis parceiros pelo sector empresarial com  politécnicos e universidades, reforçado pelo financiamento nacional e internacional para estimular estas parcerias (e.g., ANI – Agência Nacional de Inovação e o Horizonte Europa). De acordo com Aleixo et al. (2018), estes instrumentos financeiros servirão para apoiar a implementação da sustentabilidade e colmatar os constrangimentos identificados no âmbito do incentivo à investigação e em relação à melhoria das próprias infraestruturas de investigação. As iniciativas das diversas partes interessadas (multi-stakeholders) surgiram como parcerias de colaboração para responder aos diferentes desafios, onde os académicos atuam como exportadores de conhecimento, agentes-estabelecedores e facilitadores, que podem escolher diferentes caminhos para alinhar a sua missão social de cocriação sistémica com os objetivos organizacionais mais amplos das suas IES (Dentoni & Bitzer, 2015). Segundo Clark et al. (2016), uma transição para a sustentabilidade requer conhecimentos utilizáveis e não apenas conhecimentos, sendo estes conhecimentos urgentes para ajudar a alcançar o DS. As IES podem alcançar benefícios tangíveis (e.g., para aumentar o valor das receitas provenientes do seu próprio orçamento), e intangíveis (e.g., para atrair novos parceiros para projetos conjuntos e aumentar a sua reputação junto da empresa e da sociedade quando esta parceria for conhecida), a partir deste vínculo. Trencher et al. (2017) apresenta uma tipologia para compreender a cocriação da sustentabilidade entre as IES e as partes interessadas da sociedade, nomeadamente: (i) inovação social (abordagem centrada nas pessoas), (ii) transformação social de implementação (cocriação de alta intensidade), (ii) inovação técnica (abordagem centrada na tecnologia), e (iv) produção de conhecimento (cocriação de baixa intensidade).

Para Cheng (2020), a transferência de conhecimento tem uma das missões centrais das IES e como defendido por vários atores (e.g., O’Reilly et al., 2019), as IES, enquanto organizações financiadas, devem transferir conhecimento, para diferentes partes interessadas dos sectores empresarial, industrial, educacional e comunitário. Há várias vantagens para a transferência de conhecimento das IES, não só em termos da sua competitividade internacional do sector, mas também em termos de valor socioeconómico para as comunidade (Cheng, 2020). Para O’Reilly et al. (2019, p. 246) a transferência de conhecimento é composta por atividades que envolvem o envolvimento com o ecossistema empresarial mais vasto, tais como acordos de licenciamento dos direitos de propriedade intelectual gerados pela universidade, criação de empresas spin out (lançamento de um produto ou negócio a partir de uma empresa já existente), acordos de consultoria e o fornecimento de instalações de incubação para acomodar empresários e empresas spin out nascentes.

De acordo com os resultados de Purcell et al. (2019), as parcerias dentro e com as IES podem melhorar a aceleração do alcance dos objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS), permitindo às IES dar uma contribuição mais completa para os ODS.

REFERENCIAS

Aleixo, A. M., Leal, S., & Azeiteiro, U. (2018). Conceptualizations of sustainability in Portuguese higher education: roles, barriers and challenges toward sustainability. Journal of Cleaner Production, 172, 1664-1673. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1016/j.jclepro.2016.11.010

Cheng, E. (2020). Knowledge transfer strategies and practices for higher education institutions. VINE Journal of Information and Knowledge Management Systems, ahead-of-print. https://doi.org/10.1108/VJIKMS-11-2019-0184

Clark, W. C., van Kerkhoff, L., Lebel, L., & Gallopin, G. C. (2016). Crafting usable knowledge for sustainable development. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 113(17), 4570-4578. https://www.jstor.org/stable/26469391

Dentoni, D., & Bitzer, V. (2015). The role(s) of universities in dealing with global wicked problems through multi-stakeholder initiatives. Journal of Cleaner Production, 106, 68-78. https://doi.org/https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2014.09.050

O’Reilly, N. M., Robbins, P., & Scanlan, J. (2019). Dynamic capabilities and the entrepreneurial university: a perspective on the knowledge transfer capabilities of universities. Journal of Small Business & Entrepreneurship, 31(3), 243-263. https://doi.org/10.1080/08276331.2018.1490510

Purcell, W. M., Spengler, J. D., & Henriksen, H. (2019). Universities as the engine of transformational sustainability toward delivering the sustainable development goals. International Journal of Sustainability in Higher Education, 20(8), 1343-1357. https://doi.org/10.1108/IJSHE-02-2019-0103

Trencher, G., Nagao, M., Chen, C., Ichiki, K., Sadayoshi, T., Kinai, M., . . . Yarime, M. (2017). Implementing Sustainability Co-Creation between Universities and Society: A Typology-Based Understanding. Sustainability, 9(4). https://doi.org/10.3390/su9040594

Yarime, M., Trencher, G., Mino, T., Scholz, R. W., Olsson, L., Ness, B., . . . Rotmans, J. (2012). Establishing sustainability science in higher education institutions: towards an integration of academic development, institutionalization, and stakeholder collaborations. Sustainability Science, 7(1), 101-113. https://doi.org/10.1007/s11625-012-0157-5

 

 


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Ana Marta Aleixo (22 de Janeiro de 2023). Higher education and society: co-creation opportunities for sustainability and mutual transformation? Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkvq


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search