Categorias
Migrants Migratory Justice Psychoanalysis Scapegoating Sociology

Scapegoating of People and Groups

 

Nesta décima publicação no blogue, parto das análises de René Girard (1988, 1997, 2001) e Levine (2011) para refletir sobre as dinâmicas de bode-expiatório que incidem sobre indivíduos e grupos – num leque que vai desde dinâmicas familiares particulares que excluem determinados indivíduos, até aos contextos escolares e laborais desfavoráveis e à exclusão social de grupos inteiros de pessoas, como é frequentemente o caso de determinadas categorias de migrantes, ou minorias étnicas e religiosas (exº: pessoas Roma/Ciganas, Judeus). Numa perspetiva histórica, mecanismos de criação e perseguição de bodes-expiatórios estiveram envolvidos não apenas nalguns dos fenómenos e processos de perseguição grupal mais odiosos de que há memória, como o Holocausto, mas também na perseguição a personagens históricos, como é notoriamente o caso da figura de Jesus Cristo.   

  • Esta publicação é dedicada à memória querida e ao trabalho inspirador do antropólogo, psicanalista e estudioso dos Roma/pessoas Ciganas em Portugal José Gabriel Pereira Bastos, que faleceu de Covid-19 há 22 meses. 

© Alexandra Pereira, CECC, UCP, 2022


* Cover Image Creative Commons License Type:


Destaques:

  • Apresento algumas considerações sobre o mecanismo subjacente à criação do bode-expiatório, à luz das teorizações de René Girard (1988-2001) e Levine (2011).
  • Parto daí para as reflexões dos terapeutas Junguianos a esse respeito (Perera, 1986), nomeadamente quanto à mitologia de sombra e culpa, mecanismos de projeção e deslocamento associados a esse complexo.
  • Para terminar, reflito sobre a aplicação do processo de scapegoating a determinados grupos e pessoas, que ameaçam uma identidade grupal idealizada ou uma homogeneidade social patológica.

Nos processos de scapegoating está envolvida a escolha, consciente ou subconsciente, de uma pessoa ou grupo nos quais, por meio de mecanismos de projeção e/ou deslocamento, são enviados para fora de nós, externalizados e focalizados (nesse indivíduo ou grupo) pensamentos indesejáveis e sentimentos desconfortáveis de inadequação, agressividade, hostilidade, incompetência ou frustração, que não conseguimos elaborar dentro de nós mesmos. Transferindo assim, para esse indivíduo ou grupo, quantidades desproporcionais de culpa, responsabilidades indevidas, intenções inexistentes e todo um rol de falhas imaginárias, que procuram “justificar” um tratamento negativo reiterado e, até, a sua intensificação através do tempo. Trata-se, portanto, de um processo decorrente de uma dinâmica patológica de “terceirização de responsabilidades e falhas próprias”, verdades desconfortáveis que ameaçam uma imagem de perfeição idealizada em indivíduos, organizações ou grupos, não-ditos proibidos em determinados contextos, ou sentimentos próprios menos agradáveis e não-elaborados – porque difíceis de encarar, expressar e, depois, negociar com outros. Em todos os processos de bode-expiatório está patente uma relação bastante complicada (de negação) com a verdade.

Para René Girard (1988, 1997, 2001)[1][2][3][4], o desejo era mimético ou imitativo – este mecanismo de imitação do desejo dos outros seres humanos revela-se ainda mais poderoso em grupos. O que significa que quanto maior for o número de pessoas que se envolvem na culpabilização de um determinado bode-expiatório, mais fácil será convencermo-nos a nós próprios da culpa do dito e aliviarmos as nossas consciências. O bode-expiatório é perseguido, expulso ou eliminado, em nome da manutenção de uma “paz podre”, da coesão grupal e de uma identidade de grupo patológica, sem reflexividade associada. O fenómeno de scapegoating produz inicialmente alívio e catarse, no sentido em que torna temporariamente mais leves os supostos “problemas” do grupo: representados e condensados num único alvo a abater que pode ser fenotipicamente distinto, cultural e religiosamente diverso, ter uma personalidade divergente e/ou expor verdades incómodas, realidades de vida diferentes, pontos de vista contrastantes – ou, pura e simplesmente, representar alteridade. É, com frequência, o diferente ou o não-conformista que se torna bode-expiatório, porque ameaça uma identidade grupal demasiado homogénea.

René Girard: historiador, crítico literário e filósofo das ciências sociais.

O bode-expiatório é também da ordem do sacrificial – e, neste ponto, tem conexões profundas com o religioso. A pena de morte é o exemplo acabado da expiação e do sacrifício nos sistemas de justiça contemporâneos – gostamos de nos iludir, imaginando que esse sacrifício “é para o bem da sociedade”, para “manter a ordem e a lei” necessárias, para “eliminar a maldade do mundo”. O que, obviamente, não acontece nunca, a cada condenação – esse desejo ordinário, porque sobressimplista, é da ordem do imaturo. E, assim, justificamos a legalização do “assassinato justiceiro” sem mais esforço, para consolo dos familiares das vítimas e apaziguamento das opiniões públicas, que então se sentirão “mais seguras”. Ou sem mexer em conflitos e estruturas sociais, em processos de reintegração e manutenção de presídios, em sistemas educativos e princípios morais, ou ainda para deixar intactas as sombras incompreensíveis dos impulsos e da maldade humana – tópicos mais complexos e, decerto, muito mais desconfortáveis. Racionalizamos a expiação, “em nome de um bem maior”: a “ordem e paz social”. Mas a paz social não vem.

A figura de Jesus Cristo é, ela própria, o epítome do bode-expiatório: terá “morrido pelos nossos pecados” (Coríntios: 15) para nos dar “a vida eterna”. A caminho da cruz, ele foi surrado e cuspido. René Girard não vê o retraimento da ordem sacrificial nas sociedades modernas como sinónimo de menos violência, pelo contrário. E enquanto Girard também descreveu o Jó bíblico (Ezequiel 14: e Tiago 5:11) como bode-expiatório, Levine[5] discordou dele:

«As aplicações bíblicas do fenómeno do bode expiatório aos humanos são bem diferentes daquilo que encontramos em Jó, como veremos com referência a Lv 16 e a outros ritos de “libertação”. A canção do servo de Isaías 52–53 conta como o bode expiatório humano foi concetualizado no início do período pós-exílico e mostra como o bode expiatório diferia de outros sofredores. Não há ligação entre o bem-estar da comunidade e os sofrimentos de Jó, cujos lamentos admitem explicação psicológica. A sua dissidência heróica não é um fenómeno de bode expiatório.» (Levine, 2011: 413)

Jó no Esterco (pelo pintor Mexicano Gonzalo Carrasco, 1881). Museo Nacional de Arte – Cidade do México.

Se, na Bíblia, o ritual do bode-expiatório envolvia dois bodes e aparecia associado ao nome de Azazel, um deus Ctónico, os terapeutas Junguianos notam que, no moderno complexo de bode-expiatório, “o campo energético foi radicalmente quebrado e a libido foi separada da consciência, de maneira que o papel de Azazel é deformado para o papel de um acusador da vítima, que é o bode-expiatório” (Perera, 1986)[6]. Deste modo, o mecanismo de scapegoating envolve a mitologia das sombras e da culpa – os acusadores sádicos e superegóicos enterraram, com frequência, as suas próprias culpas debaixo de múltiplos véus de sombra. A partir de onde elas podem, então, ser projetadas num outro: a vítima bode-expiatório, que é sobrecarregada com culpa transpessoal indevida e soterrada em sombras que não lhe pertencem de modo nenhum – o que se torna, muitas vezes, evidente até para terceiros. O bode-expiatório, seja um grupo ou indivíduo, tem de ser auxiliado a manter a sua integridade, a descobrir a sua identidade soterrada em projeções e a usar a própria voz.

A terminar, gostaria de refletir sobre a aplicação dos princípios que regem o processo de scapegoating à exclusão de determinados grupos sociais cultural, sexual, fenotípica e religiosamente diferentes da maioria da população, nas sociedades contemporâneas. No caso português, cabe destacar o exemplo paradigmático da exclusão secular das pessoas Roma/Ciganas[7][8] (de resto, perseguidas e dizimadas noutros países europeus, durante o Holocausto[9] – com conotações genocidas desde os anos 1500; países como a Suécia e a Finlândia mantiveram programas de esterilização de Ciganos até aos anos 1970, enquanto casos de esterilização forçada ainda estavam recentemente em tribunal na Hungria, Eslováquia e República Checa[10]). Assim como é avisado ressaltar o caso mais recente dos migrantes Sul-Asiáticos – com frequência escolhidos e “singularizados”, descritos por muitos Portugueses como “muito sujos, desorganizados, ilegais, ignorantes, a cheirar a caril, fáceis de explorar, semelhantes aos Ciganos, criminosos, pessoas que vêm ocupar as nossas casas e roubar os nossos trabalhos, ou que vêm diminuir os nossos salários pelo fato de se sujeitarem ‘de boa-vontade’ à exploração, ou ainda que espalham a infeção por Covid-19”.

Foto por Pexels, 2022.

Uma amálgama de preconceito, intolerância, ódio, projeção de frustrações e falhas próprias, tentativa de homogeneização social, cultural e religiosa, desconhecimento do que é diverso e xenofobia “justifica”, normalmente, o uso de tais grupos como bodes-expiatórios. O que, de resto, demonstra bem uma enorme falta de curiosidade e incapacidade de conviver com quem pensa e age diferente de nós, ou com a imprevisibilidade da relação humana real. Esta última é, aliás, uma marcada caraterística das sociedades regidas pela relação tecnologicamente mediada, que vivem uma autêntica neurose de omnipotência: pela tentativa de controlo totalitário da relação social.

Mas eu gostaria, ainda, de refletir sobre a aplicação do mecanismo de bode-expiatório no seio de algumas comunidades axiológicas de pertença (como é o caso da comunidade Nepalesa, ou dos grupos de migrantes dos Palop – países africanos de língua oficial Portuguesa) e da comunidade de acolhimento (Portuguesa). Isto porque também um grupo socialmente maioritário (exº: as mulheres), ou diverso em termos de orientação sexual (exº: homossexuais) pode ser – e, com frequência, é – escolhido como bode expiatório para outros indivíduos e/ou subgrupos sociais, que sobre eles projetam culpas e expiações, numa tentativa de controle omnipotente da diferença e homogeneização social. De um modo geral, o olhar maniqueísta e dicotómico sobre a realidade é infantil e imaturo, ou adota até aquilo que os psicanalistas designam por “fantasia histérica”: a divisão fantasiosa da realidade entre “seres castrados” e “seres não-castrados”.


Referências Bibliográficas

[1] Fleming, C. (2004). René Girard. Violence and Mimesis. Cambridge: Polity.

[2] Girard, R. (1988). Generative scapegoating. In Violent origins (pp. 73-105). Stanford University Press.

[3] Girard, R. (1997). Interview with René Girard: Comments on Christianity, Scapegoating, and Sacrifice.

[4] Girard, R. (2001). I see Satan fall like lightning. Gracewing Publishing.

[5] Levine, B. A. (2011). René Girard on Job: the question of the scapegoat. In In Pursuit of Meaning (pp. 413-420). Penn State University Press.

[6] Perera, S. B. (1986). The Scapegoat Complex. Toward a Mythology of Shadow and Guilt. Ed. Daryl Sharp. Studies in Jungian Psychology by Jungian Analysts. Toronto: Inner City Books.

[7] Magano, O., & Mendes, M. M. (2021). Ciganos/Roma em Portugal: políticas públicas e intervenção social. Manual para a Intervenção Social. Da teoria à ação, 279-306.

[8] Mendes, M. M., Magano, O., & Costa, A. R. (2020). Ciganos portugueses: escola e mudança social. Sociologia, Problemas e Práticas, (93), 109-126.

[9] Genocide of European Roma (Gypsies), 1939–1945 | Holocaust Encyclopedia (ushmm.org).

[10] José Gabriel Pereira Bastos, co-fundador do Núcleo de Estudos Ciganos do CEMME – Centro de Estudos de Migrações e Minorias Étnicas, CRIA-FCSH (antropólogo, psicanalista e estudioso dos Roma/pessoas ciganas em Portugal, especialista em teoria freudiana, antropologia dos processos identitários, análise das produções culturais e antropologia do simbólico, ele procurou fundar uma ‘antropologia geral’, uma teoria global do ser humano cuja dimensão integrativa e transdisciplinar visasse derrubar o que chamava de ‘estilhaçamento disciplinar’) em Ciganofobia em Portugal e na Europa:

[11] Ver também: As Vacinas do Pensamento de José Gabriel Pereira Bastos, em entrevista a Diniz Cayolla Ribeiro, um investigador do I2ADS – Universidade do Porto:


Referências Bibliográficas Adicionais

Bastos, J. G. P. (2003). The hidden meanings of culture, ethnicity and identity: Anthropology from a divergent point-of-view. apresentado no ciclo de conferências “In search of hidden meanings: identity processes and strategies from a triple point-ofview”, Institut of European Studies, University of California, Berkeley (5 de março), documento policopiado.

Bastos, J. G. P. (2007). A Mudança na Cultura-Identidade, Interculturalidade e Hibridação Cultural. Cadernos de Sociomuseologia28(28).

Bastos, J. G. P. (2014). Da investigação por objetivos à antropologia dos processos identitários: um ponto de vista transdisciplinar e integrativo. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia18(2)), 341-364.

Bastos, J. G. P. (2016). Depois de Freud:“O Que é o homem?” Dramática humana e o Mal-Estar na Civilização. Trabalhos de Antropologia e Etnologia56.

Bastos, J. G. P. (2020). A máscara, incorporação da exterioridade, exclusão e controlo da interioridade, reforço da identidade. Trabalhos de Antropologia e Etnologia56.

Bastos, J. G. P. (2020). From negative visibility to positive invisibility–who needs to use Gypsies [Roma] as the anti-citizens of Civilized Europe?. Journal of Gypsy Studies2(1), 3-38.

Bastos, S. T. P., & Bastos, J. G. P. (1989). Reflexões sobre a patogenia de uma instituição pragmático-familialista. Psicologia7(2), 205-215.

Pereira Bastos, S. T., & Pereira Bastos, J. G. (2000). Diu, Mozambique et Lisbonne. Histoire sociale et stratégies identitaires dans la diaspora des hindous-gujaratis. Lusotopie7(1), 399-421.

Bastos, J. G. P., & Bastos, S. P. (2002). Imigrantes, minorias étnicas e minorias nacionais em Portugal, hoje: da exclusão social e identitária ao multiculturalismo?. AAVV, A Imigração em Portugal: Os Movimentos Humanos e Culturais em Portugal. Lisboa, SOS-Racismo, 272-288.

Bastos, S. P., & Bastos, J. G. P. (2007). “The Blood of a Muslim is Worthless, After All”. Identity Debates between Portuguese and British Sunnis in Leicester. Lusotopie. Recherches politiques internationales sur les espaces issus de l’histoire et de la colonisation portugaises, (XIV (1)), 271-285.

Bastos, S. P. (2006). Filhos diferentes de deuses diferentes. Manejos da religião em processos de inserção social diferenciada: uma abordagem estrutural dinâmica (Vol. 17). Observatório da Imigração, ACIME.

Bastos, S. P. (2008). Politizando as relações familiares dos imigrantes em contextos multiculturais. Uma perspetiva a partir da ecologia cultural portuguesa. Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana16(30).

Bastos, S. P. (2009). Manejos da religião, da etnicidade e recursos de classe na construção de uma cultura migratória transnacional. Análise social, 43-69.

Bastos, S. P. (2019). O Estado Novo e os seus vadios: Contribuições para o estudo das identidades marginais e a sua repressão. Etnográfica Press.

Lourenço, I. (2002). Susana Trovão Pereira Bastos, e José Gabriel Pereira Bastos. De Moçambique a Portugal: Reinterpretações Identitárias do Hinduísmo em Viagem. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia6(2), 407-409.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Alexandra Pereira (17 de Janeiro de 2023). Scapegoating of People and Groups. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkvp


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search