Categorias
journalism

For a journalism orientated towards the public service that it must be

Para um jornalismo orientado ao serviço público que deve encarnar

O final de um ano e o início de um novo representam geralmente uma boa oportunidade para se refletir sobre o que tem ocorrido, fazer avaliações e também previsões/ planos sobre o futuro. O campo dos estudos jornalísticos não difere desta tradição e dois dos seus mais reconhecidos centros de investigação publicam documentos sobre previsões e tendências para o ano seguinte.

Enquanto o Reuters Institute for the Study of Journalism ouve pessoas de diferentes países que ocupam posições de topo em empresas editoriais para prever o que irá moldar o jornalismo[1], o Nieman Journalism Lab adota um perfil mais reflexivo em uma série de artigos de escritores convidados[2]. Neste texto, gostaria de discutir as principais conclusões do inquérito do Instituto Reuters para 2023, ligando-as ao provocador artigo do Nieman Lab, de autoria do Professor Victor Pickard: “O ano em que o jornalismo e o capitalismo finalmente se divorciam”[3].

A incerteza em torno da sustentabilidade dos media noticiosos não é uma preocupação apenas dos últimos anos, mas de acordo com Nic Newman, autor do relatório sobre os resultados do inquérito da Reuters, o atual contexto de inflação crescente e compressão das despesas das famílias leva os executivos a preverem um cenário sombrio para 2023. A maioria está neutra ou pessimista em relação a este ano, e preocupada com o fenómeno crescente de ‘não consumo/ evitamento de notícias’, evidente nos tráficos estáticos ou decrescentes dos seus websites. No entanto, esperam algum crescimento nas subscrições.

Para combater tal comportamento de não consumo de notícias, especialmente em tópicos importantes, mas também, usualmente, mais sombrios, os executivos estão inclinados a investir em explicadores (94%), formatos de perguntas e respostas (87%), em um jornalismo que também apresente soluções (73%), bem como em histórias inspiradoras (66%). A preocupação com tal fenómeno e a intenção de o ultrapassar parece lógica não apenas em termos económicos, uma vez que a repelência às notícias acaba por ser contrária ao ideal do jornalismo: lançar luz sobre questões de interesse público.

Conjuntamente com a crítica sobre evoluções tecnológicas que impactam as receitas de publicidade – a principal fonte de receitas dos media nos seus velhos bons tempos – são também mobilizadas explicações culturais sobre a evolução dos gostos das audiências para dar sentido ao risco da (in)sustentabilidade económica. Este tipo de explicações, por exemplo, está na base das estratégias de dissuasão do comportamento de evitamento de notícias. Embora não sejam inválidas, elas deixam o capitalismo imune ao escrutínio. Como aponta Pickard: “É o capitalismo que incentiva a degradação dos nossos media – desinvestindo no jornalismo local, armando as redes sociais para captar a nossa atenção e dados, e desvalorizando as condições de trabalho dos trabalhadores dos meios de comunicação social”.

De facto, tal crítica não é inteiramente nova e podemos encontrar as suas raízes na análise de John Stuart Mill sobre a liberdade de expressão[4] e no clássico estudo sobre a transformação estrutural da esfera pública de Jurgen Habermas[5]. Apesar das diferenças e distância temporal, os autores partilham o entendimento de que a imprensa (media comerciais) vê o jornalismo mais como um meio para produzir um produto – as notícias – que esteja apto à venda para consumidores e anunciantes, e menos como um serviço público de grande interesse para os cidadãos.

Alinho-me humildemente a Mill, Habermas e Pickard em tal análise dos media, reconhecendo que o objetivo capitalista de maximizar lucros é inconciliável com uma atividade destinada a prestar um serviço público que está na base da democracia. Por exemplo, quando observamos os contornos do comportamento crescente de evitamento de notícias, este está relacionado com o sentimento de que “(…) a cobertura mediática é excessivamente negativa, repetitiva, difícil de confiar, e deixa as pessoas se sentindo impotentes” (Newman). Penso que tal relaciona-se menos com a evolução dos gostos e sentimentos das audiências e mais com a tendência geral para redução de custos, o que acaba por sacrificar o jornalismo em seu trabalho de explicar melhor, fornecendo um maior contexto.  

Considerando que “(…) os interesses das empresas de media e das sociedades democráticas nunca se alinharão totalmente”, Pickard convida-nos a refletir sobre a perspetiva de um sistema de media pós-comercial. Neste cenário hipotético, os media com fins lucrativos não desapareceriam, mas coexistiriam com centros de media públicos – cooperativas noticiosas financiadas publicamente e governadas por comunidades locais, que assim teriam a oportunidade de contar as suas próprias histórias.

Considerando a ausência habitual das perspetivas das minorias nos media, como tenho vindo a argumentar nos meus artigos, esta parece ser uma excelente proposta, embora Pickard esteja ciente de que a sua implementação não seria fácil e imediata. Também é necessário que seja muito bem pensada e cuidadosamente desenvolvida para evitar o risco de que seja capturada para fins políticos.

Assim, concluo o meu primeiro texto de 2023 com o apelo para pensarmos na ideia de Pickard para o contexto português. Embora a crítica ao sistema de media comerciais continue a ser necessária e importante, convido os leitores a também seguirem o panorama dos media alternativos portugueses e conhecerem os incríveis trabalhos desenvolvidos pelo podcast Fumaça[6], a revista digital Divergente[7], e o projeto digital Setenta e Quatro[8], entre outros. Apesar das dificuldades económicas, eles ajudam a dar visibilidade e voz a diferentes minorias em Portugal e lançam luz sobre questões dificilmente abordadas pelos media comerciais, tais como o comportamento violento e o discurso do ódio nas polícias[9] e os legados do colonialismo[10].

Feliz Ano Novo!


[1] No último relatório, foram inquiridas 303 pessoas de 53 países. Aceda a Journalism, media, and technology trends and predictions 2023 no link: https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/journalism-media-and-technology-trends-and-predictions-2023#header–10

[2] Encontre todas as previsões para 2023 no link: https://www.niemanlab.org/collection/predictions-2023/

[3] https://www.niemanlab.org/2022/12/the-year-journalism-and-capitalism-finally-divorce/

[4] Mill, J. S. (1860). On Liberty (2 ed.). Londres: John W. Parker & Son.

[5] Habermas, J. (1991). The Structural Transformation of the Public Sphere: An Inquiry into a category of Bourgeois Society. Cambridge: MIT Press.

[6] https://fumaca.pt/

[7] https://divergente.pt/

[8] https://setentaequatro.pt/

[9] https://setentaequatro.pt/policiassemlei/

[10] https://por-ti-portugal.divergente.pt/



Citar este post
Ester Minga (2023, 16 Janeiro). For a journalism orientated towards the public service that it must be. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 22 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkvo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search