Uma Abordagem Fenomenológica à experiência DeafSpace no Cairo

Fonte: Própria

Ao falarmos sobre a experiência vivida do Espaço, impulsionados por hipotéticas linhas de diálogo que se entrelaçam nos Estudos Surdos, bem como na Fenomenologia da Percepção de Maurice Merleaux-Ponty (1994), reconhecemos o conceito emergente de Corpo Próprio, Corpo Subjetivo e experiência do Espaço, ou seja, os modos de ser, sentir e compreender o mundo, na primeira pessoa.

Duvisac (2014) [1] recupera o conceito de Espaço em M M-Ponty, citando o autor: “o espaço não é um recipiente, nem uma propriedade intrínseca de um objeto. Tampouco é uma construção da intuição. O que Merleau-Ponty quer mostrar, em última análise, é que o espaço é um pacto entre o sujeito e o mundo, noção que só é possível a partir da intencionalidade: “O pacto é uma síntese entre o sujeito, como agente que realiza ações intencionais em relação ao mundo, e o mundo, que oferece pontos de ancoragem de estabilidade e motiva nossa orientação para esse mesmo mundo. Essa relação entre o mundo e o sujeito é que dá origem ao Espaço” (p.46).

Semelhante à visão de M-Ponty, considerando que a experiência do Corpo Subjetivo dá origem ao conceito de Espaço, Soto (2012) considerou o exemplo dos espaços urbanos como espaços criados para incorporar movimento, acesso e vida pública, através de ruas transitáveis e, em última análise, como meio de melhorar a qualidade de vida. Assim, o espaço urbano possui, não somente a soma  das suas características tridimensionais na organização dos elementos estruturais urbanísticos, mas também o espaço de interação, socialização, bem como parâmetros estéticos, sendo uma simbiose: transformados e ao mesmo tempo transformadores dos sujeitos.

O desenho do espaço urbano possui, no entanto, variantes socioculturais que moldam as experiências dos próprios sujeitos que os habitam ou nele transitam.  As condições físicas que definem a existência de um local público, como uma praça, por exemplo, não são suficientes para que a esse local seja tido como favorável à presença e frequência social em todos os países ou culturas.

Segundo Giddings (2011) [2] essa presença social existe perante a garantia de condições  microclimáticas, permitindo às pessoas a sensação de conforto e predisposição para a permanência e interação. Se presente, essa garantia permite que espaço urbano possa ser um espaço efetivo destinado a atividades socioculturais, dotado de condições estéticas.

No contexto egípcio, a geometria e geografia da zona antiga da cidade do Cairo, difere da das cidades europeias, na medida em que existem espaços que congregam grupos sociais. A título de exemplo, podemos pensar nas áreas envolventes das mesquitas, que mobilizam diversas vezes ao dia os grupos de crentes que ali se deslocam – esse poder-se-á considerar como um espaço regido pelo princípio tridimensional (largura x comprimento x altura) semelhante aos das praças europeias no que respeita às dinâmicas socioculturais  (ibid, p.203).

Já quando falamos de “rua”, passamos diretamente ao conceito de geometria no sentido da sua largura e comprimento, que no Cairo Antigo possuem um conceito de medida relativamente exato, relativamente à proporção largura x comprimento, de forma que as ruas poderão ser consideradas igualmente centros sociais que acomodam atividades tanto dinâmicas como estáticas e determinam a identidade espacial da zona histórica do Cairo:

 “A proporção comprimento/largura de uma “rua” deve exceder 3:1, e devido às proporções geométricas da sua área de influência, a “rua” será considerada como um “espaço urbano linear” (Hereinafter, LS). Por outro lado, as pegadas dos espaços urbanos que variam entre 1:1 e 1:2 (Städtebauliches Institut, 1972) serão classificadas como “espaços urbanos centrais” (ou seja, a Praça Pública será considerada geometricamente como “espaços centrais”.[3], [4].

Saad,S.(1994)The Visual and Aesthetic Factors affecting Urban Spaces in Cairo

No entanto, a cartografia da cidade do Cairo na sua zona mais antiga sofreu alterações dadas as influências e ocupação europeias, e a visão considerada mais darwinista da organização urbanística das ruas assistiu a duas derivações na tipologia e identidade de espaços urbanos, entre os quais as “ruas”: em algumas zonas prevaleceu o conceito original associado à geografia, geometria e estética do espaço e noutras assistimos a uma recessão, coexistindo hoje zonas de tipologia diversa.

Segundo Saad (2017) [5], os espaços urbanos no Cairo contemporâneo, pela sua diversidade relativamente atual, perderam sua identidade local genuína, a qual reflete geralmente, um de dois sentidos na sua evolução: ou reflete desordem urbana ou reflete intenção. “Se a aleatoriedade for o caso, o inventário quantitativo deve implicar aleatoriedade. Na realidade, implica o domínio de certos caracteres espaciais e a recessão de outros. Enquanto elementos espaciais dominantes criam a unidade visual, elementos recessivos criam a diversidade visual” (p.4) [6].

Seguindo os conceitos dicotómicos do mesmo autor de ‘selvagem’ (wild) e ‘domado’ (tamed) para designar espaços no Cairo antigo (wild), percebemos que inicialmente a cidade foi construída com a intenção clara de distinguir os espaços públicos dos privados, mas dada a falta de planeamento urbanístico, patente nas fontes documentais do inicio do século XIX dos mapas napoleónicos (Raymond 2001 [7]), as grandes artérias rodoviárias da cidade então localizadas agora em grande proximidade a zonas habitacionais e a espaços públicos como escolas e hospitais, sendo a transição entre as mesmas feita de forma abrupta e pouco regulamentada. A vivência “domada” do Espaço existe no Cairo contemporâneo, nomeadamente nas designadas exclusivas “compound living” e zonas internacionalizadas  mas, na mais recente cartografia, a identidade  e atividade sociocultural mais tradicional da metrópole adaptou-se de modo só aparentemente pacífico, principalmente nesta fronteira flutuante entre selvagem e domado (antigo versus contemporâneo), perante a imposição pragmática de manter o carácter funcional de trânsito de peões e veículos entre as diversas zonas e cidades limítrofes (Cairo antigo e Giza, por exemplo).

A vivência do Espaço que Saad (2017) considera mais “selvagem”, justifica a pertinência de desenvolver pesquisa sobre o DeafSpace no “Old Cairo” junto de uma população surda, a qual quotidianamente de desloca para a escola que frequenta ou na qual trabalha, tomando como exemplos oo estudo dos constrangimentos na relação da acessibilidade, segurança e bem-estar dos sujeitos surdos e consciência do Corpo Próprio e Espaço na sua subjetividade, a qual difere da condição de espacialidade dos objetos definida pela sua posição cartesiana, essa sim, objetiva. A compreensão espacial do próprio corpo traz uma sensação única de espaço interior do corpo, paralelamente às relações exteriores do corpo com o mundo externo.

No interior da Deaf Unit, à semelhança de um espaço micro-ecológico onde se reúnem comunidades minoritárias ou nas franjas da sociedade, o DeafSpace como Solvang and Haualand (2014) o admitem,  pode ser explicado como: “tanto o fornecimento de instalações técnicas como a criação de práticas socialmente inclusivas são demonstrados quando os Surdos se encontram. A presença de muitos utilizadores de linguagem gestual muda a impressão visual dos locais”[8],[9]. É por isso uma construção do Espaço ou deafening of some urban spaces (ibid,7), que transformam o espaço de modo favorável tanto a surdos como ouvintes.

O DeafSpace é um conceito que implica transformação e simultâneo potencial transformador das dinâmicas, interações, segurança e bem-estar das pessoas que frequentam esses mesmos espaços.

É mais abrangente do que a perspetiva da acessibilidade que conhecemos relacionada com o Inclusive Design: o DeafSpace possui forte relevância e impacto cultural e social junto dos indivíduos surdo, os quais, a par do aspeto central da eficácia comunicacional através do elemento “alcance sensorial”, sublinha que os surdos têm uma acentuada consciência ambiental, com ampla visão periférica e maior sensibilidade aos movimentos à sua volta.

O desconforto ou insegurança é acentuado pela experiência de dorsalidade, a qual traduz sensorialmente um alcance limitado ou impossível relativamente ao espaço próximo não visível .

A experiência do espaço da rua no Cairo Antigo pode tornar-se avassaladora, dada a natureza simultaneamente dinâmica e estática da “rua”. Os passeios são muitas vezes uma extensão do espaço comercial da loja, carrinho ou bancada de venda de hortaliças ou comida de rua, ou até mesmo um espaço social para as pessoas interagirem, sentados em bancos. Os peões utilizam frequentemente a rua (via de circulação rodoviária) como via preferencial e esta justaposição com o trânsito (automóveis, motos, tuc-tucs) é bastante imprevisível.

A experiência física do espaço-rua no Cairo Antigo está, em grande parte, subordinada ao sentido da audição, devido ao hábito dos motoristas de veículos na sinalização sonora da marcha, através do uso da buzina. Na pessoa surda, o uso da visão periférica revela-se essencial como perceção do Corpo no Espaço, na medida em que o estímulo sensorial da visão atua na tomada de decisões rápidas sobre orientação e movimento.

Se, de acordo com os princípios do DeafSpace, a pessoa surda deve ter, idealmente, um amplo campo de visão, próximo a 180 graus, no Cairo antigo e dada a navegação dos peões  orientada pelo estímulo sonoro, a relação viso-espacial dos surdos é intensamente experienciada, tornando-se uma questão de sobrevivência.


[1] Duvisac, Dora, “The concept of spatiality in Heidegger, Merleau-Ponty, and Patočka” (2014). Senior Honors Projects, 2010-current. 407.https://commons.lib.jmu.edu/honors201019/407

[2] Giddings, B., Charlton, J., and Horne, M., 2011. Public squares in European city centres. Urban Design International, 16 (3), 202–212.

[3]https://www.researchgate.net/publication/331658339_The_Spatial_Identity_of_Historic_Cairo_Part_one_Typology_Geometry_and_Geographic_Distribution

[4] [Tradução livre]

[5] Saad,S. (2017).The Spatial Identity of Historic Cairo, Part one: Typology, Geometry, and Geographic Distribution. DOI: 10.21625/archive.v1i1.131

Saad, S., 1994. Die Visuellen und Ästhetischen Faktoren, die die Gestaltung der Städtischen Räume beeinflussen, am Beispiel von Kairo[The Visual and Aesthetic Factors affecting Urban Spaces in Cairo]. PhD. Technical University, Vienna.

[6] [Tradução livre]

[7] Raymond, A., 2001. Cairo: City of History. Cairo: The American University in Cairo Press.

[8] Solvang, Per Koren and Hilde Haualand (2014). Accessibility and diversity – Deaf space in action, in Scandinavian Journal of Disability Research. Vol 16, no 1, 1-13

[9] [Tradução livre]


Please find the portuguese version on the next page

Por favor, aceda à próxima página para a versão portuguesa da publicação 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search