Categorias
Climate change Education for Sustainable Development Higher Education Integral Human Development Water

The water war: Is water a common good?

A guerra da água: a água um bem comum?

Será a água um bem comum, quando tantas populações ainda não têm direito a ela?

As alterações climáticas e uma resposta urgente e necessária estão cada vez mais na ordem do dia.

Há muito que se discute formas de prevenção, combate e mitigação, no entanto crescem as notícias relativas a desastres naturais e de outra índole que, cada vez mais, colocam em causa uma resposta concertada.

São assinados acordos, são declaradas iniciativas, são assinalados dias, são marcadas greves e manifestações, no entanto continuamos na iminência de um desastre à escala global com consequência para todos.

No último ano este alerta mudou de tom e ganhou um maior destaque, apesar dos diferentes alertas de anos e anos.

Os mais pessimistas falam numa terceira guerra mundial proveniente da falta de água, outros referem que a escassez e as alternativas farão parte do futuro próximo das populações de todo o mundo.  

Inquietante é que em 2022 existem populações que ainda não sabem o que é água potável. Só quando experienciamos essa vivência é que tomamos consciência desta dificuldade. É impossível ficar indiferente e não mudar nada no quotidiano do dia-a-dia. Todos os dias desperdiçamos água, no entanto a maior parte das pessoas nem se dá conta disso.

E, infelizmente, continuam a existir pessoas que apesar de usufruírem de torneiras nas suas casas não têm água potável para beber ou até para cozinharem os seus alimentos. Continuam a existir pessoas que fazem quilómetros para procurarem água para a sua família e para os seus animais, continuam a existir pessoas a lutar, todos os dias, para puderem alimentar a terra do fruto que irá servir de alimento para si e para os seus.

É sabido que a disponibilidade de água está ameaçada nas próximas décadas. De acordo com Vedachalam and Mancl (2012) a reutilização de água residuais deve ser vista como solução para fazer face a este problema a longo prazo. Também Islam, Lefsrud, Adamowski, Bissonnette, and Busgang (2013) referem que a exploração do potencial do uso da água da chuva e a reciclagem de água apresentam-se como formas de promover a gestão sustentável dos recursos hídricos. Segundo os autores (Islam et al., 2013), a captação de águas pluviais não só tem o potencial de reduzir a procura de água, como poderá contribuir para outros objetivos sustentáveis, incluindo a redução das cargas poluentes das águas pluviais, redução da erosão e indução de regimes de fluxo natural por meio do controle de enchentes, em córregos urbanos.

São vários os estudos que inferem sobre o papel das Instituições de Ensino Superior para o desenvolvimento sustentável, em específico em relação à água enquanto líderes de soluções inovadoras que podem responder ao desafio deste recurso cada vez mais finito (Johnson & Castleden, 2011).

Entre 2011 e 2013 surgem alguns trabalhos que inferem sobre o papel das Instituições de Ensino Superior na promoção de conhecimentos e valores, no âmbito das suas atividades, que sirvam o propósito de combinar iniciativas que possam alavancar a gestão dos recursos hídricos (e.g., Johnson & Castleden, 2011; Vedachalam & Mancl, 2012). O trabalho de Islam et al. (2013) revelou que no âmbito da recolha de água da chuva para rega de duas estufas atendeu às necessidades das mesmas, apresentando, no entanto, como problema o aparecimento de algas, posteriormente resolvido, pelo que este sistema continua a ser implementado na universidade. No entanto, segundo vários investigadores, estas iniciativas são ainda isoladas e fragmentadas o que não garante a sustentabilidade ambiental do campus universitários, o que revela que as Instituições de Ensino Superior não têm alcançado uma gestão ambiental interna eficaz, principalmente no que se refere aos seus recursos hídricos.

Infelizmente parece que os estudos alusivos ao papel das Instituições de Ensino Superior na promoção de iniciativas que possam permitir encontrar soluções que respondam à finitude da água têm diminuído nos últimos anos. Será crucial que, quer a educação para comportamentos mais sustentáveis quer a investigação sobre medidas de prevenção, combate e mitigação possam responder a este, cada vez maior, desafio – que a água possa ser bem comum garantido a TODOS.

Referências

Islam, S., Lefsrud, M., Adamowski, J., Bissonnette, B., & Busgang, A. (2013). Design, Construction, and Operation of a Demonstration Rainwater Harvesting System for Greenhouse Irrigation at McGill University, Canada. HortTechnology hortte, 23(2), 220-226. doi:10.21273/horttech.23.2.220

Johnson, L., & Castleden, H. (2011). Greening the campus without grass: using visual methods to understand and integrate student perspectives in campus landscape development and water sustainability planning. Area, 43(3), 353-361.

Vedachalam, S., & Mancl, K. (2012). Water Resources and Wastewater Reuse: Perceptions of Students at the Ohio State University. Ohio Journal of Science, 110, 104-113.



Citar este post
Ana Marta Aleixo (2022, 29 Dezembro). The water war: Is water a common good? Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 22 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkvm

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search