Categorias
Ethnic Media Media Coverage Migration studies Science Communication

Media Coverage, IT/New Media/’Ethnic Media’, Science Communication and Terminological Issues in Migration Studies.

Nesta oitava postagem do blogue, examinarei o papel fundamental desempenhado pela cobertura dos mídia, não apenas ao moldar atitudes gerais em relação aos migrantes, mas também ao transmitir noções associadas a economias morais concorrentes específicas. Discutirei questões terminológicas e a especificidade de alguns dos resultados alcançados no campo dos estudos das migrações, incluindo alguns dos meus próprios resultados sobre o uso de TI/novos mídia por parte de grupos migrantes específicos.

© Alexandra Pereira, CECC, UCP, 2022


* Cover Image Creative Commons License Type:


Destaques:

  • Defendo que a cobertura dos mídia pode desempenhar um papel fundamental na formação de atitudes públicas em relação aos migrantes. Ela introduz e transmite igualmente noções e representações associadas a certas economias morais concorrentes nos discursos e debates sociais convencionais (exemplo: a maneira como as migrações foram retratadas nos mídia mainstream no Sul da Europa durante a pandemia de Covid-19 e questões de responsabilidade jornalística).
  • Resumo alguns dos meus próprios resultados sobre o uso de TI/novos mídia por parte de grupos específicos de migrantes, ao mesmo tempo que sublinho o papel dos chamados “mídia étnicos” ou mídia comunitários.
  • Faço ainda apontamentos sobre comunicação de ciência, questões terminológicas no domínio dos estudos migratórios e o carácter contraintuitivo e específico de algumas das evidências científicas produzidas nesse âmbito.

Vivemos num mundo acelerado, onde as notícias de última hora são banalizadas e a informação se tornou descartável. Eu argumento aqui que a cobertura mediática pode desempenhar um papel fundamental, ao introduzir e difundir noções e representações associadas a economias morais concorrentes particulares nos discursos convencionais e nos debates sociais. Apesar de sabermos que as migrações e, de um modo geral, as vidas e experiências humanas, são realidades complexas, o recurso a categorias de análise é útil porque nos ajuda, desde logo, a tornar o mundo mais inteligível. Contudo, a linguagem jornalística, exceto se produzida por jornalistas especializados em determinados tópicos, não tem esse nível de especificidade nem se dirige a um público especializado (possuindo, antes, a responsabilidade de comunicar e se fazer entender junto da sociedade alargada).

Apesar disso, é também responsabilidade dos jornalistas pesquisar além da superfície, ter um papel pedagógico, ouvir e colaborar com especialistas em diferentes áreas antes de sucumbir à tentação da omnisciência. E tentar explicar em termos simples, entendíveis por um leigo, as diferenças terminológicas e concetuais existentes entre categorias científicas e jurídicas distintas. É igualmente relevante que os jornalistas façam um trabalho interior e “deitem fora” preconceitos, estereótipos e julgamentos que não se apoiam em resultados de pesquisas (mas em perceções próprias e ideias pré-concebidas) antes de partirem para a escrita, caso contrário, transmitirão e difundirão versões restritivas de economia moral.

Simultaneamente, a promoção de colaborações alargadas, quer com órgãos de comunicação noutras latitudes e continentes, como os países de origem dos migrantes, quer com os chamados mídia étnicos, mídia de minorias e comunidades migrantes nos países de destino, permitiria aos jornalistas dos mídia mainstream colher uma imagem mais abrangente das realidades sobre as quais reportam – ao mesmo tempo que ajudaria a inoculá-los, em parte, contra o etnocentrismo jornalístico. Os repórteres deverão ter noção daquilo que constitui um corpo científico com resultados mais ou menos estabelecidos e consolidados, distinguindo-o do cherry-picking de resultados pontuais, encontrados numa pesquisa casual, muitas vezes feita através de motores de busca online (embora esses possam, reconfortantemente, confirmar os preconceitos ou perceções prévias de quem escreve). A UNESCO e o Instituto Erich Brost para o Jornalismo Internacional publicaram recentemente “Reporting on Migrants and Refugees” (2021), um manual pedagógico muito útil que inclui diretrizes específicas e estudos de caso[1]. Ele inclui gráficos que mostram os principais tópicos selecionados de cobertura das migrações, por percentagem (%), nos meios de comunicação africanos e europeus:

Selected main topics of migration coverage by percentage (%) in African and European media outlets, “Reporting on Migrants and Refugees” (UNESCO, 2021, pp. 58).

Podemos observar que acidentes/catástrofes/salvamento, integração e outros problemas pós-migração correspondem a uma grande percentagem da cobertura total, enquanto outros tópicos são negligenciados. Além da necessidade identificada de diversificar a sua cobertura, os jornalistas têm de saber navegar o mar de informação à sua disposição e apoiar-se numa conexão com cientistas que sejam, concomitantemente, bons comunicadores de ciência. Embora encontremos já casos pontuais de jornalistas especializados em ciência que se tornaram, eles próprios, ótimos comunicadores de ciência, com um nível de conhecimento especializado muito aprofundado em certas áreas, (por vezes, devido ao seu percurso académico individual, mente inquisitiva e curiosidade de pesquisa ou aprofundamento, ou ainda devido à sua relação pessoal muito próxima com cientistas[2]).

Um bom exemplo de retratos mediáticos que enfatizaram determinadas economias morais ocorreu durante a cobertura jornalística do primeiro ano da pandemia Covid-19, sobretudo em certos países do Sul da Europa, quando se tornou patente, em muitas coberturas jornalísticas, a delimitação de fronteiras entre “nós” e os “outros” (processos de “outrização”): os “estrangeiros” primeiramente afetados pelas consecutivas ondas de infeções respiratórias, vistos amiúde como “recetáculos da doença” e forçados a cumprir medidas sanitárias extraordinárias. No caso, os trabalhadores imigrantes mais expostos, pelo fato de desempenharem tarefas essenciais – como os cuidados aos idosos, pessoal dos supermercados, restauração, entregas aos domicílio e produção de alimentos através da indústria agrícola. Mas também pelo fato, mais tarde cientificamente demonstrado no Reino Unido[3], de que populações sul-asiáticas seriam, realmente, mais suscetíveis à doença.

I Congreso Internacional de Periodismo UFV, Madrid, 2022

A partir da minha própria pesquisa qualitativa (continuando as minhas pesquisas anteriores sobre migrações e novos mídia, que remontam a 2018 e a um paper apresentado na Conferência de Primavera IMISCOE, em Oxford), incluindo etnografia online, 50 questionários online a migrantes Nepaleses durante o lockdown do Outono de 2020 (n = 50) e 20 entrevistas semiestruturadas a migrantes Nepaleses a viver em Espanha e Portugal (n = 20), pude extrair resultados sobre:

  • TI/novas plataformas, mídia online e iniciativas de jornalismo independente;
  • A natureza dos diferentes papéis desempenhados pela mídia étnica e institucional e pelo jornalismo independente para a diáspora Nepalesa, em particular;
  • Mídia e efeitos das TI sobre os migrantes (sobre as suas atitudes, perceções e entendimentos sobre mobilidade e sobre a sua integração, migração ou planos de remigração e quietude forçada);
  • A visibilidade repentina de grupos migrantes de outra forma invisíveis;
  • Processos de delimitação de fronteiras simbólicas, securitização e exclusão;
  • E também sobre as tonalidades racistas e preconceitos subjacentes a várias reportagens nos jornais portugueses (por exemplo, mencionando frequentemente o “cheiro de caril” ao descreverem acomodações de trabalhadores migrantes Nepaleses).

Concluí que os migrantes Nepaleses contribuem, desafiam e reformulam tanto o conteúdo da mensagem dos mídia quanto as suas formas de entrega. Também pude examinar as plataformas de mídia associadas à tomada de decisão e comunicações de todos os tipos trocadas no seio desta diáspora – pessoais, sociais, notícias, bem como informações relativas a emprego, documentação ou informações de saúde pública. Esses resultados foram sinteticamente apresentados durante o I Congreso Internacional de Periodismo UFV em Madrid, em Outubro de 2022[4].

Contudo, a cobertura mediática é desafiante: explicar diferenças terminológicas a um leigo pode ser um processo longo e complexo e, até certo ponto, improdutivo – ainda mais se o destinatário não tiver senão um interesse geral e superficial no assunto reportado. No campo das migrações, assim como é facilmente compreendido por investigadores especializados que um negócio, organização, grupo ou família internacional não terão as mesmas características do que um negócio, uma organização, um grupo ou uma família transnacional, os processos de transnacionalismo apresentam caraterísticas específicas, concetualmente distintas das dinâmicas internacionais, do trans-estatismo, do nacionalismo de longa-distância ou da vilageness de longa-distância.

Aqui, as noções de campos sociais transnacionais, o tipo, magnitude, natureza e intensidade das trocas estabelecidas, a transposição (ou não) de arranjos institucionais híbridos entre países (entre outros tipos de hibridização), a circulação de bens, valores, normas e entendimentos, a definição relativamente precisa daquilo que constitui (ou não) uma diáspora, entre outros conceitos basilares, entram em jogo. O mapeamento dos estudos sobre migrações através de uma análise empírica[5], juntamente com um olhar sobre as co-citações de autores em pesquisas sobre migrações (exº: Levy, Pisarevskaya e Scholten, 2020), pode ajudar-nos a traçar temas de pesquisa mais concretos:

Mapa de co-citações de autores com 10+ citações nas pesquisas em migrações durante o período 2005-2014. A partir de Levy, Pisarevskaya e Scholten, 2020, p. 17, figura 10.

Como notam Levy, Pisarevskaya and Scholten (2020): «A Sociologia foi considerada como a fundadora ou uma disciplina proeminente nos estudos de migrações, por quase todos os nossos entrevistados. As nossas descobertas confirmam isso, mostrando que a Sociologia tem sido uma das três disciplinas centrais no campo desde a década de 1970. Na Fig. 11, os leitores podem ver que muitos clusters têm uma orientação sociológica ao longo de todo o período em análise. Além disso, desde a década de 1990, sociólogos como Bourdieu e Foucault – entre os autores mais citados pelos estudiosos das migrações (Figs. 9 e 10) – indicam o domínio da Sociologia neste campo.» (Levy, Pisarevskaya and Scholten, 2020: 18). Estes autores também mencionam indicadores claros da chamada “cultural turn” nos estudos sobre migrações, com uma prevalência, sem dúvida, mais elevada de estudos e abordagens qualitativas nos últimos anos. A Figura 11, abaixo, mostra os agrupamentos de co-citações da literatura no âmbito dos estudos sobre migrações entre 1975-2018 e constitui uma visualização da génese dos estudos sobre migrações enquanto campo de pesquisa:

 Visualização da génese dos Estudos de Migrações enquanto campo de pesquisa (1974–2018). Clusters de co-citação da literatura nos estudos de migrações 1975–2018. A partir de Levy, Pisarevskaya and Scholten, 2020, p. 18, figura 11.

Na área dos estudos sobre migrações, e já deixando de parte o clássico Simmel (1908[6]) entre outros autores essenciais, há pelo menos 60 anos que as distinções concetuais fundamentais foram estabelecidas com maior ou menor rigor: entre migrantes, emigrantes, imigrantes, migrantes internos, deslocados, refugiados, migrações forçadas ou impelidas ou involuntárias, sazonais, pendulares e circulares, fluxos, influxos, outfluxos, migração líquida, migração permanente e temporária, remigração, rotas migratórias, entre outras distinções básicas vitais para a comunicação entre os investigadores (exº: por J. A. Jackson, 1968/9[7], Lee, 1966, ou Petersen, 1958). Muitos investigadores das migrações e mobilidades tendem, ainda, a reconhecer que essas classificações, sendo úteis de um ponto de vista operativo, político e jurídico-legal, são mais problemáticas e complexas do ponto de vista social – podendo, na prática, ser situadas num espetro, com algumas sobreposições e zonas cinzentas onde a fronteira entre uma e outra categoria, dependendo das circunstâncias específicas, populações e temporalidades associadas, pode não ser clara e poderá até ser questionada. Em termos mais antropológicos, como afirmava Cristina Santinho, já em 2016[8]:

«São as normatividades produzidas no campo jurídico (Habermas 1997), que começam (…), particularmente em Portugal, a ser questionadas pela investigação académica nas ciências sociais e humanas, mas também e mais precisamente pelo ativismo militante de organizações sociais de base.» (Santinho, 2016: 58)

De um ponto de vista jurídico, também há pouco debate em torno da distinção entre estatutos como os dos refugiados[9], asilados[10] e beneficiários de proteção subsidiária[11][12] no entanto, existem outras definições de refugiados além daquela fornecida pela Convenção de 1951[13] e os benefícios oferecidos aos requerentes de asilo variam consideravelmente entre os estados membros da UE. Todas essas categorias de migrantes foram sujeitos a uma migração não-planeada e, em muitos casos, mais ou menos forçada (no caso dos refugiados, além da precariedade existencial e espoliação que marca as suas condições de vida, há impossibilidade total, ou grave ameaça à sua vida, em caso de retorno, além de que muitos deslocados internos-IDPs[14] se tornam, mais tarde, refugiados, o deslocamento temporário leva, muitas vezes, ao exílio[15] e, em muitos casos, os refugiados permanecem apátridas – exº: Rohingyas de Mianmar no Bangladesh).

Além da terminologia, outra questão importante é que as evidências científicas podem, com frequência, ser contraintuitivas para o senso comum e escapam às explicações simplistas dos fenómenos observados. Um exemplo: ao contrário daquilo que o senso comum pode ditar, a pesquisa mostra (Czymara, 2021[16]) que as atitudes europeias em relação aos refugiados não seguem simplesmente as tendências nos pedidos de asilo (por exemplo, a redução significativa do número de refugiados não contraria os sentimentos anti-refugiados no público europeu). Houve um aumento de atitudes negativas durante períodos de mudanças demográficas consideráveis ​​(e esse efeito foi mais forte para europeus conservadores, bem como para aqueles que desconfiam da política da UE). Além disso, embora uma disposição geral para ajudar estivesse associada a uma maior abertura em relação aos refugiados, a experiência de fato com o fluxo de estrangeiros diminuiu esse vínculo, sugerindo limitações às preocupações humanitárias. A dinâmica temporal parece, portanto, crucial para a formação de atitudes em relação aos refugiados na Europa contemporânea (mais do que o tamanho dos influxos) e aponta para efeitos potencialmente polarizadores da imigração ao longo de linhas ideológicas, assim como para a importância do tipo de cultura mediática prevalecente em cada país europeu[17].

Os pesquisadores também demonstraram[18][19][20] que, mesmo que os refugiados sejam um subconjunto do total de imigrantes, esses dois grupos de estrangeiros têm sido, de fato, vistos como distintos pelos europeus[21] e que as diferenças surgem porque as atitudes em relação aos refugiados são mais frequentemente relacionadas a fatores de nível macro, enquanto os imigrantes são mais frequentemente associados a preocupações económicas ao nível micro. Ramos, Louceiro e Graça mostravam, em 2016, que a atitude perante o acolhimento de refugiados nos países europeus era, em 2014/15, mais positiva do que em 2002/03, e também mais positiva do que a atitude face à receção de imigrantes em geral[22], embora a associação entre uma e outra categoria tivesse aumentado. Yantseva (2021) adota uma perspetiva diferente, no contexto da sua investigação recente com utilizadores de Facebook, especificamente na Suécia:

«Embora alguns dos estudos existentes destaquem a diferença entre os refugiados merecedores e os migrantes indignos[23], acho que a ideia de merecimento é mais típica para o rótulo de imigrante. Os conceitos de criminalidade ou ameaça, bem como custos e benefícios, parecem ser tipicamente ativados na construção de imigrantes merecedores versus não merecedores. Registo criminal, tipo de entrada, grau de instrução e capacidade de pagamento de impostos são os fatores que parecem desempenhar um papel fundamental neste processo de bordering que, segundo os utilizadores do Facebook [na Suécia], define se determinados grupos de imigrantes devem ser tolerados ou não. O racismo aberto, neste caso, é coberto e racionalizado pelo caráter argumentativo das mensagens e extensos apelos a números e estatísticas, além de referências a recursos externos, o que se argumenta ser uma das estratégias discursivas mais básicas [2, p. .35].» (Yantseva, 2021: 14-15)

Em Portugal, foi demonstrado que a utilização de diferentes rótulos linguísticos pode influenciar as atitudes e perceções dos portugueses: o rótulo “migrantes” é avaliado de forma significativamente mais negativa do que os rótulos “refugiados” ou “requerentes de asilo” (Vinhais, 2018)[24]. Apesar de esta ter sido a tendência geral na Europa Ocidental, na Eslováquia, um contexto muito particular, Findor et al. (2021)[25] encontraram resultados entre estudantes universitários que contradizem os achados anteriores nos países da Europa Ocidental e defendem a importância de mostrar uma maior sensibilidade a fatores contextuais variáveis (culturais, institucionais e normativos) no futuro. Os seus resultados também confirmaram o papel do contato intergrupal positivo, frequente, direto e prolongado na formação das avaliações de diferentes categorizações de migrantes.

As atitudes em relação aos imigrantes são, geralmente, mais determinadas pelas perceções do que pelos dados reais e pelo tamanho real da imigração, embora haja uma correlação entre o tamanho da imigração e as perceções. Por exemplo, Gorodzeisky e Semyonov (2019)[26] mostraram que perceções erróneas do tamanho da população imigrante desempenham um papel mais importante do que a realidade fatual na formação de opiniões e atitudes públicas em relação à imigração. Embora o tamanho percebido não esteja totalmente separado do tamanho real, a discrepância entre o tamanho real e o percebido é um preditor mais poderoso da oposição à imigração do que o tamanho real. Quanto mais inflado é o equívoco, mais pronunciada é a oposição à imigração. O impacto das perceções erróneas, quando medidas como discrepância ou proporção, nas atitudes anti-imigrantes também foi mais pronunciado em países com, proporcionalmente, uma grande fatia de população nascida no exterior.

Sendo muitas das nossas perceções moldadas pelos mídia (exº: número de notícias sobre determinado grupo migrante, imagens e representações positivas ou negativas veiculadas e teor geral das notícias sobre migrantes), mais uma vez se demonstra que, além de influenciarem as atitudes gerais do público, perceções e vieses cognitivos, os meios de comunicação podem, num dado momento e contexto sócio-histórico específico, difundir amplamente conceitos, ideias e representações preferencialmente associados a uma economia moral concorrente concreta, em detrimento de outras.

Aqui ficam, na minha opinião, alguns casos exemplares de reportagens de qualidade sobre migrações feitas pelos jornalistas Corinne Redfern e Ajay Makan. Assim como um debate esclarecedor no Festival Internacional de Jornalismo (2022) – “Cobrindo as migrações nos mídia europeus na era do populismo”:


[1] Reporting on migrants and refugees: handbook for journalism educators – UNESCO Digital Library.

[2] O caso do jornalista de ciência e comunicador de ciência brasileiro Carlos Orsi e da sua companheira, a microbiologista e comunicadora de ciência Natalia Pasternak, é um daqueles que vem à mente (entre outros, nomeadamente no mundo anglo-saxónico).

[3] Researchers uncover gene that doubles risk of death from COVID-19 | University of Oxford.

[4] Roles Played by Institutional Media and Independent Journalism Among the Nepali Diaspora Living in Spain & Portugal.

[5] Between fragmentation and institutionalisation: the rise of migration studies as a research field | Comparative Migration Studies | Full Text (springeropen.com). Ver igualmente: On uneven internationalisation, disciplinary diversity and interpretation of co-citation analysis | Comparative Migration Studies | Full Text (springeropen.com)Mapping migration studies: An empirical analysis of the coming of age of a research field | Migration Studies | Oxford Academic (oup.com).

[6] Simmel, G. (1908), Soziologie. Untersuchungen über die Formen der Vergesellschaftung, Berlim, Duncker e Humblot Editores, pp. 509-512, [trad. por Mauro P. Koury in RBSE, Vol. 4, nº 12, Dezembro de 2005] and (1950), The sociology of Georg Simmel (KH Wolff, Trans.), Glencoe, IL: The Free Press.(Original work published in 1908).

[7] Jackson, J. A. (Ed) (1968, 1969), MigrationSociological Studies No. 2, Cambridge, Cambridge University Press.

[8] Santinho, M. C. (2016). Refugiados e requerentes de asilo em Portugal: contornos políticos no campo da saúde (Vol. 48). Observatório das Migrações, ACM, IP.

[9] A Convenção dos Refugiados de 1951, alterada pelo Protocolo de 1967, define refugiado como uma pessoa que, “devido a fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, pertença a determinado grupo social ou opinião política, está fora do país da sua nacionalidade e não pode ou, devido a esse temor, não quer valer-se da proteção desse país; ou que, não tendo nacionalidade e estando fora do país da sua antiga residência habitual em consequência de tais acontecimentos, não possa ou, devido a esse receio, não queira regressar a ele”. Conforme observado há já 21 anos por Kuhlman (1991), existem, no entanto, outras definições disponíveis.

[10] Um requerente de asilo é uma pessoa “que busca proteção contra perseguição ou ofensa grave num país diferente do seu [e que] apresentou um pedido de proteção sob a Convenção de Genebra, em relação ao qual uma decisão final ainda não foi tomada” (Artigo 2.º, alínea c), da Directiva 2003/9/CE do Conselho Europeu).

[11] A legislação europeia (Diretiva 2004/83/CE e Diretiva 2011/95/UE) define o estatuto de proteção subsidiária como “um nacional de país terceiro ou apátrida que enfrentaria um risco real de sofrer danos graves se retornasse ao seu país de origem”. Os beneficiários de proteção subsidiária tendem a manter esse estatuto renovável por um ano.

[12] Schenner, J. K., & Neergaard, A. (2019). Asylum-seekers and refugees within Europe and labour market integration. Transfer: European Review of Labour and Research25(1), 13-24.

[13] Kuhlman, T. (1991). Towards a definition of refugees. Refugee Studies Centre.

[14] As pessoas deslocadas internamente, ou IDPs, são a categoria de pessoas deslocadas que mais cresce atualmente no mundo. Havia uma estimativa de 59,1 milhões de pessoas deslocadas internamente no mundo em 2021 (+38 milhões), um número maior do que o de refugiados (IDCM Global Report, 2022).

[15] Commentary: Refugees Need Protection in Their Own Countries (usnews.com) (Sharma, 2020).

[16] Czymara, C. S. (2021). Attitudes toward refugees in contemporary Europe: A longitudinal perspective on cross-national differences. Social Forces99(3), 1306-1333.

[17] Press coverage of the refugee and migrant crisis in the EU: a content analysis of five European countries -ORCA (cardiff.ac.uk).

[18] Abdelaaty, L., & Steele, L. G. (2022). Explaining attitudes toward refugees and immigrants in Europe. Political Studies70(1), 110-130.

[19] Refugee or Migrant Crisis? Labels, Perceived Agency, and Sentiment Polarity in Online Discussions – Ju-Sung Lee, Adina Nerghes, 2018 (sagepub.com).

[20] A Text Mining Approach to Determinants of Attitude Towards Syrian Immigration in the Turkish Twittersphere – Huseyin Zeyd Koytak, Muhammed Hasan Celik, 2022 (sagepub.com).

[21] Yantseva, V. (2021). The discursive construction of migrant otherness on Facebook: A distributional semantics approach. SocArXiv. June2.

[22] Repositório da Universidade de Lisboa: Migrações e Refugiados: Atitudes e percepções dos europeus (ul.pt).

[23] S. M. Holmes and H. Castañeda, “Representing the ‘European refugee crisis´ in Germany and beyond: Deservingness and difference, life and death,” American Ethnologist, vol. 43, no. 1, pp. 12–24, 2016.

[24] Repositório do Iscte – Instituto Universitário de Lisboa: Migrantes, refugiados, e requerentes de asilo: como diferentes rótulos linguísticos podem influenciar nas atitudes dos portugueses (iscte-iul.pt). Ver também: Vala, J. & C. R. Pereira (2018). “Racisms and normative pressures: a new outbreak of biological racism?”. In Changing Societies: Legacies and Challenges. Vol. ii. Citizenship in Crisis, eds. M. C. Lobo, F. C. da Silva and J. P. Zúquete. Lisbon: Imprensa de Ciências Sociais, 217-248. https://doi.org/10.31447/ics9789726715047.09 . Estes autores afirmam: «Using data from ess7 (2014/15), Ramos, Pereira and Vala (in press) showed that biological and cultural racism not only predict the preference for ethnicist criteria in the selection of immigrants, but also that both biological and cultural racism predict the perception that migrants from poorer countries outside Europe and migrants perceived to belong to a different race or ethnic groups represent an economic threat and a threat to the cultural identity of host European countries. Importantly, these threat perceptions legitimise the association between racism and the preference for ethnicist criteria for selecting immigrants. The preference for those criteria are psychologically dissociated from racism and associated with threat perceptions and, therefore, the self-image of individuals is protected from the censure of the anti-racism norm and self-esteem is maintained (Pereira, Álvaro and Vala 2018).» (Vala and Pereira, 2018: 238).

[25] Re-examining public opinion preferences for migrant categorizations: “Refugees” are evaluated more negatively than “migrants” and “foreigners” related to participants’ direct, extended, and mass-mediated intergroup contact experiences – ScienceDirect. Para possíveis explicações, ver (entre outras fontes) também: Ten Important Facts to Know About Refugees in Slovakia (borgenproject.org).

[26] Gorodzeisky, A., & Semyonov, M. (2020). Perceptions and misperceptions: actual size, perceived size and opposition to immigration in European societies. Journal of Ethnic and Migration Studies46(3), 612-630.



Citar este post
Alexandra Pereira (2022, 25 Novembro). Media Coverage, IT/New Media/’Ethnic Media’, Science Communication and Terminological Issues in Migration Studies. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 24 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkvj

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search