Why photo elicitation can tell us more about DeafSpace

Ivan Shimko: Ocean photos on a wall_ Unsplash License

Umberto Eco [i] claims that sensory phenomena are transcribed, in the photographic emulsion, in such a way that even if there is a causal link with the real phenomena, the graphic images can be considered as wholly arbitrary with respect to these phenomena. The author refers to the highly subjective personal decisions that take part in the act of photographic capture of an image, as well as to all the possible manipulation techniques that may change the original image caption.

In a similar approach to Eco, Goldstein says that viewers should not approach an image with the assumption that it represents reality. They should assume it does not. As has been noted, every image is the result of a large number of technical and aesthetic choices made by the photographer. Each choice introduces subjective elements into the content [ii]. In fact, photographic images have a long story, a nonconsensual one, on the exposure of the integrity of truth -its honesty. Nowadays, photo captions, as a part of data collection for scientific research have brought into the academic discussion ethical dimensions regarding its use, even about the considerations that are presented to participants at the informed consent, and the type of understanding that participants get from this request for future use of photographs [iii], like anonymity and confidentiality, specifically in relation to how they may differ in image-based compared to word-based research. Clark studies the seeming dissonance between universalist and particularist ethics in researching different social contexts and participants, lightening the ethical challenges of working with visual material, which is more frequent in all fields of research, but specifically in sociology and social anthropology.

According to Browning (1843), even if not representing reality, photographic images have an association and a sense of nearness involved that the viewer gets from the experience, more than the likeness between the caption and reality. Photographs, thus, somehow, have a unique capacity to, phenomenologically speaking, put us in the proximity of. We feel somehow close to the subjects of photographs, and this feeling of closeness to the subjects depicted is typically not present when we view a comparable painting or drawing. She refers to the proximity aspect in relation to photographs, from the viewers’ experience, not in relation to its similarity or verisimilitude with.

However, Photography has, as an instrument for data collection, a rich potential from a phenomenological point of view, that is, either from the viewers’ point of view or the photographer’s. The photographer (participant) becomes the viewer, along with the researcher through the inseparability between visibility and the narrative dimensions that constitutes the photographic image.

The research potential exists as long as, as Husserl says, we go back to the things themselves, and pay careful attention to how things “appear” to us. 

What phenomenological approach can help new data to arise? If according to M-Ponty, through the phenomenological approach to reality, a new understanding of the body becomes possible, so that it is characterized “as a subject, as an experimenter, as an agent” at the same time, so we can understand “the way the body structures our experience”[iv].

Visible and mobile, my body belongs to a number of things, it is one of them, it is trapped in the texture of the world, and its cohesion is that of a thing. But, since it sees and moves, it keeps the things around him in a circle, they are an attachment or extension of it, they are embedded in its flesh, they are part of its full definition, and the world is made of the same stuff as the body (M-Ponty, 2018).

So, the photographer or participant will be able to expand his understanding of his/her connection with the photographed reality, without the division between the physical and metaphysical experience of the framed image, but as an integral experience of its reality – the body knowledge or self-awareness.

The phenomenological relationship under investigation in the field of visual anthropology is linked to an attitude towards the participants that is established a priori by the free criteria of photographing, i.e by requesting with a minimum detailed statement the capture of images of a given phenomenon. Seemingly stripped of adjective instructions, cataloging, or description, the participant who photographs his/her reality will only do so while capturing the experience. 

As informative visual material for the researcher, these images could be the beginning of an etymological process to understand the phenomenon. This step is possible through one of the main visual methods: the interview with photo-elicitation, that is, the photographic image as the mediator for the evocation of the lived experience, bodily and spiritually. The term “elicitation” was coined by the photographer John Collier (1957) in his anthropological studies in the field of mental health with the aim of expanding the potential of the interview through the use of photographs and creating links between the interviewer and the interviewee, collecting data that is less predictable than the traditional question-answer structure. Through the dialogue promoted by photo elicitation, certain valuations of experience emerge that awaken important insights in the researcher that connect empirical data and provide clues for the confirmation of theoretical assumptions. The relationship between words-signs and the way the body responds to questions such as “In your own words, what do you see here?” allows an exercise of phenomenological reduction that analyzes the signs (in the case of deaf participants) and allows describing the sensations experienced during the capture of the photograph. The interview based on the photo-elicitation allows for encompassing aspects of the photographed reality, evoked by the sensation itself, which is not just limited to the exact moment of the photograph. The body moves when describing the experience, the sign lexicon used is liable to be categorized that link by reduction to theorization and confer reliability to the methodology.

The researcher’s attitude towards this visual method, the interview with photo-elicitation with deaf participants, will be the same for all participants, and appears designated by Carl Rogers in his phenomenological approach: an unconditional positive attitude, empathetic, available, and active listening, as the organism is the locus of all experience, which includes everything potentially available for awareness. It develops from experiences and environmental interactions (Rogers,1902–1987). [v]

[i] Eco, U. (1982). Critique of the image. In V. Burgin (Ed.), Thinking photography (pp. 32-38). London: MacMillan.

[ii] Goldstein, B.(2007) ‘All photos lie: Images as data’, in G. Stanczak (ed.) Visual Research Methods: Image, Society and Representation. Thousand Oaks, CA: Sage, 61-81.

[iii] Clark, A. Haunted by images? Ethical moments and anxieties in visual research, available at https://journals.sagepub.com/doi/epdf/10.4256/mio.2013.014

[iv] Moya, P. (2014). Habit and embodiment in Merleau-Ponty. Frontiers in Human Neuroscience. https://doi.org/10.3389/fnhum.2014.00542

[v] Mischel, W., Mendoza-Denton, R. in International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences, 2001.

 

Please find the portuguese version on the next page

Por favor, aceda à próxima página para a versão portuguesa da publicação


Umberto Eco [i] afirma que os fenómenos sensoriais são transcritos, na emulsão fotográfica, de tal forma que, mesmo que haja um nexo causal com os fenómenos reais, as imagens gráficas podem ser consideradas totalmente arbitrárias em relação a esses fenómenos. O autor refere-se Não somente às decisões pessoais altamente subjetivas que intervêm no ato de captação fotográfica de uma imagem, como a todas as possíveis técnicas de manipulação que possam alterar a imagem original.

Numa abordagem semelhante a Eco, Goldstein diz que os espectadores não devem abordar uma imagem com a suposição de que ela representa a realidade. Eles devem assumir que não. Como já foi dito, toda imagem é resultado de um grande número de escolhas técnicas e estéticas feitas pelo fotógrafo. Cada escolha introduz elementos subjetivos no conteúdo [ii]. De facto, as imagens fotográficas têm uma longa história, não consensual, sobre a exposição da integridade da verdade – a sua honestidade. Atualmente, as fotografias, como parte significativa na recolha de dados para fins de pesquisa científica, têm trazido para a discussão académica dimensões éticas quanto ao seu uso, inclusive sobre as considerações que são apresentadas aos participantes no momento do consentimento informado, bem como o tipo de entendimento que os participantes obtêm desta solicitação para o uso futuro de fotografias captadas [iii] como anonimato e confidencialidade, especificamente em relação a como este consentimento pode diferir em pesquisa baseadas em imagens em comparação com a pesquisa baseadas em produção escrita. Clark estuda a aparente dissonância entre ética universalista e particularista na pesquisa em diferentes contextos sociais e participantes, ressaltando os desafios éticos do trabalho com material visual, especificamente na sociologia e na antropologia social.

Segundo Browning (1843), mesmo que não representem a realidade, as imagens fotográficas envolvem uma associação e uma sensação de proximidade que o espectador obtém da experiência, mais do que a semelhança entre a imagem e a realidade. As fotografias têm, assim, de alguma forma, uma capacidade única de, fenomenologicamente falando, nos colocarem na proximidade de. Sentimo-nos de alguma forma próximos dos temas ou sujeitos das fotografias, e esse sentimento de proximidade normalmente não está presente quando observamos uma pintura ou desenho. A autora refere-se à dimensão da proximidade em relação às fotografias a partir da experiência do espectador, não em relação à sua semelhança ou verossimilhança com a realidade.

No entanto, a Fotografia tem, enquanto instrumento de recolha de dados, um potencial rico do ponto de vista fenomenológico. O fotógrafo (enquanto participante) torna-se o espectador, assim como o investigador, pela inseparabilidade entre o visível e o narrável que constitui a imagem fotográfica.

O potencial de pesquisa fenomenológica existe desde que, como diz Husserl, voltemos às coisas em si e prestemos atenção à forma como as coisas “surgem” perante nós.

Ainda assim, que abordagem fenomenológica pode contribuir para o surgimento de novos dados? Se segundo M-Ponty, por meio da abordagem fenomenológica da realidade, torna-se possível uma nova compreensão do corpo, de modo que ele seja caracterizado “como sujeito, como experimentador, como agente” em simultâneo, podemos compreender “ a forma como o corpo estrutura a nossa experiência” [iv].

Visível e móvel, meu corpo pertence ao número das coisas, é uma delas, está preso na textura do mundo, e sua coesão é a de uma coisa. Mas, posto que vê e se move, ele mantém as coisas em círculo à sua volta, elas são um seu anexo ou prolongamento, estão incrustadas na sua carne, fazem parte da sua definição plena, e o mundo é feito do mesmo estofo do corpo (M-Ponty, 2018).

Assim, o fotógrafo ou participante poderá ampliar a sua compreensão da sua conexão com a realidade fotografada, sem dicotomia entre a experiência física e metafísica, mas como experiência integral de sua realidade – o corpo próprio ou autoconsciência.

A relação fenomenológica que estabelece a investigação no campo da antropologia visual está vinculada a uma atitude para com os participantes que se define à priori pelo livre critério de fotografar, ou seja, pela solicitação mínima em detalhe da captação de imagens de um dado fenómeno. Aparentemente despojado de instruções adjetivas, catalogação ou descrição, o participante que fotografa a sua realidade e responde de modo mais abrangente ao enunciado enquanto capta a experiência subjetiva.

Como material visual para o investigador, essas imagens podem ser o início de um processo etimológico de compreensão do fenómeno em estudo. Esta etapa é possível através de um dos principais métodos visuais: a entrevista com foto-elicitação (Photo-Elicitation Inteview ou PEI), ou seja, a imagem fotográfica como mediadora para a evocação da experiência vivida, corporal e espiritualmente. O termo “elicitação” foi cunhado pelo fotógrafo de John Collier (1957) nos seus estudos antropológicos no campo da saúde mental com a finalidade de expandir o potencial da entrevista recorrendo ao uso da fotografia e criar vínculos entre o entrevistador e o entrevistado, recolhendo dados menos previsíveis do que a estrutura tradicional de pergunta-resposta.

Através do diálogo promovido pela foto-elicitação, emergem certas valorizações da experiência que despertam importantes insights no investigador e conectam os dados empíricos, fornecendo pistas para a correspondência com o corpo teórico.

A relação entre palavras-gestos e a forma como o corpo responde a questões como “- Com as tuas próprias palavras, o que vês aqui?” permite um exercício de redução fenomenológica que analisa os gestos (no caso dos participantes surdos) e permite descrever as sensações experimentadas durante a captação fotográfica. A entrevista baseada na foto-elicitação permite abarcar aspetos da realidade fotografada, evocados pela própria sensação, que não se limita apenas ao momento exato da captação fotográfica. O corpo movimenta-se ao descrever a experiência, o léxico gestual utilizado é passível de categorizações que se vinculam por redução à teorização e conferem confiabilidade à metodologia.

A atitude do investigador face a este método visual, a entrevista com foto-elicitação com participantes surdos, será a mesma para todos os participantes, e surge designada por Carl Rogers na sua abordagem fenomenológica: uma atitude positiva incondicional, empática, disponível e de escuta ativa : o organismo é o locus de toda experiência, e inclui potencialmente tudo o que fica disponível para a consciência. Desenvolve-se a partir de experiências e interações com o ambiente (Rogers,1902-1987) [v].


[i] Eco, U. (1982). Critique of the image. In V. Burgin (Ed.), Thinking photography (pp. 32-38). London: MacMillan.

[ii] Goldstein, B. (2007) ‘All photos lie: Images as data’, in G. Stanczak (ed.) Visual Research Methods: Image, Society and Representation. Thousand Oaks, CA: Sage, 61-81.

[iii] Clark, A. Haunted by images? Ethical moments and anxieties in visual research, available at https://journals.sagepub.com/doi/epdf/10.4256/mio.2013.014

[iv] Moya, P. (2014). Habit and embodiment in Merleau-Ponty. Frontiers in Human Neuroscience. https://doi.org/10.3389/fnhum.2014.00542

[v] Mischel, W., Mendoza-Denton, R. in International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences, 2001.


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search