Categorias
journalism Media Migrants Migration governance Migratory Justice Non classé

The new migratory flux from East Timor to Portugal: a police news?

O novo fluxo migratório de Timor-Leste para Portugal: uma notícia policial?

No passado mês de setembro, comecei a notar as primeiras notícias sobre o rápido aumento no número de chegadas provenientes de Timor-Leste, seguidas da identificação de alguns imigrantes vivendo e trabalhando em condições precárias em zonas agrícolas do Alentejo (sul de Portugal)[1]. Não sei ao certo se a chegada de três mil timorenses entre junho e setembro representa uma nova vaga migratória, embora a estação de rádio TSF a tenha rapidamente classificado numa manchete como um movimento de “massa”[2]. Considerando a novidade do movimento – no ano passado, foram apenas 350 chegadas – as instituições responsáveis pela gestão da imigração em Portugal estão cuidadosas em classificar e divulgar informações sobre o emergente e ainda nebuloso fenómeno.  

Face a circunstâncias incertas, jornalistas também são mais cautelosos ao propor explicações causais. Assim, o enquadramento de um novo facto envolto num clima de crise será geralmente instável[3]. Também é provável que as audiências tenham dificuldades acrescidas em compreender e interpretar o novo fenómeno. Eu, pessoalmente, sinto dificuldade em compreender plenamente a situação atual que se agravou – ou, poderia dizer, atraiu mais atenção mediática – quando imigrantes timorenses foram identificados a dormir na praça do Martim Moniz, no centro da capital Lisboa. Apesar das inconsistências verificadas nas explicações causais e possíveis soluções para a problema apresentadas, as notícias não demonstraram hesitação ao definir o novo fluxo e as questões a ele associadas. Como observei no título de uma peça do jornal Diário de Notícias, a situação no Martim Moniz foi caracterizada como nada menos que um “mercado de escravos”[4].

De acordo com a clássica definição de Entman[5], enquadrar “(…) é selecionar alguns aspetos de uma realidade percebida e torná-los mais salientes numa comunicação, de modo a promover uma particular definição do problema, interpretação causal, avaliação moral, e/ou recomendação de tratamento para o item descrito” (p. 52). Embora possa, e normalmente seja utilizado para transmitir e estabelecer uma leitura hegemónica sobre qualquer fenómeno/questão/ocorrência, o ato de enquadrar não é apenas inerente ao sistema de produção noticiosa, mas também se configura como um processo psicológico inato. É através do enquadramento que damos sentido ao vasto mundo e ao fluxo ininterrupto de perceções. Se os produtos mediáticos não conseguem assegurar que as audiências seguirão as interpretações por eles sugeridas, ainda assim permanecem com um enorme poder de influência. Porque muitas dos tópicos abordados não são diretamente relacionados com a nossa vida, é que tão frequentemente só podemos contar com os media para tomar conhecimento e compreender os factos do mundo.

Apesar de ter notado um aumento no número de pessoas a dormir no Martim Moniz e ruas próximas nos últimos meses, desconhecia por completo a situação de imigrantes timorenses que chegaram a Portugal com falsas promessas de emprego e pesadas dívidas relacionadas cobradas por agências de viagens inescrupulosas. Assim, parece correto que a situação tenha sido enquadrada como uma questão policial relacionada aos crimes de auxílio à imigração ilegal e tráfico de seres humanos.

No entanto, eu seria muito cuidadosa ao enquadrá-la como um tópico policial, uma vez que envolve um tema sensível como as migrações. Nas notícias está claro que os autores dos dois crimes são recrutadores em Timor-Leste e Portugal (não é claro, no entanto, quais as nacionalidades envolvidas), mas penso que não é de se ignorar um possível efeito de contaminação em que os próprios imigrantes poderão vir a ser conotados com atividades ilegais. Tal se relaciona com a inconsistência verificada nas explicações causais/ ou razões apresentadas para o aumento da imigração timorense impulsionada por ações ilegais.

A maioria das notícias que li/assisti apresenta duas explicações causais interrelacionadas: o alto desemprego em Timor-Leste e a existência de criminosos que lucram com imigrantes que pagam ou têm dívidas de milhares de euros relativas a custos de viagem e falsas promessas de emprego. Porém, outra explicação causal começa a se estabelecer: o discurso proferido pelo presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, durante uma visita oficial a Timor-Leste em maio passado, em que estimulou os jovens timorenses a virem a Portugal. Uma peça do canal de televisão SIC destaca muito bem este facto, com os imigrantes entrevistados a fazer referência às palavras do presidente[6].

O facto é que tem sido recorrente nos discursos políticos e mediáticos dos últimos anos referências ao défice populacional e à necessidade de atrair mão-de-obra[7]. Assim, sem alguma informação contextual presente nas notícias, soa estranho que esses imigrantes enfrentem não só burlas, mas também imensas dificuldades para regularizar o seu status e encontrar empregos em Portugal.

Reconheço as dificuldades em relatar uma recente crise ainda pouco compreendida mesmo pelas autoridades de ambos os países. Mas, como Wtazman defende[8], um dos caminhos para restaurar a confiança das audiências no jornalismo é fazer uma cobertura, especialmente em notícias de última hora, que também forneça alguma informação contextual. Se as notícias sobre os imigrantes timorenses se mostram bem-sucedidas em incentivar a empatia para com eles, para encaminhar à deliberação é fundamental fazer mais. O posicionamento desse ‘novo’ fenómeno no contexto das migrações em Portugal e em referência ao passado (colonial) comum de ambos os países poderia ser um bom começo.


[1] Moleiro, R. (2022, 2 de setembro). SEF investiga vaga de imigrantes timorenses. Expresso. https://leitor.expresso.pt/semanario/semanario2601/html/primeiro-caderno/sociedade/sef-investiga-vaga-de-imigrantes-timorenses

[2] Casaca, M. A. (2022, 10 de outubro). Um fenómeno novo: imigrantes timorenses chegam a Portugal “em massa”. TSF. https://www.tsf.pt/portugal/sociedade/um-fenomeno-novo-imigrantes-timorenses-chegam-a-portugal-em-massa-15239285.html

[3] Moore, K., Berry, M. & Garcia-Blanco, I. (2018). Saving Refugees or Policing the Seas? How the national press of five EU member states framed news coverage of the migration crisis. Justice, Power and Resistance,2 (1), 66-95.

[4] Câncio, F. & Marcelino, V. (2022, 15 de outubro). De Timor para o “mercado de escravos” do Martim Moniz. Diário de Notícias. https://www.dn.pt/sociedade/de-timor-para-o-mercado-de-escravos-do-martim-moniz-15256196.html

[5] Entman, R. M. (1993). Framing: Toward Clarification of a Fractured Paradigm.Journal of Communication, 43(4), 51-58.

[6] SIC Notícias (2022, 23 de outubro). Reportagem Especial: “Jovens timorenses em Portugal”. https://sicnoticias.pt/programas/reportagemespecial/2022-10-23-Reportagem-Especial-Jovens-timorenses-em-Portugal-1ec8e7d4

[7] Costa, M. C. & Sousa, L. (2017). “You are welcome in Portugal”: conviction and convenience in framing today’s Portuguese politics on European burden sharing of refugees.Oxford Monitor of Forced Migration, 6 (2), 49-53.

[8] Watzman, N. (2018, June 8). How can we restore trust in news? Here are 9 takeaways from Knight-supported research. NiemanLab. https://www.niemanlab.org/2018/06/how-can-we-restore-trust-in-news-here-are-9-takeaways-from-knight-supported-research/



Citar este post
Ester Minga (2022, 14 Novembro). The new migratory flux from East Timor to Portugal: a police news? Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 24 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkvf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search