Categorias
Bourdieu Lemaitre Sociology of Science

For a Sociology of Science

Para uma Sociologia da Ciência. Nesta sétima publicação no blogue, analisarei o papel da ciência à luz das pertinentes considerações que Pierre Bourdieu (2000, 2001) teceu, há mais de 20 anos, a esse respeito. De fato, este autor pensou sobre a educação, os intelectuais e a academia, pelo menos, desde 1982 (há 40 anos) e da publicação do seu Homo Academicus, em 1984. Refletirei ainda sobre alguns apontamentos mais recentes, feitos por Bruno Lemaitre (2016, 2020).

© Alexandra Pereira, CECC, UCP, 2022


* Cover Image Creative Commons License Type:   


Logo no prólogo de “Para uma Sociologia da Ciência”(2001)[1], Pierre Bourdieu afirma que a ciência – cuja autonomia que gradualmente conquistara aos poderes religiosos, políticos, económicos e, até mesmo, às burocracias estatais estaria, no seu entender, muito enfraquecida no início do século XXI:

«(…) Os mecanismos sociais que se instalaram à medida que [a ciência] se afirmava – como a lógica da concorrência entre pares – correm o risco de ser colocados ao serviço de fins impostos a partir de fora; a submissão aos interesses económicos e às seduções mediáticas ameaça juntar-se às críticas externas e às difamações internas – são certos “delírios pós-modernos” – para minar a confiança na ciência e, especialmente, na ciência social. Em suma, a ciência está em perigo e, por isso, torna-se perigosa.» (Bourdieu, 2001: 7)

Partindo deste mote, o autor faz uma análise histórica e sociológica da ciência, com o objetivo de levar os cientistas a compreender melhor os mecanismos sociais que orientam a prática científica. Bourdieu propôs os conceitos de habitus e campo como uma rutura epistemológica, para resolver a antinomia objetivo-subjetivo nas ciências sociais, unindo fenomenologia social e estruturalismo, ao teorizar a inculcação de estruturas sociais objetivas na experiência mental subjetiva dos agentes, por meio de um conjunto de disposições cognitivas e somáticas – dando origem a uma relação dóxica entre estruturas de ação subjetivas do agente e estruturas objetivas do campo social. As ciências exatas, da natureza e da vida orientam-se por paradigmas naturalmente diferentes das ciências sociais. Se a interdisciplinaridade entre umas e outras pode ocorrer a nível de resultados e é mais difícil a nível concetual, ela é ainda mais rara do ponto de vista metodológico. Uma outra condição necessária à ocorrência de interdisciplinaridade é atitudinal: o respeito pela disciplina e especialização do outro investigador, temperado de humildade para o ouvir, refletir e aprender. Nas ciências sociais, os objetos da Sociologia são, na maioria das vezes, representações, ideias, valores e significados – foi claro desde o nascimento das ciências sociais que estes e outros objetos do mundo social e cultural (como os da Antropologia) requerem metodologias próprias para ser avaliados, que escapam à ilusão recorrente mas ultrapassada de que o quantitativismo é mais científico, o que deriva da tradição laboratorial. Mais à frente, Bourdieu sublinha ainda, sobre o papel da Sociologia:

«(…) Os sociólogos, a diferentes níveis, abriram a caixa de Pandora, o laboratório, e esta explosão do mundo científico tal como se apresenta faz aparecer todo um conjunto de fatos que colocam fortemente em causa a epistemologia científica de tipo logicista como a evoquei [antes] e reduzem a vida científica a uma vida social com as suas regras, constrangimentos, estratégias, artifícios, efeitos de domínio, trapaças, roubos de ideias, etc.» (Bourdieu, 2001: 13)

Science de la science et réflexivité

A visão realista, por vezes até desencantada, que os sociólogos vieram dar das realidades do mundo científico levou-os a propor teorias relativistas, até niilistas, que se opõem à representação oficial da ciência. Contudo, esse questionamento é sempre profícuo. Segundo Bourdieu:

«(…) esta conclusão nada tem de fatal e podemos, penso, associar uma visão realista do mundo científico a uma teoria realista do conhecimento. E isto na condição de se fazer uma dupla rutura com os dois termos do par epistemológico constituído pelo dogmatismo logicista e pelo relativismo que parece inscrito na crítica historicista.» (Bourdieu, 2001: 13-14)

Sendo indiscutível que o mundo científico é um mundo social, poderemos indagar se ele é um campo análogo aos outros microcosmos sociais (campo artístico com a sua atividade semiológica, campo literário, campo jurídico, etc.) e, não sendo esse o caso, que especificidades o definem, bem como à irredutibilidade da história que ele engendra? Uma das diversas dificuldades nesta análise reside no fato de que a legitimidade da ciência e a utilização legítima da ciência são motivos permanentes de luta no mundo social e no próprio seio do mundo da ciência – logo, o que chamamos de epistemologia corre o risco de ser apenas uma forma de discurso justificativo da ciência ou de uma posição no campo científico, ou ainda “uma repetição falsamente neutralizada do discurso dominante da ciência sobre si mesma” (Bourdieu, 2001: 17).

Uma visão estruturo-funcionalista da sociologia da ciência não só deu contributos para o conhecimento científico, como sobre ela se erigiria a “nova sociologia da ciência”, hoje socialmente dominante. Porém, essa visão não fez “a menor referência à forma como são resolvidos os conflitos científicos”, aceitando a definição dominante, logicista da ciência e limitando-se a ela (Bourdieu, 20001: 25). Já Kuhn (1972) introduziu uma filosofia descontinuista da evolução científica na tradição anglo-saxónica, em rutura com a tradição positivista, e uma alternância entre períodos de “ciência normal” e de “revoluções”. Para Bourdieu, Kuhn leva ao extremo a contestação dos padrões universais de racionalidade já prefigurada na tradição filosófica, que evoluíra do universalismo “transcendental” kantiano para uma racionalidade já relativizada, embora reencontre a noção kantiana do a priori com a noção de paradigma, mas num sentido sociologizado, como em Durkheim. Esta teoria científica foi apropriada pelos estudantes que, numa dada conjuntura, a transformaram em mensagem revolucionária específica contra a autoridade académica. A autoridade académica pode reproduzir as estruturas de classe e género, o privilégio e o poder hegemónico das elites, legitimando-os como ciência.

Bloor (1983), fundamentando-se em Wittgenstein, propõe uma teoria da ciência segundo a qual “a racionalidade, a objetividade e a verdade são normas socioculturais pouco abrangentes, convenções adotadas e impostas por grupos particulares”, retomando os conceitos de “language games” e “form of life” (Bourdieu, 2021: 33). Deste modo, Bloor enuncia a causalidade, a imparcialidade, a simetria e a reflexividade enquanto quatro grandes princípios metodológicos a seguir para construir uma teoria sociológica do conhecimento científico. Collins e a Escola de Bath destacam “a interação entre os cientistas nos e pelos quais se formam os pressupostos científicos; mais precisamente, destacam as polémicas científicas e os métodos não racionais utilizados para as resolver” (Bourdieu, 2021: 35). Analisando autores como Gilbert e Mulkay (1984), Latour (The Pasteurization of France, 1988[2]), Jane Tompkins (1988), entre outros, Bourdieu acaba a criticar as posições precedentes por se referirem a um microcosmos laboratorial e ignorarem uma série de encaixes estruturais, a posição relacional e os efeitos de posição correlativos que só uma teoria global do espaço científico permite compreender. O ponto onde coincidem todas as perspetivas é o campo onde os pontos de vista antagónicos se enfrentam e integram, graças ao confronto racional.

Bruno Lemaitre

Ponderarei ainda, a juntar às notas de Bourdieu, as considerações ao nível do género (aproximação que Bourdieu também realizou) e sobretudo do narcisismo, feitas muito mais tarde por Bruno Lemaitre (2016, 2020)[3] (com foco particular nas ciências da vida, no seu caso):

«Science requires many different skills, and it is regrettable that recognition often goes to the storytellers or the dominant males of the community.» (Lemaitre, 2016, 2020)

Os storytellers produzem narrativas – nalguns contextos, o marketing pode ir mais longe do que a credibilidade científica. É também bom lembrar (fá-lo Lemaitre) que as mulheres continuam a ser alvo de violências simbólicas, na sociedade como nas instituições académicas[4]. No seu ensaio, Lemaitre explora mais aprofundadamente a ligação entre o narcisismo e a ciência. Ele indica que a observação de que muitas das grandes figuras da ciência eram também muito narcisistas torna este um assunto delicado, com diversas zonas cinzentas. Contudo, a prevalência deste tipo de personalidade na ciência e a corrente crise de valores que a afetam (como à sociedade em geral) tornam o tema pertinente.

Para elucidar esta questão, talvez seja útil sublinhar que o narcisismo existe num espetro, com a maioria dos indivíduos a situarem-se a meio da escala e alguns casos a desviarem-se para os extremos (tal é o caso do narcisismo grandioso e do narcisismo vulnerável), bem como distinguir os chamados “bom narcisismo” e “mau narcisismo”.

O “bom narcisismo” conecta-se a uma boa auto-estima e a um auto-conceito saudável que geram auto-confiança e pode, até certo ponto, corresponder ao entusiasmo salutar que deve guiar toda a atividade que nos apaixona, à curiosidade, ao desejo de aperfeiçoamento, de saber mais e fazer melhor e comunicar bem o que se faz, sem atropelos éticos nem recursos atípicos e opacos ou métodos duvidosos. Já o “mau narcisismo” corresponde a indivíduos sedutores e charmosos (por vezes, alcançando a futilidade), com um sentido grandioso de auto-importância (perfeitamente bem ou mal disfarçado), falta de empatia pelos outros, necessidade excessiva de admiração e atenção, auto-referencialismo geral e ausência de escrúpulos na obtenção de fins. Sendo certo que o diagnóstico e os scores de narcisismo aumentaram nas sociedades ocidentais individualistas (por contraposição às coletivistas, como são a maioria das sociedades asiáticas) e sobretudo nos jovens, ou entre líderes e gestores, também é certo que hoje dispomos de mais instrumentos para o avaliar[5].

Tanto as reflexões de Bourdieu como as de Lemaitre parecem avisadas e atuais, convindo mantê-las no fundo da nossa mente quando nos aventuramos a fazer ciência à chegada do segundo quartel do século XXI. Ainda os imperativos individualistas, economicistas, narcisistas e as pesadas rodas institucionais ameaçam esmagar as funções mais nobres da ciência – entre as quais um gosto quasi-lúdico por saber mais, pelo questionamento e comparação, um profundo compromisso com o rigor e com a prática ética, a autenticidade dos gestos e a honestidade das palavras, o aprofundamento da reflexividade e do conhecimento (favorecendo, no seu lugar, a mediatização superficial da ciência), a colaboração, o progresso humanista e o fomento da mudança social, a começar pelos próprios cientistas.

Assista abaixo ao documentário do realizador francês Pierre Carles, La Sociologie Est Un Sport De Combat (2001), com legendas. Durante três anos, Carles acompanhou Bourdieu a seminários, entrevistas em emissoras de rádio e televisão, encontros sociais, palestras etc., na tentativa de dar a conhecer a Sociologia e, em particular, o quotidiano de um “intelectual público” e sociólogo como Bourdieu, enquanto mostrava o seu “pensamento em ação”. Segundo Bourdieu, a Sociologia é uma arte marcial ou um desporto de combate, não uma ferramenta para validar as decisões da elite dominante. As pessoas precisariam da Sociologia para entender as origens das dissimetrias, da violência real e para se rebelarem, buscando uma saída para o fatalismo económico da ideologia hegemónica.

 

A Sociologia também pode ser lúdica: há sete anos, alunos de Mestrado da Universidade Estadual do Ceará (Brasil) começaram a desenvolver o jogo de cartas não-comercial “Lutas Simbólicas”, para fazer refletir sobre desigualdades sociais com base nas teorias de Pierre Bourdieu – pode saber mais sobre esse projeto AQUI e AQUI.


Referências Bibliográficas

[1] Bourdieu, P. (2002). Science de la science et reflexivitè, Cours au Collège de France 2000-2001, Paris: Éditions Raisons D’Agir. [trad. Pedro Elói Duarte (2004). Lisboa: Edições 70.]

[2] The Pasteurization of France — Bruno Latour | Harvard University Press.

[3] Lemaitre, B. (2020). An Essay on Science and Narcissism: How do high-ego personalities drive research?. EPFL Press.

[4] Documents (dges.gov.pt).

[5] Does a narcissism epidemic exist in modern western societies? Comparing narcissism and self-esteem in East and West Germany – PMC (nih.gov).

 


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Alexandra Pereira (28 de Outubro de 2022). For a Sociology of Science. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkvc


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search