Categorias
Climate change journalism Media Sustainable development

The challenges of news representations of climate change

Os desafios das representações noticiosas das alterações climáticas

Embora ainda existam negacionistas em todo o mundo, dentre políticos, pessoas comuns e mesmo ‘cientistas’ que minimizam os efeitos das alterações climáticas, ninguém menos que a Organização das Nações Unidas (ONU) o afirma como a questão determinante da nossa era[1]. Com um claro impacto nas condições de habitabilidade do nosso planeta, lidar com as alterações climáticas não é apenas uma questão de reduzir emissões de carbono e outras ações técnicas, mas sobretudo uma perspetiva de direitos humanos. Com as suas consequências – cheias, secas, calor extremo… – mais severamente sentidas por pessoas e comunidades desfavorecidas, não é um exagero quando a antiga Alta-Comissária para os Direitos Humanos, Mary Robinson, define as alterações climáticas como “provavelmente o maior desafio dos direitos humanos do século XXI”[2].

É pelo facto de as alterações climáticas serem um dos principais alvos de campanhas de propaganda que difundem informação cientificamente enganosa que o papel dos meios noticiosos é tão importante. Com o poder de estabelecer temas na discussão pública, os media conseguem aumentar o interesse público pelas alterações climáticas. Tal empenho numa representação noticiosa acurada da ciência climática é defendido, por exemplo, pelo Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) em seu sexto relatório[3]. O documento reconhece a capacidade dos meios noticiosos em moldar o discurso público sobre a mitigação dos efeitos das alterações climáticas, enfatizando que isto pode ser muito benéfico para a construção de um apoio público que acelere as ações de mitigação.

Não obstante, as alterações climáticas continuam a ser um tópico noticioso difícil de cobrir e, como Robertson[4] enfatiza, não existe uma abordagem única. Como está a aproximar-se a próxima edição da Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (UN Climate Change Conference – COP 27), que terá lugar no Egito entre 6 e 18 de Novembro deste ano, veremos provavelmente uma extensa cobertura do evento nos media de todo o mundo, como é habitual em todas as edições. No entanto, as alterações climáticas continuam a ser um tópico noticioso restrito mais ligado aos efeitos que às causas, mesmo nos media alternativos (não mainstreams)[5].  

Portanto, soa como iniciativa muito bem-vinda a união do Guardian com redações de todo o mundo para tratar as alterações climáticas como uma questão de emergência – o jornal até começou a usar o termo ‘emergência climática’ em vez de ‘alterações climáticas’[6]. Embora devamos ser cautelosos com este tipo de atitude, uma vez que o último Digital News Report (DNR)[7] indica que “as audiências na América Latina, Sul da Europa e em vários mercados na Ásia-Pacífico estão mais abertas a que os media tomem uma posição favorável contra as alterações climáticas (…) Por outro lado, as pluralidades nos mercados do Norte da Europa, Europa Ocidental e América do Norte favorecem a imparcialidade. Os inquiridos na Alemanha (45%), Noruega (44%), e EUA (42%) dizem que prefeririam que os noticiários refletissem um leque de pontos de vista e deixassem ao seu critério a decisão sobre o que pensar”[8].

Em geral, a maioria das pessoas considera as alterações climáticas um problema extremamente grave ou muito grave, como demonstra a edição de 2020 do DNR – 69% dos inquiridos afirmaram isso[9]. No entanto, relativamente ao interesse em notícias sobre as alterações climáticas, a última edição da DNR indica que esse interesse é superior em audiências não tão politicamente polarizadas e que já sentem os efeitos de condições meteorológicas extremas[10]. Por exemplo, as audiências dos Estados Unidos – atualmente, um país muito polarizado – demonstram o menor nível de interesse. Por outro lado, as audiências de países como a Grécia e Portugal, que sofreram graves incêndios florestais nos últimos anos, apresentam elevados níveis de interesse.

Os efeitos das alterações climáticas estão desigualmente distribuídos pelo globo – os países que menos contribuem para tal geralmente são os mais afetados – mas as alterações climáticas continuam a ser uma questão global. No entanto, os media permanecem privilegiando a perspetiva do Norte Global[11]. Se jornalistas e redações conscienciosas querem fazer a diferença e ajudar na promoção do envolvimento cívico com a questão, é necessário desenvolver linguagens locais para a reportagem sobre as alterações climáticas[12]. Um urso polar em cima de um pedaço gelo a derreter tornou-se uma imagem comum para representar as alterações climáticas, mas tal fala pouco às pessoas do Brasil, Portugal, Chile, África do Sul…

Assim, gostaria de concluir partilhando esta grande iniciativa do site especializado Carbon Brief e da Rede de Jornalismo Climático do Reuters Institute: A Base de Dados do Clima do Sul Global (https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/global-south-climate-database). Publicamente disponível, essa base de dados visa conectar jornalistas de todo o mundo com cientistas da Ásia, África, América Latina e Pacífico.


[1] Climate change. (n.d.).  United Nations. https://www.un.org/en/global-issues/climate-change

[2] In-depth Q&A: What is ‘climate justice’? (2021, 4 de Outubro). Carbon Brief. https://www.carbonbrief.org/in-depth-qa-what-is-climate-justice/

[3] Jäger-Waldau, A. & Sapkota T. (Eds.). (2021). Technical Summary. https://www.ipcc.ch/report/ar6/wg3/downloads/report/IPCC_AR6_WGIII_TS.pdf

[4] Robertson, C. T. (2022, 15 de Junho). How people access and think about climate change news. Reuters Institute. https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/digital-news-report/2022/how-people-access-and-think-about-climate-change-news

[5] Loose, E. B. (2022). Cobertura climática desde o Sul: análise crítica de discursos jornalísticos não hegemônicos. Estudos em Jornalismo e Mídia, 19(1). DOI: http://doi.org/10.5007/1984-6924.2022.e82435

[6] The climate emergency is here. The media needs to act like it. (2021, 12 de Abril). The Guardian. https://www.theguardian.com/environment/2021/apr/12/covering-climate-now-guardian-climate-emergency

[7] O Digital News Report é publicado anualmente pelo Reuters Institute for the Study of Journalism e documenta o consumo de notícias digitais em mais de 40 mercados. Relatórios disponíveis em: https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/digital-news-report/2022

[8] Robertson, Op. cit., 2022.

[9] Andi, S. (n.d.). How People Access News about Climate Change. Reuters Institute. https://www.digitalnewsreport.org/survey/2020/how-people-access-news-about-climate-change/#fn-11894-1

[10] Robertson, Op. cit., 2022.

[11] Loose, Op. cit., 2022.

[12] Selva, M.  (2021, 22 de Abril). Why we need a new local language of climate change reporting. Reuters Institute. https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/news/why-we-need-new-local-language-climate-change-reporting



Citar este post
Ester Minga (2022, 12 Outubro). The challenges of news representations of climate change. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 24 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search