Categorias
Deafness Displaced Deaf Human Rights low-income economies

Low and middle-low-income world economies lead the deafness ranking

A surdez – perda auditiva que varia entre ligeira, moderada, severa e profunda – é comum e encontradas em todas as regiões e países, independentemente do género, condição social ou económica dos indivíduos. A sua tipologia e etiologia são variadas.

Manter dados estatísticos sobre surdez a nível global é uma tarefa complexa, pela variedade, dispersão e até ausência de dados, mas é necessária dado que esta condição é estimada como sendo a terceira causa de incapacidade, até 2050 em todo o mundo. A realidade dos números nem sempre corresponde à dimensão real do fenómeno da surdez, o qual se encontra atualmente enquadrado no termo mais abrangente deaf and Hard of Hearing (DHoH).

Por exemplo, como se verifica no relatório da European Federation of Hard of Hearing People (2015) [i], no qual se publicaram estatísticas sobre a prevalência de surdez e perda auditiva na Europa, não surgem referências conhecidas em países como Itália e Grécia. Para muitos países, os dados sobre a prevalência da surdez (DHoH) ainda não estão disponíveis e os fatores associados à perda auditiva não foram examinados de forma detalhada. Existem, contudo, estudos que indicam a Rússia com um número estimado de 8,7 milhões de Deaf e Hard of Hearing, enquadrando o país com a taxa mais elevada de surdez a nível mundial (Bikbov et al, 2019) [ii].

Esse rigor na importância de demonstrar os crescentes índices de surdez em crianças e adolescentes é crucial na identificação, desenvolvimento de estratégias de educação e cuidados preventivos, principalmente devido à forte relação com a exposição a fontes de ruído excessivo em crianças e adolescentes, nefastos para a saúde auditiva. Nos países europeus com aproximadamente 9% da população surda, à frente da taxa de prevalência de deficiência auditiva estão o Reino Unido, Suécia e Países Baixos. No entanto, a realidade da população europeia está em constante transformação e contamos já com uma perspetiva estatística que agrega dados de comunidades surdas chegadas de  países não ocidentais, a qual vem impactar os números conhecidos de alguns países, principalmente, os países de acolhimento de deslocados surdos. Na Suécia e Países Baixos há cada vez mais crianças refugiadas e migrantes surdas e com deficiência auditiva, bem como os seus pais, naturais de países não ocidentais (EFHOH, Kentalis congress Teaching Deaf Learners, 2019) [iii]. São, tendencialmente, os países com respostas mais desenvolvidas ao nível de cuidados de saúde auditiva e de educação de surdos que se encontram na linha da frente para o acolhimento destas comunidades.

No entanto, se olharmos para o panorama mais amplo, há mais de 1,5 mil milhões de pessoas com surdez/perda auditiva a nível mundial. Em alguns lugares do mundo estas populações vivem sem direitos à escolarização, comunicação, socialização, acesso à informação e consequentemente limitadas no seu bem estar e inclusão. A Organização Mundial de Saúde espera que até 2050, possam existir mais de 2,5 mil milhões de pessoas com surdez/perda auditiva incapacitante e pelo menos 700 milhões necessitarão de reabilitação auditiva (OMS, 2022), o que corresponde em 2050 a 1 pessoa em cada 4: uma das 3 causas principais de incapacidade, sobretudo em populações mais envelhecidas [iv].

Na população adulta, a surdez está principalmente ou secundariamente associada à idade avançada, depressão, género (masculino), doenças cardiovasculares e consumo de álcool (Bikbov et al, 2019).

No artigo Global and regional hearing impairment prevalence: an analysis of 42 studies in 29 countries[v], a prevalência de deficiência auditiva está positivamente relacionada às regiões com low-income, especialmente na África Subsaariana e no sul e sudeste da Ásia (Stevens et al, 2011). Nestas regiões verificam-se taxas mais elevadas tanto em adultos como em crianças com surdez e deficiência auditiva (DHoH). Segundo Freeland & Moham (2010), como resultado de um estudo desenvolvido na Tanzânia[vi], a deficiência auditiva severa e profunda entre crianças em adultos em países em desenvolvimento pode ser causada por taxas mais altas de infeções pré e pós-natais, como rubéola, e meningite e do uso de substâncias ototóxicas.

Estes dados corroboram as informações disponíveis na OMS acerca das causas de surdez nas diferentes faixas etárias: no período pré-natal estão relacionadas com fatores genéticos hereditários e não hereditários e infeções no período intrauterino, e no período perinatal, a etiologia da surdez relaciona-se com asfixia no parto, baixo peso, hiper bilirrubinemia neonatal (ou icterícia em recém-nascidos) e outras comorbilidades. Já na infância e adolescência, os fatores incluem infeções do ouvido como otites de repetição, quadros de meningite ou outras infeções. Ao longo da vida, a perda auditiva é desenvolvida em função das carências nutricionais, em conjunto com sequelas de trauma auditivo por ação viral [vii].

Nos países em desenvolvimento, muitas as crianças com surdez não são escolarizadas. Adultos com surdez/perda auditiva também têm uma taxa de desemprego muito mais elevada. Entre aqueles que estão empregados, uma percentagem maior de pessoas com surdez/perda auditiva possui emprego menos remunerado em comparação com a força de trabalho geral (OMS). Além disso, os países com baixo rendimento per capita (low-income economies) [viii] suportam um ónus desproporcional do caso do fornecimento de tecnologia assistiva (ou designada também por tecnologia de apoio) a indivíduos surdos. A OMS estima que a produção global de aparelhos auditivos cubra apenas 3% da necessidade nesses países.

Os dados de prevalência no estudo de Stevens (2011) são consistentes com as taxas de surdez na Índia, Indonésia, Madagascar, Myanmar, Nepal, Sri Lanka e Vietnam, mas confirma que países com a Nigéria possuem índices discrepantes, mais altos que os números oficiais declaram.

No entanto, apesar de algumas tipologias de surdez/perda auditiva serem evitáveis ao longo da vida através de intervenções eficazes de saúde pública – como por exemplo nas crianças, quase metade da perda auditiva deve-se a causas que podem ser prevenidas através de medidas como a imunização, melhoria dos cuidados maternos e neonatais [ix]. Na restante metade dos casos de surdez/perda auditiva, pertencentes a um fenómeno diferente do impacto ambiental mencionado antes, existem fatores genéticos envolvidos na surdez congénita por casamento consanguíneo, casamento que acontece entre parentes próximos, como tios e sobrinhos ou entre primos. Este casamento, também designado por “intermarriage” ocorre dentro de um grupo social ou cultural específico, conforme exigido por costume ou lei (endogamia) ou casamento entre pessoas pertencentes ao mesmo pequeno grupo, especialmente se forem parentes consanguíneos próximos.

Casos mais específicos como os de surdez congénita por causas genéticas foram estudados no campo médico por Sheffield e Smith (2019) em The Epidemiology of Deafness  (2019)  e, numa perspectiva antropológica por Kusters, sobre a realidade Surda do Gana [x] (2019), África Ocidental e no Mumbai [xi] (2017) a maior cidade da Índia na costa oeste do país.

Segundo Kusters (ibid.), a surdez hereditária é um fenómeno que ocorre em alguns países ​​devido à presença de consanguinidade no casamento: um número relativamente alto de surdos nasce surdo devido à presença de um gene recessivo, adquirido através de casamentos consanguíneos.

O fenómeno da surdez congénita por união consanguínea é também muito presente no Egito, particularmente na zona norte do país. Especialistas indicam que quase 5 milhões dos 100 milhões de habitantes do Egito são surdos, em parte devido ao frequente casamento entre parentes próximos. Devidas às características sócio- culturais e financeiras do país, a população surda egípcia luta muitas vezes por oportunidades de educação, serviços de saúde e tratamento médico, deslocando-se internamente para a capital oriundos de áreas pobres e rurais.

No trabalho de Abdel-Hamid: Prevalence and patterns in hearing impairment in Egipt, a national household survey (2007) [xii] um inquérito nacional mostra que a prevalência de perda auditiva no Egito (16,02%) é maior do que em muitos outros países, tanto países desenvolvidos como Estados Unidos (9,6%), como países em desenvolvimento como Indonésia (4,6%) e Sri Lanka (8,8%) . A taxa também é superior à de Omã (5,53%) e Arábia Saudita (13%), que como países árabes têm semelhanças étnicas, culturais e tradicionais com o Egito. Há, contudo, diferenças significativas entre as regiões do Egipto para a prevalência da surdez: a maior taxa de perda auditiva foi encontrada em Marsa Matrouh (25,68%), seguida por Alexandria (20,13%) e a menor em North Sinai (13,51%).

Estudos anteriores sobre surdez no Egito, apontam fatores de hereditariedade e de quadros  infeciosos como as principais etiologias da perda auditiva. É relatado que na literatura ocidental cerca de 24% a 39% das causas de perda auditiva são devido a fatores genéticos. No trabalho de Snoeckx et al. (2005), Mutation Analysis of the GJB2 (Connexin 26) Gene in Egypt [xiii], os autores afirmam que a mutação do gene c.35delG é a mutação patogénica mais comum nesta população, mas os casos de surdez no Egito são geneticamente muito heterogéneos e que há grandes diferenças entre as populações. Como os casamentos consanguíneos são comuns no Egito, a maioria das famílias apresenta um padrão de herança recessivo. Em quarenta e quatro famílias participantes do estudo genético apresentado, os pais eram primos de primeiro grau enquanto em 10 famílias os pais eram primos de segundo grau.

Contudo, no referido estudo de Abdel-Hamid et al. (2007) as causas inflamatórias e infeciosas do ouvido médio foram as mais mencionadas na origem da surdez, especialmente na surdez infantil: a sequela mais comum de otite média aguda e de repetição é consequente causa de grau de surdez condutiva. Os autores desta pesquisa defendem que, seja qual for a etologia da surdez, todos os casos podem ser foco de uma ação preventiva ou de acompanhamento terapêutico. A problemática recai muitas vezes na falta de diagnóstico precoce eficaz, intervenção médica, possibilidade de tratamento ou cirúrgico. Em muitos dos casos, é uma questão de investimento insuficiente dos Estados em programas de saúde materna e infantil, nomeadamente do Egito, considerado um país “low and middle income”. Um elemento importante que considera o Egito um país em desenvolvimento, apesar das suas taxas de modernização e industrialização crescentes é a desigualdade entre habitantes. A riqueza, saúde, educação e qualidade de vida no Egito não são repartidas igualmente entre a população, especialmente na comparação com outras nações [xiv]. “Despite all the positives about Egypt’s economic performance, many of the characteristics of a developing country—from pollution and traffic injuries to illiteracy and poverty—are sadly visible across the country. These problems don’t automatically disappear with economic growth, and they take more to solve than just government, or even private, spending.”

No entanto, a saúde do ´ouvido´ deverá tornar-se prioritária no Egito, com medidas do Ministério da Saúde, particularmente nas políticas públicas de Saúde Infantil e Planeamento Familiar e, não menos importante, a sensibilização da população e a Educação de Surdos, com ênfase nas zonas rurais, onde as famílias são menos escolarizadas. A surdez é um dos fatores com maior impacto no absentismo escolar e laboral e consequentemente na limitação à participação nas comunidades e no desenvolvimento psicossocial. A esta realidade acrescenta-se a necessidade de investimento em respostas educativas eficazes no campo da educação de surdos, apoiada por referenciais teóricos atualizados, formação de profissionais e estruturas adaptadas. A OMS refere que o número de pessoas que vivem com surdez/perda auditiva não tratada e doenças do ouvido é inaceitável e estima um custo global associada anual de 980 mil milhões de dólares, o que inclui custos do setor de saúde (excluindo o custo de aparelhos auditivos), custos de apoio educativo, quebra de produtividade e custos sociais. 57% desses custos são atribuídos a países de low e lower middle income.

Como refere a Dra. Mary Ishaq, diretora da escola da Deaf Unit no Cairo, os desafios educacionais intensificaram-se ainda mais durante a pandemia e confinamento do COVID-19, que expôs a fragilidade dos surdos egípcios e suas famílias [xv]. Também novos desafios desafiaram os sistemas de saúde e, esperançosamente, chamaram a atenção para a necessidade de investir em cuidados de saúde como meio de proteger as populações DHoH do mundo no futuro (World report on hearing, OMS, 2021).


[i] European Federation of Hard of Hearing People Report, disponível em https://efhoh.org/wp-content/uploads/2017/04/Hearing-Loss-Statistics-AGM-2015.pdf.

[ii] Bikbov, M. M., Fayzrakhmanov, R. R., Kazakbaeva, G. M., Zainullin, R. M., Salavatova, V. F., Gilmanshin, T. R., Arslangareeva, I. I., Nikitin, N. A., Panda-Jonas, S., Mukhamadieva, S. R., Yakupova, D. F., Khikmatullin, R. I., Aminev, S. K., Nuriev, I. F., Zaynetdinov, A. F., Uzianbaeva, Y. V., & Jonas, J. B. (2019). Self-reported hearing loss in Russians: the population-based Ural Eye and Medical Study. BMJ Open, 9(3). https://doi.org/10.1136/bmjopen-2018-024644.

[iii] Kentalis Congress Teaching Deaf Learners, disponível em https://www.efhoh.org/wp-content/uploads/2019/12/Newletter_no_1_2019_version_8.pdf.

[iv] European Federation of Hard of Hearing (EFHOH) , disponível em https://www.efhoh.org/wp-content/uploads/2019/12/Newletter_no_1_2019_version_8.pdf.

[v] Stevens,G., Flaxman,S., Brunskill, E., Mascarenhas, M., Mathers, C., Finucane, M. on behalf of the Global Burden of Disease Hearing Loss Expert Group, Global and regional hearing impairment prevalence: an analysis of 42 studies in 29 countries, European Journal of Public Health, Volume 23, Issue 1, February 2013, Pages 146–152, disponível em https://doi.org/10.1093/eurpub/ckr176.

[vi] Freeland, A., Jones, J., Mohammed, N.K. Sensorineural deafness in Tanzanian children–is ototoxicity a significant cause? A pilot study, Int J Pediatr Otorhinolaryngol, 2010, vol. 74 (pg. 516-9).

[vii] https://academic.oup.com/eurpub/article/23/1/146/460112

[viii] Dados do The World Bank: “For the current 2023 fiscal year, low-income economies are defined as those with a GNI per capita, calculated using the World Bank Atlas method, of $1,085 or less in 2021; lower middle-income economies are those with a GNI per capita between $1,086 and $4,255; upper middle-income economies are those with a GNI per capita between $4,256 and $13,205; high-income economies are those with a GNI per capita of $13,205 or more”.

[ix] World report on hearing, dsponível em  https://www.who.int/teams/noncommunicable-diseases/sensory-functions-disability-and-rehabilitation/highlighting-priorities-for-ear-and-hearing-care.

[x] One Village, Two Sign Languages: Qualia, Intergenerational Relationships and the Language Ideological Assemblage in Adamorobe, Ghana, Kusters, A., (2019). Journal of Linguistic Anthropology. Disponível em https://doi.org/10.1111/jola.12254

[xi] Ishaare: Gestures and Signs in Mumbai, Kusters, A., dir. 75 min. Indian Sign Language, Hindi, English, and Marathi with English subtitles. Mumbai, India: MPI MMG, (2015), disponível em https://anthrosource.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/aman.12965

[xii] Prevalence and patterns in hearing impairment in Egipt, a national household survey (2007), disponível em   https://applications.emro.who.int/emhj/1305/13_5_2007_1170_1180.pdf?ua=1

[xiii] Rikkert et al. (2005). Mutation Analysis of the GJB2 (Connexin 26) Gene in Egypt, disponível em https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1002/humu.9350

[xiv] Why is Egypt a Developing Country? Disponível em  https://www.cibeg.com/en/learning-center/economics-101/why-egypt-is-a-developing-country

[xv] VOA- Egypt School for the Deaf Works Against Odds to Educate Children, available at https://www.voanews.com/a/middle-east_egypt-school-deaf-works-against-odds-educate-children/6204112.html


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Filipa Machado Rodrigues (9 de Outubro de 2022). Low and middle-low-income world economies lead the deafness ranking. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkv9


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search