Categorias
art Common Home Development diversity education Empathy Empatia Human Rights Non classé peace world peace

Education through Art. The exhibition Equity as a search for Peace

Educação pela Arte. A exposição Equidade como uma procura pela Paz

A arte assume, assim, um carácter de expressão do Self, não apenas acessível às academias ou especialistas, antes forma de expressão de liberdade, de desenvolvimento de valores de Dignidade e uma forma de promover progresso social nos mais variados contextos.

Carlos Barros

A arte é a mais imersiva experiência entre o ‘eu’, o ‘outro’ e o contexto. A arte permite-nos exprimir sentimentos, preocupações, vivências, perspetivas e sonhos. Sobretudo, mostrar em vanguarda alguma dimensão sobre a realidade pessoal-social, como potencial ao desenvolvimento. Esta preocupação é visível no contexto sócio histórico:

Já em 1898 Tolstói ensaiava sobre “O que é a Arte?”[1], indicando que a arte levanta questões morais, sociais, estéticas e políticas que conduzem a uma importante reflexão sobre os sentimentos humanos. Este autor, embora mais preocupado com um fenómeno estético acessível e universal, destaca na arte duas dimensões essenciais. Uma primeira funcionalista: cumprindo uma função com papel e voz ativas na sociedade; conjugando com uma segunda dimensão, essencialista: intrínseca, em que todas as obras cumprem essa tal função, apesar de terem diferentes impactos.[2]

Mais tarde, já na reconstrução no pós primeira Guerra Mundial, o autor Dewey[3] desenvolveu uma importante discussão sobre a necessidade da Educação para a Paz, com destaque no papel dos currículos como ferramentas de inclusão e aceitação da diversidade para a conexão entre pessoas e países.

Concretamente, este autor defendeu a centralidade do estudo da Geografia e da História enquanto elementos centrais numa visão integradora. Isto é:

A Geografia – sobretudo na sua vertente humana – permite que os jovens estudantes compreendam a diversidade humana, aspetos culturais, hábitos, sociedades, ocupações/empregos e até a produção artística como reflexo destas dinâmicas sociais. Por seu turno, a História funciona como uma disciplina de excelência para se entender problemas atuais (e.g. guerras), conhecendo relações e dinâmicas do passado para se gerir um presente com tensões enraizadas em conceções de patriotismo ou nacionalismo que potenciam a ideia de grupos/identidades com poder diferente.

Pretende-se, em vez de uma perspetiva mais tradicional, que os currículos possam explorar a igualdade entre Seres Humanos, que apenas com contextos culturais diversos. Tal reduz a possibilidade de xenofobia, racismo ou qualquer percepção de superioridade de grupos/países sobre outros.

Já nos anos 40 do século XXI, pelo cunho de Herbert Read, surge o conceito de Educação pela Arte[4]. Um conceito usado ainda hoje, seja na educação formal (e.g. nas escolas), seja na educação informal (e.g. serviços educativos em museus, exposições) e tem como base a proposta de educar com fundamento estético, propondo uma reflexão e aprendizagem assentes nos sentidos e sensibilidade. Deste modo, podemos potenciar a descoberta do Eu e do Outro, levando à principal questão do conceito: “o que é a Paz?” (e como chegar à mesma?).

Importa contextualizar que a Educação pela Arte surge no pós-Segunda Guerra Mundial, onde é necessário trazer para fora das salas de aula e dos espaços artísticos a reflexão sobre os valores dos Direitos Humanos, destacando como podemos desenvolver empatia para ver e exprimir a necessidade de dignidade intra e interpessoal.

A arte assume, assim, um carácter de expressão do Self, não apenas acessível às academias ou especialistas, antes forma de expressão de liberdade, de desenvolvimento de valores de Dignidade e uma forma de promover progresso social nos mais variados contextos.

O ano de 2022 está a ser pautado por diversas tensões internas e externas. Isto reflete-se quer a nível pessoal, relacional, familiar, laboral, estatal ou até mundial. O período (pós)pandémico, os diversos períodos de isolamento social, as diferentes formas de conciliação entre trabalho-vida pessoal, o aumento das fake news (que interferem na forma de conexão digital desenvolvida como aproximação ao Outro e à informação), a guerra consequente da invasão da Ucrânia pela Rússia, a inflação e redução de perceção de controlo sobre o futuro (e.g. saúde, estabilidade laboral, habitação e alimentação decentes), influenciam o bem-estar, ainda com frágeis  mecanismos de coping e com deficitárias medidas políticas.

 Aqui chegados, e considerando o avanço dos recursos digitais atuais, bem como a própria conceção de expressão artística que se foi democratizando, reforçando a importância da arte na educação, chegou o momento de fazermos transferência social na academia – transformar a literatura académica em realidade social.

Com base neste racional teórico, desenvolvi uma experiência social na Universidade Católica Portuguesa. Com recurso híbrido entre as formas presencial e digital[5], foi desenvolvida na Biblioteca BJPII[6] uma exposição que pretende desenvolver a consciência de necessidade de Paz. Em exibição entre 24 de junho e 30 de Setembro de 2022, foi disponibilizado no átrio do espaço – antes de acesso aos serviços usuais da biblioteca – um conjunto de obras, intituladas de “Exposição Equidade”.

Foram disponibilizadas:

  1. Exibição de uma das primeiras traduções para a Língua Portuguesa da Declaração dos Direitos Humanos, com uma atividade digital de convite à construção de valores sobre a dignidade humana;
  2. Doze (12) obras fotográficas sobre a perceção de jovens adultos sobre os Direitos Humanos – um desafio coordenado com uma IPSS Portuguesa[7] que presta suporte a jovens estudantes em desvantagem social-financeira;
  3. Testemunhos/ reflexões de jovens cientistas e equipa que integra a 1ª Edição do Programa de Pós-Doutoramento em Desenvolvimento Humano Integral[8];
  4. Consulta disponível no telemóvel de cada um/a a vídeos, literatura, ligações para entidades que trabalham para o bem-comum.

As obras tinham acesso constante a leitura através de QR Codes, permitindo guardar ou partilhar conteúdos com as suas redes sociais e era atribuído “fio condutor” através de áudio-guia disponibilizado em português e inglês.

Não posso, ainda, partilhar os resultados de cada dinâmica em que os participantes eram desafiados a retificar/ acrescentar/ refletir sobre a Declaração dos Direitos Humanos, mas posso partilhar os vários relatos do que pode ser a empatia para “calçar os sapatos do Outro”.

Em primeiro, destaco a profundidade que foi adaptar a exposição ao longo da sua exibição: a criação e manutenção de website, adaptação de conteúdos, criação de dinâmicas longitudinais, cooperação logística (montar/ ligar-desligar aparelhos em cada dia), traduções português-inglês e conceção/gravação de áudio guias, fez com que se construíssem perspetivas do que se pretende para a acessibilidade e consideração de perspetivas de todos/as os/as intervenientes.

Toda a equipa envolvida participou no desafio de construir conhecimento e elementos essenciais, com flexibilidade e interdisciplinaridade. Todas as sugestões foram aceites como dádivas, como sendo a ‘obra de arte maior’: resultante de várias mãos e cérebros.

Em segundo, o convite para reflexões de jovens cientistas e equipa que integra a 1ª Edição do Programa de Pós-Doutoramento em Desenvolvimento Humano Integral, foi uma reflexão essencial para que os/as visitantes pudessem conhecer diferentes perspetivas, pessoas, visões, mas com o conceito comum de Dignidade. Verificamos que, os Direitos Humanos (DH) estão amplamente conectados com o Desenvolvimento Humano Integral (DHI). Só potenciando os valores de DH se caminha para o que é o DHI (e vice-versa).

Por fim, a visita por parte de alunos/as, docentes, elementos de eventos científicos e elementos externos à comunidade da universidade, foram contundentes na perceção da exposição como tendo mensagem clara, acessível, necessária e que os/as fazia refletir sobre o modo como podem intervir no seu quotidiano, em virtude de mais bem-estar.

A meu ver, começamos bem a Educação pela Arte. Agora que a exposição abandona o seu espaço físico, convido a que possam ser parte da mesma digitalmente (www.equidade.pt). Em breve, as peças encontrarão outro local onde possam ser uma (re)descoberta, mas com este pequeno relato que pretende convidar todos/as a usar a arte como educação e empatia numa sociedade que precisa de cuidados urgentes.

————

Especial homenagem e agradecimento:

Este projeto só foi possível graças ao suporte da equipa da BJPII, com especial agradecimento à responsável Ana Folque (a força pilar do projeto), bem como aos incríveis Bruno Marçal, João Matias, José Zacarias, Maria Perdigão, Claúdia Catanho e Ricardo Cunha; à equipa CADOS e programa de DHI, pela partilha de diversas questões/ perspetivas; à Patrícia Anzini que deu voz à visita; à Associação Duarte Tarré que gentilmente cedeu imagens. Por último, aos sorrisos dos/as estudantes que saiam de prolongados tempos de estudo em época de exames e paravam em frente às obras com entusiasmo pela descoberta.


[1] Tolstói, L. (2013) O que é a Arte?. Lisboa: Gradiva.

[2] Barros, C. (2014). Teatro como ferramenta educativa psicossocial. Porto: Livpsic / Mais Leituras.

[3] Howlett, C. F. (2008). John Dewey and peace education. Encyclopedia of peace education, 25.

[4] Read, H. (2001). A Educação pela Arte. São Paulo: Martins de Fontes.

[5] Recursos parcialmente disponíveis no website www.equidade.pt

[6] Site da biblioteca: https://www.ucp.pt/pt-pt/ensinoservicos-de-apoiobibliotecas-da-universidade-catolica-portuguesabibliotecas/biblioteca

[7] Associação Duarte Tarré, www.adtarre.pt

[8] Site CADOS: https://cados.ucp.pt/cursos-de-formacao-pos-doutoral/postdoc-fellowship-program-integral-human-development



Citar este post
Carlos Barros (2022, 29 Setembro). Education through Art. The exhibition Equity as a search for Peace. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 25 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkv8

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search