Categorias
Core Skills Empathy Empatia Higher Education Intergenerational Solidarity Non classé uncertainty avoidance

Skills for an uncertain future

Competências para um futuro incerto

As core skills (“competências coração”), consideram a flexibilidade que devemos desenvolver num mundo incerto, cada vez mais global, com forte mobilidade de pessoas, informações e serviços

Carlos Barros

O bem-estar entre o que é pessoal-laboral é um debate cada vez mais aceso nos diversos eventos sobre os temas do desenvolvimento de organizações e pessoas. De facto, não podemos separar o bem-estar do indivíduo na sua esfera pessoal da sua esfera profissional, mas podemos sim, encontrar/desenvolver um equilíbrio “por partes” para alcançar um Todo mais funcional.

Recordo-me de um teste numa disciplina central em Psicologia, em que nos era perguntado: “Podemos separar a(s) Psicologia(s)?” – e a resposta era: não. O nosso bem-estar ou conflito numa área pessoal vai impactar a vertente profissional e vice-versa. Somos um Todo que cresce com um bem-estar multifacetado e que se conecta com a perceção de realização em diversas frentes de ação.

A perceção de desenvolvimento de competências técnicas (Hardskills) ou competências relacionais (softskills), fundem-se neste desenvolvimento das novas Core Skills (as “competências coração”), que podem ser uma oportunidade ao debate  sobre o desenvolvimento.

Tal é de especial relevância agora que vários jovens em Portugal e na Europa se preparam para uma nova etapa, com a entrada no ensino superior, para desenvolver um conjunto de competências-chave. Simultaneamente, muitos dos familiares ascendentes tentam com estes ajudar a montar este puzzle de redução de incerteza entre a expectativa e a realidade do futuro incerto.

Assim, penso que é necessária uma reflexão integral que pode acompanhar o relaxamento em férias – refletindo sobre quais as competências universais, transversais e até como nos podem fazer sentir mais seguros ao longo da vida.

As core skills (“competências coração”), consideram a flexibilidade que devemos desenvolver num mundo incerto, cada vez mais global, com forte mobilidade de pessoas, informações e serviços em transformação. Esta constante mudança, externa a nós, pode criar desajustes de competências laborais, pessoais ou mesmo criar um stress tão avassalador que nos coloca perante uma sensação de desajuste. Por outro lado, a transferência de conhecimentos num contexto mais global pode ser benéfico para gerir as potencialidades transculturais, daí termos que desenvolver a capacidade de adaptação.

São bastantes as informações mais ou menos direcionadas a ramos/funções disponíveis a várias funções, mas destacaria como competências centrais:

  1. Aprendizagem e Pensamento Crítico – o que aprendemos nunca é definitivo, beneficiamos com a aprendizagem ao longo da vida. O que aprendemos serve como base para pensamento crítico sobre as várias situações em que temos de desenvolver estratégias de adaptação.
  2. Criatividade e Resolução de Problemas – “pensar fora da caixa”, não só quanto a processos e saberes técnicos, mas também relacionais, em que podemos agilizar o trabalho e resolver assertivamente um problema;
  3. Autenticidade – entender as competências estandardizadas, mas também saber apostar no que podemos desenvolver de melhor em nós, indivíduos;
  4. Comunidade – considerarmos as comunidades em que participamos não são só a partir do binómio digital vs. presencial, mas sim: ‘quais me fazem sentido para crescer?’, não esquecendo a importância da liderança;
  5. Adaptação digital – até conectada com a anterior, é cada vez mais urgente a literacia e adaptação do mundo digital como integrante do quotidiano laboral e pessoal;
  6. Comunicação e Negociação – a comunicação é muito mais do que saber falar. É saber falar e ouvir com uma procura constante pela ética e eficácia; com a integração da confiança (ser de confiança, confiar e ser confiável), ter coragem de encontrar novas soluções (para si e para os outros) e influenciar/ ser influenciado de forma construtiva sem manipulação;ser curioso com umgenuíno desejo de descobrir novas formas de se fazer algo;
  7. Equilíbrio – saber encontrar uma mediação funcional entre tempo e atividades de trabalho e vida pessoal-familiar;
  8. Empatia – por fim, mas nunca menos importante: saber ouvir, pensar e sentir com o outro. No fundo, “calçar os sapatos do Outro”, mas sem que isto nos puxe para fora do nosso próprio pé.

Embora estas competências pareçam pouco objetivas, podem fazer-nos pensar – como jovens candidatos ao ensino superior, como docentes, estudantes, familiares, colaboradores, cuidadores, voluntários (entre vários) – que o mais importante é a nossa perspetiva de crescimento em que tudo é fluído e o futuro começa agora. Agora na nossa capacidade de ver o mundo como uma oportunidade de crescimento e adaptação pelo bem comum.

Não serão as competências coração essenciais para o cuidado ao Outro?


Se este tema é do seu interesse, pode ler mais nas obras online:

Dochevska, Y. (2021). Defining Transversal Skills: Perspectives And Development. Trakia Journal of Sciences19(1), 621-625. doi:10.15547/tjs.2021.s.01.097

Mayo, P. (2019). Higher education in a globalising world: Community engagement and lifelong learning. In Higher education in a globalising world. Manchester University Press.

Billing, D. (2007). Teaching for transfer of core/key skills in higher education: Cognitive skills. Higher education53(4), 483-516. DOI 10.1007/s10734-005-5628-5



OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Carlos Barros (3 de Agosto de 2022). Skills for an uncertain future. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkv0


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search