Categorias
Non classé

Humanist journalism (or its lacking…) in the coverage of a crime with a child victim

Jornalismo humanista (ou falta dele…) na cobertura de um crime com vítima infantil

Uma espécie de provérbio bastante popular no jornalismo diz que “um cão mordendo um homem não é notícia, mas um homem mordendo um cão é definitivamente notícia”. Ironias à parte, podemos reconhecer alguma verdade nesta afirmação. Distúrbios de qualquer natureza no dia-a-dia inevitavelmente capturam a atenção. Estes podem ser tão triviais como um acidente de carro que se reflete no estado no trânsito ou uma tempestade que derruba árvores e fecha ruas, mas também substanciais ao envolverem o resultado de uma eleição, a divulgação de um escândalo de corrupção ou a revelação de crimes que demandam a ação das instituições da sociedade. Portanto, qualquer coisa capaz de suscitar o interesse público.

Em junho último, uma notícia perturbadora ocupou as páginas dos jornais em Portugal: uma criança de três anos morrera após ser vítima de maus-tratos e espancamento por vários dias. Quando um crime como esse é revelado pela imprensa, os indivíduos sentem não apenas um choque, mas um mal-estar mais profundo que advém da total desconexão do ato noticiado com o consenso moral prevalecente em sociedade. Este sentimento também é amplificado pelos media que elegeram as crianças como uma espécie de barômetro cultural. Como explica Yvonne Jewkes[1], as crianças tornaram-se responsáveis por avaliar o estado de saúde da sociedade e, quando são vítimas ou perpetradoras de crimes hediondos, os media os reportam como inextricáveis indicadores de uma pandemia moral.

Embora a cobertura mediática do assassinato de Jéssica tenha demonstrado muito mais do que isso, caracterizando-se pela exploração da tristeza dos familiares, o desrespeito à sua privacidade, e à privacidade e aos direitos da criança falecida, bem como a exposição inconsequente de simples suposições de populares (vizinhos e conhecidos da família de Jéssica). Tal desrespeito aos princípios éticos do jornalismo e, em alguns níveis, a direitos fundamentais presentes na Constituição portuguesa fez com que o Partido Comunista solicitasse um posicionamento da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC)[2]. Alguns colunistas também criticaram essa cobertura sensacionalista em jornais de referência[3].

A considerar-se os critérios de noticiabilidade que norteiam o jornalismo, compreende-se a cobertura da morte de uma criança (que desde o início envolveu a suspeita de homicídio) tendo em vista o interesse público pelo bem-estar das crianças e, consequentemente, pela efetividade dos serviços oficiais responsáveis por verificá-lo. Objetivamente, algumas peças noticiaram que a criança já havia sido sinalizada para esses serviços por supostos maus-tratos.

No entanto, quando as notícias se limitam a representar a singularidade dos factos no seu máximo, o jornalismo afasta-se da sua matriz racional – tributária do Iluminismo e orientada para o interesse público – e fica mais próxima da matriz dramática, comum à literatura popular, às telenovelas e aos jornais tabloides[4]. Na cobertura da morte de Jéssica, observamos com tristeza a exploração da singularidade do facto quando diferentes emissoras de TV preferiram posicionar equipas de reportagem onde ocorria o funeral para questionar parentes desolados se eles sabiam algo sobre os maus-tratos, ou para expor sem cortes o ataque de fúria da avó.

Responsáveis por entregar um bem essencial, os jornalistas (principalmente editores e diretores de redação) também são os responsáveis diretos por essa cobertura perturbadora, porém não seria hipócrita afirmar que, num setor que enfrenta tamanhas dificuldades económicas, os veículos mostram o que sabem que atrai mais atenção. Como aponta o professor Rogério Christofoletti[5], curiosidade e interesse são próximos semanticamente, mas não são definitivamente sinónimos. Ainda mais distantes um do outro, estão a curiosidade e o interesse público.

A curiosidade é fugaz, banal, superficial. É imediatista, altamente perecível e absolutamente humana. Todo o mundo pode se deixar fisgar por querer saber de algo que pode ser importante ou não. No outro pólo temos o interesse, que é mais comedido, espesso e mais exigente. O interesse depende de mais concentração e dedicação, e se distribui ao longo do tempo (§ 8).

Não há nada de mal em ser curioso e, sejamos sinceros, todo mundo adora uma boa fofoca, mas quando isso envolve a dignidade das pessoas e a sua degradação a partir de meios de comunicação de massa, devemos refletir sobre o consumo desse tipo de conteúdo. É fácil enganar a si próprio ao imaginar a voracidade por notícias desse tipo como consequência de uma natureza humanista, embora tais notícias não considerem o quadro mais geral e apenas explorem as emoções mais banais. Não obstante, a sua popularidade tristemente manifesta um mórbido apetite humano sem qualquer relação com o bem-estar dos outros.


[1] Jewkes, I. (2012). Tanto pânico para nada? Representações e realidades da solicitação online de menores. Comunicação & Cultura, 14, 85-105.

[2] https://www.dn.pt/sociedade/pcp-deu-entrada-de-requerimento-a-erc-sobre-o-tratamento-mediatico-da-morte-de-jessica-14967104.html

[3] https://expresso.pt/opiniao/2022-06-29-Jessica-nao-e-mau-jornalismo-e-um-ataque-ao-jornalismo-1a308462

[4] Amaral, M. F. (2007). Oh, meu Deus! Manchetes e singularidades na matriz jornalística melodramática. Revista Eco-Pós, 10(2), 113–127. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v10i2.1021

[5] https://objethos.wordpress.com/2022/07/21/o-podcast-da-etica-abandonada/


[1] Jewkes, I. (2012). Tanto pânico para nada? Representações e realidades da solicitação online de menores. Comunicação & Cultura, 14, 85-105.

[2] https://www.dn.pt/sociedade/pcp-deu-entrada-de-requerimento-a-erc-sobre-o-tratamento-mediatico-da-morte-de-jessica-14967104.html

[3] https://expresso.pt/opiniao/2022-06-29-Jessica-nao-e-mau-jornalismo-e-um-ataque-ao-jornalismo-1a308462

[4] Amaral, M. F. (2007). Oh, meu Deus! Manchetes e singularidades na matriz jornalística melodramática. Revista Eco-Pós, 10(2), 113–127. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v10i2.1021

[5] https://objethos.wordpress.com/2022/07/21/o-podcast-da-etica-abandonada/


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Ester Minga (1 de Agosto de 2022). Humanist journalism (or its lacking…) in the coverage of a crime with a child victim. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkuz


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search