THE IMPACT OF SOCIAL ECONOMY NETWORKS IN THE PROMOTION OF INTEGRAL HUMAN DEVELOPMENT (Abalroado, T.)

It is necessary to work collectively and bring together the actors to cooperate and work together, meeting a common interest. The strategic decisions of organizations should not be separated from the context of existing relationships, as organizations influence and are influenced not only by the direct relationships they establish with their stakeholders but by the network in which they are inserted.

Simaens, A., 2012

Any person, in the course of his life, quickly realizes that he does not live in the perfect or ideal world; we are constantly bombarded, through different communication platforms, by the news that reports scenarios of crisis, hunger, poverty, war, catastrophe or other evils, making us, perhaps, become aware of our smallness and inability to change the “operational” of things. However, this awareness does not imply that we are no longer dominated by the desire to improve the world around us or that we do not commit ourselves to implement actions that, in some way, can generate positive impacts for our groups or communities.

 The defense of well-being and justice is an ideal that is transversal to most individuals, but its effective promotion does not depend only on each individual; it depends, to a large extent, on the action of the State, the consequences of economic activity, and the ability to the mobilization of society around the public cause. Each person is, however, the holder of a social mission whose materialization is centered on the process of choosing rulers, the performance of the professional activity, and the exercise of conduct oriented towards the promotion of the common good. 

Promoting the common good is not an easy task, as it does not depend on a strictly personal effort; it requires a collective effort that entails the use of often scarce resources and the use of skills and abilities that transcend the individual sphere. Thus, the prevention and solution of problems and situations that affect the lives of communities, as well as the measures that promote a straight and just social order, can only be implemented through organized, cohesive, efficient, and practical structures that, more than giving the fish and teach to fish, are guarantors of the universal right to fish. 

The Social Economy emerges, in practical terms, as the aggregate response of civil society agents to the problems and needs of assistance and protection arising from the inexistence of a perfect system of social justice. We cannot, however, look at this sector as being solely constituted by solidarity institutions; the demands inherent to its mission, the complexity of the diagnosed needs, and the dynamism of its surroundings force its structuring to capture actors of different natures to serve a single purpose – the common good. We speak, therefore, of a logic that transcends the Social Network, a sense of social value generated through the action of multiple stakeholders (State, Social Institutions, Suppliers, Users, Employees, Financing, and Society) that move around common goals. 

Since the Person is the ultimate beneficiary of social action, the networks of relationships created between the different agents and their strategic orientation must be articulated through a system of efficient collaboration and coordination; this relationship will facilitate, on the one hand, the access of the entities involved to the resources and, on the other hand, it will make possible the sharing of costs, time and risks. Networks emerge, therefore, as an element that facilitates the transfer of information and generates innovation, mediating transactions between organizations and relationships between people and offering differentiated access to specific resources. 

The idea of ​​a Social Economy connected through strong partnership relationships is not utopian; it represents the simple realization of the mission of social institutions and the culmination of a process of profound and committed involvement of all stakeholders. 

All links in these networks, because they serve people, must support their action in establishing bridges, identifying needs, channeling resources, sharing knowledge, formulating strategies, and promoting the generation of collective results. This dynamic may result in effectively innovative social responses based on concerted efforts and new processes and capacities centered on sharing experiences, providing a real social impact. 

Focusing on the user represents a critical factor for the success of the strategy of social institutions and, therefore, the development of efficient mechanisms of institutional collaboration that allow a deep knowledge of the social reality of the territories, of the exact needs of each community to that, from there, the resources and capabilities of organizations can be oriented to maximize the value provided. The permanent survey of conditions, the commitment to consistent and constant collaboration, the minimization of production costs, and operational flexibility must always be considered when defining the management mechanisms used.

“It is necessary to work collectively and bring together the actors to cooperate and work together, meeting a common interest. The strategic decisions of organizations should not be separated from the context of existing relationships, as organizations influence and are influenced not only by the direct relationships they establish with their stakeholders but by the network in which they are inserted”.[1]

 Creativity, innovation, and the effective promotion of integral human development will result from the singular heterogeneity allied to strategic consultation.


[1] SIMAENS, A., Estratégia nas Organizações Sem Fins Lucrativos – Estratégia Organizacional: do Mercado à Ética, pp. 201-240, Escolar Editora, 2012

————————————————————————————————————————————————————————————

O IMPACTO DAS REDES DA ECONOMIA SOCIAL NA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO INTEGRAL (Abalroado, T.)

É necessário trabalhar de forma coletiva e juntar os atores no sentido de cooperarem e trabalharem em conjunto, indo ao encontro de um interesse comum. As decisões estratégicas das organizações não devem ser separadas do contexto das relações existentes, sendo que as organizações influenciam e são influenciadas não só pelas relações diretas que estabelecem com os seus stakeholders, mas pela rede em que estão inseridas.

Simaens, A., 2012

Qualquer pessoa, no decurso da sua vida, facilmente se apercebe que não vive no mundo perfeito ou ideal; somos constantemente bombardeados, através das diferentes plataformas de comunicação, por notícias que dão conta de cenários de crise, fome, pobreza, guerra, catástrofe ou outros males, fazendo-nos, talvez, tomar consciência da nossa pequenez e incapacidade para mudar o “funcionamento” das coisas. Esta tomada de consciência não implica, porém, que deixemos de ser dominados pelo desejo de melhorar o mundo à nossa volta ou que não nos empenhemos na concretização de ações que, de alguma forma, possam originar impactos positivos para os nossos grupos ou comunidades.

A defesa do bem-estar e da justiça constitui um ideal transversal à generalidade dos indivíduos, mas a sua promoção efetiva não depende somente de cada sujeito, depende, em larga medida, da ação do Estado, das consequências da atividade económica e da capacidade de mobilização da sociedade em torno da causa pública. Cada pessoa é, no entanto, detentora de uma missão social cuja materialização se centra no processo de escolha dos governantes, no desempenho de uma atividade profissional e no exercício de uma conduta orientada para a promoção do bem comum.

Promover o bem comum não é, em si, uma tarefa fácil, já que não depende de um esforço estritamente pessoal, exige um empenho coletivo que acarreta a utilização de recursos muitas vezes escassos e o emprego de competências e capacidades que transcendem a esfera individual. Assim, a prevenção e solução dos problemas e situações que afetam a vida das comunidades tal como as medidas potenciadoras da reta e justa ordenação social só poderão ser implementadas por intermédio de estruturas organizadas, coesas, eficientes e eficazes que, mais do que dar o peixe e ensinar a pescar, sejam garantes do direito universal de pescar.

A Economia Social surge, em termos práticos, como a resposta agregada dos agentes da sociedade civil aos problemas e necessidades de assistência e proteção decorrentes da inexistência de um perfeito sistema de justiça social. Não podemos, porém, olhar para este setor como sendo unicamente constituído por instituições de solidariedade; a exigência inerente à sua missão, a complexidade das carências diagnosticadas e o dinamismo próprio da sua envolvente forçam a que a sua estruturação capte atores de diferentes naturezas para servir um propósito único – o bem comum. Falamos, portanto, de uma lógica que transcende a Rede Social, uma lógica de valor social gerado através da ação de múltiplos stakeholders (Estado, Instituições Sociais, Fornecedores, Utentes, Colaboradores, Financiadores e Sociedade) que se movem em torno de objetivos comuns.

Sendo a Pessoa o beneficiário último da ação social, é forçoso que as teias de relacionamentos criadas entre os diferentes agentes e a sua orientação estratégica se articulem mediante um sistema de eficiente colaboração e coordenação; esta relação facilitará, por um lado, o acesso das entidades envolvidas aos recursos e, por outro, possibilitará a repartição de custos, tempo e riscos. As redes surgem, por isso, como um elemento facilitador da transferência de informação e gerador de inovação, mediando as transações entre as organizações e as relações entre as pessoas e oferecendo um acesso diferenciado a determinados recursos.

A ideia de uma Economia Social conectada por meio de firmes relações de parceria não é utópica; representa a simples concretização da missão das instituições sociais e o culminar de um processo de envolvimento sério e comprometido de todos os stakeholders.

Todos os elos destas teias, porque servem as pessoas, devem sustentar a sua ação no estabelecimento de pontes, identificando necessidades, canalizando recursos, partilhando conhecimento, formulando estratégias e fomentando a geração de resultados coletivos. Desta dinâmica poderão resultar respostas sociais efetivamente inovadoras, assentes na concertação de esforços, e novos processos e capacidades centrados na partilha de experiências, propiciadores de um verdadeiro impacto social.

A focalização no utente representa um fator crítico para sucesso da estratégia das instituições sociais, devendo, por isso, fomentar-se o desenvolvimento de eficientes mecanismos de colaboração institucional que permitam um conhecimento profundo da realidade social dos territórios, das necessidades exatas de cada comunidade para que, a partir daí, os recursos e capacidades das organizações possam ser orientados tendo em vista a maximização do valor proporcionado. O levantamento de necessidades permanente, a aposta numa colaboração consistente e constante, a minimização dos custos de produção e a flexibilidade operacional devem ser sempre tidos em linha de conta na definição dos mecanismos de gestão utilizados.

“É necessário trabalhar de forma coletiva e juntar os atores no sentido de cooperarem e trabalharem em conjunto, indo ao encontro de um interesse comum. As decisões estratégicas das organizações não devem ser separadas do contexto das relações existentes, sendo que as organizações influenciam e são influenciadas não só pelas relações diretas que estabelecem com os seus stakeholders, mas pela rede em que estão inseridas”[1].

Da heterogeneidade singular aliada à concertação estratégica resultará a criatividade, a inovação e a efetiva promoção do desenvolvimento humano integral.


[1] SIMAENS, A., Estratégia nas Organizações Sem Fins Lucrativos – Estratégia Organizacional: do Mercado à Ética, pp. 201-240, Escolar Editora, 2012


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search