Categorias
ageing Development Empathy Family Intergenerational Solidarity Non classé

Ageing: a social challenge?

Envelhecimento: um desafio social?

O aumento da consciencialização de que, no mundo ocidental, existe um maior número de pessoas que vivem até mais tarde, mas que podem existir menos pessoas disponíveis para os cuidados necessários, tornou essencial considerar as atitudes e comportamentos quanto ao idadismo e à cooperação com a rede mais imediata.

Carlos Barros

A dificuldade de suporte a vários grupos etários tem aumentado, criando pressão sobre o que deve ser um suporte social e solidariedade eficazes – seja isto num nível estatal ou mais micro e informal, como é o caso do suporte familiar ou de amigos.

Considerando Portugal em foco de análise, o índice de envelhecimento – relação entre a população idosa e a população jovem – tem aumentando. O aumento da taxa cresce ano após ano, mas se considerarmos os dados após o início de século, em 2000, a mesma situava-se em 98,8%, no ano de 2010 passou para 121,6% e nos dados mais recentes, de 2021, aumentou para 182,7%[1].

Certo é que a longevidade da população também aumentou, incluindo esta variável no complexo cenário social. Se no início do século a taxa de longevidade era de 41,4%, passou para 48,8% na atualidade. Quer isto dizer que o número de pessoas com setenta e cinco ou mais anos, por cada cem pessoas com sessenta e cinco anos tem aumentado, tendo Portugal uma população mais envelhecida[2],[3].

Por outro lado, se verificarmos os dados fornecidos pela Pordata (2022), verificamos igualmente que o índice de dependência de jovens – relação entre a população jovem e a população em idade ativa – tem decrescido suavemente, importando reforçar a diminuição da natalidade. De 2010 com 22,9%, passamos para 20,2% em 2021.

Esta perceção mundial do aumento de longevidade/ esperança média de vida, diminuição de taxa de natalidade, número (natural) de pessoas dependentes e aumento de migrações com base em procura por estabilidade laboral, que pode ser condicionadora da constituição de qualquer forma familiar, tem preocupado os teóricos em temas de envelhecimento, bem-estar e relações intergeracionais[4].

Assim, mais que nunca, o estudo da solidariedade é de alta pertinência, não sendo alheio ao envelhecimento no mundo, no qual as pessoas vivem mais tempo e, por isso, é necessário considerar novas exigências de manutenção de saúde, acessibilidade, lazer ou mesmo de suporte económico.

Este é um desafio que praticamente todas as sociedades atuais estão a enfrentar. Tornou-se evidente que, à medida que a esperança de vida aumenta, o número de gerações que convivem dentro de cada família aumenta, enquanto o número de pessoas em cada geração decresce consistentemente[5]. O envelhecimento e a maior esperança de vida estão a transformar a estrutura de idade das sociedades de um triângulo para um retângulo. Esta transformação revela que a proporção de crianças, jovens, pessoas de meia-idade e idosos será rapidamente aproximadamente a mesma[6].

O aumento da consciencialização de que, no mundo ocidental, existe um maior número de pessoas que vivem até mais tarde, mas que podem existir menos pessoas disponíveis para os cuidados necessários, tornou essencial considerar as atitudes e comportamentos quanto ao idadismo e à cooperação com a rede mais imediata: a familiar[7].

Estas preocupações verificam-se na criação, estudo e aprofundamento do conceito e redes de solidariedade intergeracional. O número de desafios que requerem ajustamento aumenta nos grupos familiares e é necessário repensar os grupos sociais que podem estar em periferia, carecendo de iniciativas de assistência, cuidados e promoção humana em fases distintas. Destacaria, neste exercício de reflexão, os jovens adultos que procuram autonomia, dificultada pelas condições laborais precárias e, por outro lado, os idosos que tendem a envelhecer cada vez mais desamparadamente, fruto dos seus filhos/as e netos/as terem de emigrar ou viver em ritmo acelerado que impede prestar apoio em etapas vitais (e.g. transição para a reforma).

Em contexto familiar, a solidariedade intergeracional poderá traduzir-se numa eminente relação de empoderamento e sentimento de segurança e apoio, bem como em sentimento de segurança face a falhas de suporte estatal. A cooperação entre gerações torna-se culturalmente assimilada, capacitada pelos elementos em idade ativa e criam-se estreitas relações de entreajuda[8].

Alguma literatura[9] sugere que poder-se-á entender a família e as respetivas relações de solidariedade num quadro de resiliência individual ou de grupo focando em estruturas de:

  • Oportunidade, onde é importante pensarmos quais são os recursos e oportunidades disponíveis;
  • Necessidade, geralmente financeiras, ou de apoio funcional (e.g. casos de doença), ou ainda emocionais, onde se destaca a importância dos conselhos e da companhia como valores que promovem a manutenção ou tensão perante os elementos;
  • Tamanho e composição, podendo alterar as normas e papéis esperados por cada elemento que compõe o grupo familiar;
  • Culturais ou contextuais, que ditam de que modo a família se ajusta conforme o contexto de proteção ou exposição, nomeadamente políticas sociais para a família.

Assim, as estruturas familiares, na sua diversidade, podem representar um excelente apoio imediato para evitar situações de maior fragilidade, sendo suporte mútuo – descendente e ascendente.

Naturalmente, estas dinâmicas mudam consoante o país, a proximidade-distância dos elementos do grupo, mas podem ser vitais para maior conexão/ coesão e menor incerteza perante o presente/ futuro, não esquecendo a perceção de pertença que potencia o nosso bem-estar num caminho em direção à equidade.


[1] Pordata (2022). Indicadores de envelhecimento. [online] https://www.pordata.pt/Portugal/Indicadores+de+envelhecimento-526 [Accessed 14.07.2022].

[2] Pordata (2022). Indicadores de envelhecimento. [online] https://www.pordata.pt/Portugal/Indicadores+de+envelhecimento-526 [Accessed 14.07.2022].

[3] INE (2021). Projeções de População Residente em Portugal. [online] https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=406534255&DESTAQUESmodo=2&xlang=pt [Accessed 15.07.2022].

[4] Antonucci, T. C., Jackson, J. S., & Biggs, S. (2007). Intergenerational relations: Theory, research, and policy. Journal of Social Issues, 63(4), 679-693. https://doi.org/10.1111/j.1540-4560.2007.00530.x

[5] Antonucci, T. C., Jackson, J. S., & Biggs, S. (2007). Intergenerational relations: Theory, research, and policy. Journal of Social Issues, 63(4), 679-693. https://doi.org/10.1111/j.1540-4560.2007.00530.x

[6]  Bengston, V.L., Lowenstein, A., Putney, N.M. & Gans, D. (2003). Global aging and the challenge to families. In V. L. Bengston & A. Lowenstein. (Eds.). Global aging and challenges to families (pp. 1-24). Aldine de Gruyter.

[7] Albert, I., & Ferring, D. (2013). Grandparent-grandchild relations in a changing society: Different types and roles. In I. Albert & D. Ferring (Eds.). Intergenerational relations: European perspectives in family and society (pp. 147-165). Policy Press.

[8] Binstock, R. (2005). Old-age policies, politics, and ageism. Generations, 29(3), 73-78.

[9] Coimbra, S., Ribeiro, L., & Fontaine, A.M. (2013). Intergenerational solidarity in an ageing society: Sociodemographic determinants of intergenerational support to elderly parents. In I. Albert & D. Ferring (Eds.). Intergenerational relations: European perspectives on family and society (pp. 205- 222). The Policy Press.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Carlos Barros (15 de Julho de 2022). Ageing: a social challenge? Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkuw


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search