Categorias
Migration governance Migration studies Temporal turn Transnationalism

The Temporal Turn in Migration Studies

 


Esta minha quarta publicação no blogue examinará diferentes perspetivas sobre a chamada virada temporal (temporal turn) nos estudos sobre migrações, descrevendo as suas origens, principais características e protagonistas, juntamente com as principais tendências recentes registadas nas pesquisas que se focam no tempo e nas migrações.  

© Alexandra Pereira, CECC, UCP, 2022


* Tipo de Licença Creative Commons da Imagem de Capa:  


Segundo Melanie Griffiths (2022), os Estados governam por meio de racionalidades temporais: as políticas de imigração estão repletas de considerações temporais e o tempo produz estatutos. O tempo pode ser a cola que nos une ou pode tornar-se numa forma de exclusão. Enquanto técnica de poder que torna as pessoas transitórias, o tempo surge como opressivo, contraditório, incerto, não-confiável. Diferentes temporalidades podem estar relacionadas com o tempo escalonado, com o “tempo pegajoso” ou com a estase/o tempo estagnado. Há exatamente dez anos, Griffiths, Anderson e colaboradores organizaram em Oxford um Simpósio sobre os temas das migrações e do tempo. Dez anos depois, verificamos que houve uma explosão de pesquisas sobre essas questões e Griffiths (2022) enumera as principais áreas emergentes:

  • Velocidade/andamento;
  • Ritmos;
  • Transitoriedade & permanência;
  • Os tempos;
  • (A)sincronicidade.

Ela nota que poderíamos, no entanto, ter mais trabalhos sobre migração e velocidade (mudanças rápidas, velocidade(s) de deportação, etc.). Enquanto isso, trabalhos envolventes estão a surgir sobre temas como repetições e reversões (já que as trajetórias de migração raramente são lineares).

Carling (2022) examinou aquilo que legitima a virada temporal ou temporal turn, por comparação com outras supostas viradas nos estudos das migrações – como a virada cosmopolita (Nedelcu, 2010), a virada local (Scholten, 2020), a virada transnacional (Levitt & Nyberg Sørensen, 2004), a virada reflexiva (Amelina, 2021), a virada material (Wang, 2016) e algumas outras. O Gráfico n. 1 mostra a frequência com que surgiram termos relacionados com o tempo num conjunto de publicações, ao longo de um período de 20 anos (artigos publicados em 12 journals sobre migrações):

    Gráfico n. 1 – Frequência de termos relacionados com o tempo em publicações (títulos, sumários e palavras-chave de artigos em 12 journals sobre migrações); Fontes: Carling e PRIO, 2022; Web of Science; sliding averages

Podemos observar que, desde 2011, o número de termos relacionados com o tempo aumentou exponencialmente. Carling também cita os trabalhos seminais de Cwerner (2001), The Times of Migration e Griffiths, Rogers e Anderson (2013), Migration, Time and Temporalities: Review and Prospects para mostrar que 20 e 10 anos após as suas publicações, respetivamente, o número de trabalhos sobre migrações e tempo aumentou substancialmente. Além do tempo linear e dos tempos subjetivos, as obras também refletem sobre tempos diversos.

Brenda Yeoh (2022), da Universidade Nacional de Singapura, é outra autora e pesquisadora fundamental associada à virada temporal nos estudos sobre migrações. Esta autora analisou temas como as temporalidades das famílias transnacionais, o “fazer família em tempos de migração”, o cosmopolitismo e suas exclusões, as conexões do tempo com a noção de lugar e a construção da história, nostalgia e património, temporalidades do cuidado e política de género no Sudeste Asiático, ou regimes de migração temporária e sua sustentabilidade em tempos de Covid-19.

As noções de aprisionamento/entrapment e espera ganham destaque no estudo do tempo e das migrações. Sobre a noção de aprisionamento, Stefania Yapo (2022), da Universidade de Trento, afirma que a metáfora do aprisionamento ajuda-a a mitigar os pressupostos da abordagem normativa (cidadania/naturalização é o direito de ter direitos; inclusão formal equivale a inclusão substantiva em cidadania; a naturalização implica a aceitação das regras do jogo, refletindo assim um sistema inclusivo) e da virada da instrumentalidade (agenciamento estratégico/instrumental dos indivíduos na cidadania). De acordo com os entendimentos atuais, a naturalização termina o aprisionamento. Desfrutar da inclusão significa fazer parte do grupo privilegiado e sentir-se/atuar como privilegiado. Sobre a noção de espera, darei como exemplo o artigo “La Espera: The Embodiment of Waiting at the US-Mexico Border” (2022), de Veronica Montes (Bryn Mawr College, EUA) e Erica Busse (Macalester College, EUA). Estas autoras examinaram um grupo de mulheres imigrantes deportadas que, em 2014, fundaram a DREAMers Moms (DM) USA/Tijuana AC[1]. Elas investigaram as suas experiências pós-deportação, os efeitos do que chamam de corporificação da espera e como o tempo de espera impacta a relação dessas mulheres com os membros das suas famílias. As suas questões norteadoras foram: Como vivem as DM a sua experiência de espera? Como é o tempo de espera incorporado por elas e como é que isso muda ao longo do tempo? Quais são as diferentes formas de espera? Como é que o tempo de espera difere entre as DM e os seus familiares? Este artigo contribui, portanto, para aprofundar a nossa compreensão sobre a interseção entre migração, separação familiar, espera e subjetividade das migrantes.

Dois outros tópicos relevantes a ser considerados, ao estudarmos o tempo e as migrações, são:

– As Temporalidades e o Retorno (por exemplo, para os repatriados no Afeganistão, elas são muito genderizadas – Cf. Acik, Kakar, Kakar & Keles, 2022[2]). Uma “nova” área de pesquisa migratória está ligada, precisamente, às mobilidades de retorno genderizadas e às mobilidades de retorno da segunda geração (as chamadas “migrações de raízes”/”retorno ancestral”).

– As Cronopolíticas, ou as relações entre tempo e poder. Para Roza Tsagarousianou (2022), da Universidade de Westminster, encontramos frequentemente, nas vozes dos migrantes, uma cronopolítica diferente.

Simultaneamente, observamos que as perspetivas da Antropologia e da História são cada vez mais temporais e criticam a obsessão pelo Tempo Ocidental. Há também trabalhos interessantes a surgir sobre aceleração e estase. Vamos agora elaborar especificamente sobre: ​​1) as temporalidades do transnacionalismo; 2) as temporalidades da governança migratória; e 3) o futuro do tempo nos estudos sobre migrações.

 

       1. Temporalidades do Transnacionalismo

Özge Bilgili (2022)[3] é uma das autoras ligadas à virada transnacional nos estudos migratórios – esta autora analisou, por exemplo, a evolução das trajetórias migratórias e das redes sociais transnacionais ao longo do tempo (2021). De acordo com Thaseen Shams (2022), os migrantes vivem as suas vidas além das fronteiras nacionais – esta autora introduziu um novo modelo analítico no seu trabalho: o quadro relacional multicêntrico (com 3 pontos ou centros: Homeland, Hostland e Elsewhere). Ela examina como, porquê e onde as relações entre os centros se tornam salientes e de que forma Elsewhere vem a ser. Os contextos moldam as imagens da Homeland ao longo do tempo e a noção de diáspora mostra como os membros de uma população dispersa estão conectados à sua Homeland e a outros lugares mas, por vezes, negligencia o seu contexto recetor. Shams descobriu que a forma como os seus participantes se autoidentificam NÃO afeta o modo como eles são percebidos na Hostland. Thomas Lacroix (2022)[4] examinou memórias exílicas: entre nostalgia e trauma (nomeadamente em Judeus Asquenazes e Judeus Sefarditas). As memórias diaspóricas estavam ligadas à construção da comunidade por meio dos movimentos sociais. Mas qual é o tecido cosmopolita de comunidades transnacionais de circunstâncias? Quais são as atuais mobilizações sociais que estão a forjar-se, neste momento? Esses grupos são muito mais heterogéneos do que nas gerações precedentes (e incluem tanto migrantes quanto não migrantes – há mobilizações muito mais amplas, há uma consciência cosmopolita). Mas irão eles forjar comunidades transnacionais? Lacroix duvida. Ao abordar as diásporas, não apenas o local de partida é importante, outros lugares possuem significados específicos para determinadas populações (e.g. Montecasino; ou lugares específicos, como antigas plantações para a diáspora Black American do Atlântico, entre outros: esses são lugares de memória/lieux de memoire).

Para Maggi Leung (2022), o transnacionalismo está ligado às noções de timescapes, aos padrões de tempo, sequências, temporalidades e, em geral, a todas as temporalidades que vão além da simultaneidade. Esta autora realizou muitas pesquisas sobre a mudança dos chamados “chineses étnicos” para países como França e Alemanha – e ela coloca um certo número de questões relacionadas com a posicionalidade. A premissa é lançar luz sobre a associação inelutável que existe entre tempo e transnacionalismo. “Quais são os papéis multifacetados, concetuais e metodológicos do tempo na pesquisa do transnacionalismo?” – segundo ela, os pesquisadores buscam descobrir de que forma o tempo moldou o pensamento transnacional no passado e estabelecer uma agenda que incorpore sistematicamente a abordagem temporal, para aumentar os seus contributos para a investigação.

 

       2. Temporalidades da Governança Migratória

Saharoui (2022) examinou os casos de Melilla and Mayotte e de que modo os trabalhadores da saúde se depararam com a gestão biopolítica da mobilidade nesses lugares. As vidas dos migrantes estudados encontravam-se em stand-by: Saharoui encontrou mulheres migrantes despossuídas do controle sobre as suas próprias vidas, fundamentalmente limitadas na capacidade de levar uma vida significativa, segundo os seus próprios termos. A gestão do tempo dos migrantes constitui, assim, uma ferramenta e uma forma de microgerir a vida dos migrantes em determinados locais. A incerteza quanto à duração das estadias nos centros é fundamental para os sentimentos de preocupação sentidos pelos migrantes. As mulheres grávidas tiveram que esperar em Melilla até depois do parto (e.g. por 40 dias); a maioria delas ficou com uma sensação de arbitrariedade. O papel dos trabalhadores da ajuda humanitária foi central. Em Mayotte, uma percentagem significativa da população é removida/deportada à força, a cada ano: deportações rápidas, massivas e contínuas (esta autora analisou o papel das parteiras nesse lugar). O professor Loren Landau (2022)[5] menciona que, quando começamos a olhar de perto as formas de governar a mobilidade na Europa, manter as pessoas em tempos diferentes é fundamental para mantê-las separadas e isoladas, mesmo que elas compartilhem literalmente o mesmo espaço físico. Ele examina a ressignificação do desenvolvimento e a ideia de progresso: essa velha ideia colonial, racial, problemática – um projeto espacio-temporal segundo o qual os africanos precisariam de “ser arrastados para o futuro, para progredirem”. Mas agora ouvimos que há um futuro para os europeus e outro futuro diferente para os africanos (futuros diferentes, tempos distintos): uma espécie de novo projeto imperial, para disciplinar os africanos e fazê-los “ser o melhor que puderem ser” (“o seu futuro está aqui em África, se você vier para a Europa, o seu futuro não será bom”). Ou seja, tenta-se “impedir que os africanos façam algo que os prejudique, antes que eles próprios o façam”, existem formas de intervenção que realmente tentam controlar as pessoas. Na África do Sul, a violência contra os migrantes está a tornar-se numa parte crucial da governança da mobilidade – qual é o papel do tempo nisso? Por exemplo, enquanto vemos que um migrante de Moçambique pode distanciar-se social e temporalmente (autoalienando-se) dos sul-africanos, também vemos que essas fronteiras ocorrem entre os sul-africanos: eles acham que os estrangeiros se tornaram num problema para o progresso, para o desenvolvimento, então o futuro está a perder-se (um futuro prometido que “não vamos conseguir e isso ocorre por causa dos migrantes” – mesmo que eles compartilhem o mesmo espaço, esses limites impedem-nos de compartilhar o tempo). Em nota lateral, Landau refere que tendemos sempre a ver pessoas xenófobas como retrógradas mas, na verdade, é com o futuro que elas estão preocupadas. A temporalidade submerge as nossas conceções de direitos, solidariedade, justiça, etc. – isso levanta preocupações sobre a governança temporal e a ética da acomodação. Temos que começar com a definição de governança. Olhando além de escalas e espaços específicos e modos de regulação em determinados lugares. Talvez não haja uma definição universal de governança. É muito útil pensar sobre o futuro das pessoas e o que elas esperam que venha aí para elas, as trajetórias em que se imaginam, se veem o Outro como atrapalhando ou ajudando o seu próprio caminho. Vale a pena debater a ética dos diferentes futuros. Temos de ser cautelosos com as pessoas que dizem que o futuro de um povo deve ser desvinculado do futuro de outro povo, mas devemos em simultâneo encorajar o debate.

Leila Abdou (2022) pensa que no tempo e na governança migratória tudo muda, mas tudo continua igual: há um arrendamento feito ao Estado. Várias crises migratórias abriram novas oportunidades e desafios, estabeleceram-se como conjunturas críticas (e.g. Lampedusa) à medida que novos atores surgiram, defendendo abordagens de não-dissuasão. Em relação às tendências do status quo, esta autora pergunta: “faz sentido continuar com a abordagem da dissuasão?”. Há evidências de que ela faz ricochete (e dos seus efeitos). A abordagem da dissuasão foi estabelecida há mais de 30 anos e continua a ser central na ação da UE. Precisamos entender as suposições predominantes (e como elas se formam) para compreendermos as políticas e os formuladores de políticas; a migração é um domínio muito turbulento: as coisas mudam e acontecem rapidamente. A resposta aos refugiados Ucranianos surge como uma bifurcação. Para esta autora, a governança compreende instituições, regulamentos e atores. A sua abordagem é bastante centrada no ator: ela procura compreender de que forma os próprios atores criam os problemas que regulam. Atualmente pensamos em sistemas de governança e há outra bifurcação: campo académico vs. formulação de políticas. Existe uma tendência a discutir a governança migratória em termos tecnocráticos e a descrevê-la como preocupada com a promoção do bem-estar para todos os atores, migrantes e nativos, recetores, remetentes e estados de trânsito dos migrantes. Contribuições recentes questionam essa perspetiva tecnocrática, interrogam dinâmicas políticas, assimetrias de poder na governança da migração e exploram as suas temporalidades e efeitos. Abdou destaca as principais tendências e dinâmicas na governança migratória: explorar as mudanças na politização da migração ao longo do tempo que vêm moldando a governança migratória; identificar técnicas visando a dissuasão da migração por meio de governança temporal e moralização; examinar os acordos migratórios atuais e recentes quanto às suas assimetrias de poder e aos seus efeitos; ou interrogar de que modo as temporalidades da governança migratória são genderizadas.

 

       3. O Futuro do Tempo nos Estudos Sobre Migrações

Segundo Russell King (2022), da Universidade de Sussex, o tempo sempre fez parte do estudo das migrações. E ele também sempre fez parte desde o início da Rede IMISCOE[6], inserido na linha de pesquisa do Cluster C7, liderada por ele-mesmo. King aponta quatro raízes teóricas fundamentais que deveremos considerar ao abordar o tempo e as migrações: a geografia do tempo de Tornsten Hägerstrand; a hipótese da transição para a mobilidade de Wilbur Zelinsky; a ritmanálise de Henry Lefèbvre; e The Times of Migration (2001), de Saulo B. Cwerner, talvez o artigo mais importante já escrito sobre tempo e migrações. Este autor refere que o tempo é multiescalar em dois sentidos: a duração da temporalidade e a escala de influência. Ele prossegue com uma tipologia de tempo que afeta a mobilidade/migração: tempo cronológico linear; tempo biográfico (e tempo geracional); tempo estrutural (e.g. as reflexões de Fielding sobre o tempo estrutural, Universidade de Sussex); e eventos imprevisíveis. King menciona então a importância dos cronotopos migratórios (com base nos estudos de Mikhail Bathkin sobre o cronotopo) e questiona: “A virada temporal nos estudos migratórios implica uma atenção renovada ao topos (topoi) da migração/(im)mobilidade?”. A resposta é sim: ela exige atenção ao espaço, lugar, distância, rotas, limites, imaginários espaciais… assim como ao tempo reespacializante na migração. A propósito, Karimzad e Catedral (2021) escreveram um novo livro, precisamente intitulado Cronotopos e Migração. Por fim, King (2022) menciona uma coisa que o surpreende: a ausência de mais historiadores nos debates sobre tempo e migrações (o engajamento deles tem sido muito pequeno – o que têm eles a dizer sobre tempo e migração?). E indaga-se, ainda, sobre a “contrapontualidade”, já que escreveu um artigo com dois colegas sobre dois fluxos migratórios paralelos: poderiam eles ser vistos, então, como movimentos contrapontísticos?

Parvati Raghuram (2022), da Open University, aponta o leque muito diferente de metodologias utilizadas nos estudos sobre tempo e migrações, desde big data até aos tempos biográficos dos investigadores. Num artigo sobre história oral, Raghuram sugeriu 3 ordens de tempo: biografia (um ato de composição ao longo do tempo); descobrir quais são as categorias por meio das quais os sujeitos analisam o seu tempo (os tempos estrutural e biográfico, dos quais fala Russell, de fato misturam-se na narrativa dos indivíduos); e o tempo da história. Ela acredita que é importante pensar “Como trabalho eu com o tempo?”. Aqui, surge a ideia de “leitura contrapontística” (que é emprestada da leitura musical), ou seja, a capacidade de combinar a leitura de diferentes linhas. Algumas questões concetuais são: pensar “o que ocorre com o tempo e através do tempo”; o tempo também é “usado e esgotado”; “tempo e heranças” (ou seja, questões de poder: como pensamos um passado que nos precede e um futuro que nos ultrapassa? – para citar Heidegger); também é importante pensar nos espaços-tempos das categorias em torno da migração. O que deixamos nós para trás, então? Segundo Raghuram, deixamos a política e a ética da pesquisa que fazemos, ou seja, a produção de mudanças por meio da investigação e a contribuição para um mundo melhor. Em trabalhos recentes, a ideia de crise é abundante (o residual, o reemergente, as ameaças), mas poderemos conectar-nos ao longo desses futuros na nossa pesquisa. Ela então dá como exemplos Saïd, Jane Eyre, de C. Brontë, ou o livro Mansfield Park, de Jane Austen (pergunta: “e se ouvíssemos aquilo a partir das colónias e não das salas de leitura em Inglaterra?”). Esse conceito de contrapontualidade emprestado da música permite-nos comparar lugares diferentes (para Raghuram, esses outros lugares geralmente são a Índia), pensar em recompor-se (quando se perguntam as experiências e expectativas a um indivíduo – e.g. num questionário), questionar a relação entre tempo e dinheiro e urgência na pesquisa (e.g. durante a pandemia Covid-19 tivemos, por vezes, de parar tudo e apenas alimentar as pessoas). E os livros escolares que os pesquisadores deixam para trás estarão lá por muito tempo igualmente…

Valentina Mazzucato (2022), da Universidade de Maastricht, refere que a maioria dos trabalhos sobre tempo e migrações mencionam: o tempo como recurso escasso, a fragmentação do tempo, a espera, a liminaridade, o prolongamento do tempo, entre outros tópicos. Mas o que é que a virada temporal está a fazer, que nós não estivéssemos a fazer antes? Segundo ela, o tempo pode ser fragmentado em diferentes tópicos e isso ajuda-nos a focar. Uma das áreas em que poderíamos investir mais é essa de “trazer o passado para o presente”. Enquanto há muitos trabalhos sobre a espera… deveríamos também indagar como essa espera se relaciona com a experiência de espera dos migrantes nos seus países de origem. E como é que isso se relaciona com a espera, uma vez que eles estão em movimento? Uma outra área interessante de investigação está ligada à noção de “tempo social”: olhar para a situação social do tempo (e.g. ser parado na fronteira significa ver quebrada a sua ideia de tempo cíclico). Em segundo lugar, “como é que nós, pesquisadores, estamos situados no tempo?”. Dependendo de onde estamos nos nossos ciclos de vida, faremos perguntas muito diferentes, veremos e envolver-nos-emos com os entrevistados de maneiras distintas… Que noções de tempo carregamos connosco? Isso afeta as questões, conceitos, metodologias e categorias que usamos quando estudamos migrações? Porque as categorias carregam em si uma noção de tempo. Estudar migrantes é congelar o tempo. Falar sobre “primeira e segunda gerações” carrega, dentro de si, ideias implícitas sobre o tempo linear. O que é que essas categorias não nos permitem ver? Em terceiro lugar, o tempo tem sido analisado no contexto da Antropologia há muitas décadas. Há necessidade de examinar as conceções socioespaciais básicas através das quais o tempo é construído. Em quarto lugar, a ideia crucial do “tempo para a pesquisa”: temos cada vez menos tempo para a pesquisa e isso tem reflexos no tipo de trabalho que produzimos (ou segundo Bakhtin: “uma história precisa de um começo e de um fim”). Entrevistamos as pessoas e focamo-nos naquilo que elas dizem, contudo precisamos de métodos mistos, especialmente usando a observação e indo além daquilo que os indivíduos dizem (as suas narrativas trazem um tempo linear que pode não estar lá) – ora, tudo isso leva tempo.

Pawel Kaczmarczyk (2022), da Universidade de Varsóvia, pergunta em primeiro lugar: por que razão devemos falar sobre a virada temporal/por que é que ela é especial? Ele sublinha que tempo e espaço são os principais critérios para traçar a linha de demarcação entre mobilidade e imobilidade (como os geógrafos vêm dizendo há décadas). As complexidades de tempos e temporalidades foram analisadas a partir das décadas de ‘50 e ‘60. Talvez não seja uma virada então, mas sim um retorno. Este autor esboça ainda duas vertentes: 1. A perspetiva sectorial (há alguns setores onde as temporalidades são extremamente importantes, como o trabalho doméstico e de assistência ou a agricultura, com ritmos da natureza e dos mercados, liminaridade e tempos envolvidos); não esqueçamos que a migração temporal também pode trazer algumas vantagens e oportunidades (não apenas riscos e ameaças); 2. As novas tecnologias (as novas mídias aumentam a nossa capacidade de capturar a complexidade da migração e em tempo real; portanto, temos que entregar soluções éticas para lidar com a securitização preventiva). Kaczmarczyk termina com a sua própria grande surpresa: durante a última Conferência Anual do IMISCOE foram realizadas 52 sessões sobre tempo e temporalidades; no entanto, apenas alguns artigos foram apresentados sobre a situação recente na Ucrânia (é claro que ela apresenta desafios éticos e metodológicos específicos, é um processo em formação). No entanto, pergunta: qual deverá ser a resposta da comunidade que investiga migrações no mundo? (há cruzamentos com temporalidades em termos de velocidade, refugiados, etc.). Ele menciona que existe alguma complementaridade entre todos os pontos de vista sobre migrações e tempo apresentados, mas verifica-se agora uma enorme pressão para produzir investigação sobre pessoas deslocadas em relação com o conflito na Ucrânia. Marta Erdal (2022), do PRIO – Peace Research Institute Oslo, reflete sobre quem está a contribuir para estas conversas sobre tempo e migrações e onde/como? A IMISCOE viajou no tempo e no espaço dentro da sua própria rede. Ela distingue “tempo de pesquisa” de “tempo para pesquisa”; faz uma reflexão sobre a nossa própria posicionalidade e como ela interage com os tempos abordados; e indaga ainda sobre o lugar e o tempo (cronotopo). Por fim, Jean-Michel Lafleur (2022), da Universidade de Liège, aponta algumas possíveis interseções da virada temporal nos estudos sobre migrações com futuros temas em conferências: como migrações e legados pós-coloniais, ou mesmo migrações e desigualdades.

 

Aqui fica um paper que eu apresentei durante a Conferência Anual do IMISCOE 2022, em Oslo: Time as Tool in Migration Governance: Temporalities, Uncertainties, Othering Processes, Protection and Oppression

 


[1] Entre 2003 e 2013, um número estimado de 4.2 milhões de pessoas foram removidas dos Estados Unidos. Apesar de a percentagem de mulheres imigrantes deportadas durante esse período não estar disponível publicamente, um Freedom of Information Act requerido revelou que os Estados Unidos removeram 24,870 mulheres em 2013. Outro relatório mostra que mais de 20,000 mulheres são retiradas do país anualmente. Muitas dessas mulheres são mães que deixam as suas crianças para trás nos Estados Unidos.

[2] Middlesex University London e Women for Peace and Participation, UK/Afghanistan.

[3] MITRA IMISCOE/Universidade de Utrecth – European Research Centre on Migration and Ethnic Relations.

[4] SciencesPo/CNRS.

[5] Professor de Migration and Development na Universidade de Oxford, Research Professor no African Centre for Migration & Society da Universidade de Witwatersrand e co-director do Wits-Oxford Mobility Governance Lab (MGL).

[6] A IMISCOE (International Migration Research Network) é a maior rede de pesquisa interdisciplinar da Europa na área de estudos sobre migrações, integração e diversidade.



Citar este post
Alexandra Pereira (2022, 25 Julho). The Temporal Turn in Migration Studies. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 25 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkuy

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search