Categorias
Non classé

The active principle of the Ugly

O Princípio ativo do Feio

O Feio não é um “Ser”. O Feio é um “Devir”. A sua condição não é estática. Vive num espectro axiológico relativo, entrópico e nunca definitivo. É uma negação, o princípio ativo da negação.

Encontrar um recorte de Feio implica reconhecer dimensões da realidade que nos afastam de uma promessa de felicidade [1] e sobre as quais o processo de tornar algo invisível surge como a resposta possível a esse confronto. Encontramos na evitação desse recorte de feio um subterfugio à condição da sua presença, que individual ou institucionalmente, se opta por omitir e relegar para uma esfera de não-verdade.

O simulacro de ordem operacional de fenómenos que parecem agredir o olhar e o sentir, é uma solução que permite a aparência sem a realidade, a representação imagética à qual podemos atentar ou não, implodindo a carga da experiência sensível e ética. Mas, apesar da trivialização do Feio através de mecanismos informativos contemporâneos de simulacro [2], à cópia imperfeita manipulada, pode sempre sobrevir o fantasma que regressa para provocar o observador e emancipar o seu olhar, levantando o véu da superficialidade.

Neste processo de encontrar o Feio, quase sempre oculto sob camuflagens que o empurram para as periferias para uma nebulosa consciência coletiva, só o olhar em processo contínuo de emancipação alimentado pela reflexão permite detetar o logro do seu simulacro. Num encontro promovido pela ciência e pela arte, cada um se pode tornar antropólogo dos fenómenos de Feio que escolhe e insiste em trazer das periferias para o centro, para o palco que se resgata das margens. O olhar antropológico é sem dúvida, um olhar que se emancipa e pode emancipar, na forma como se pode conectar a memórias individuais e coletivas, e na prática de apropriação (ideológica, política, epistemológica e ontológica) que prepara o terreno recíproco para dar a conhecer o Outro ao Outro. No fazer antropológico de desbanaliza, o desenho etnográfico fornece um aporte valioso como “ferramenta” atenta e subjetiva e interface de apropriação [3] enquanto base de pesquisa fenomenológica. Nesta perspetiva, o desenho etnográfico na Antropologia Visual situa-se para além do produto gráfico alcançado, é sobretudo construído numa progressão fluida para uma visão de um Elogio do Feio [4], que exalta, emociona e desconcerta.

Numa negociação entre as visões externas e internas, contraria quer as ferramentas gráficas estereotipadas, quer as camadas percetivas contaminadas e preconcebidas dos enquadramentos que procura, tornando visíveis os silêncios e invisibilidades do universo etnografado [5].

Berger reafirma a centralidade do sujeito e da sua singularidade na produção do desenho de observação: uma árvore desenhada não é uma árvore, mas uma “árvore desenhada por alguém” [6]. O regate do desenho no fazer antropológico torna-se uma via ampliada do ver, do sentir da ubíqua fealdade e uma forma de registo que se afasta do olhar mecanizado da objetiva. A sua temporalidade (do registo gráfico) instiga o desenhador a investigar e dissecar tanto os aspetos tornados visíveis pela luz, como a desvendar os lugares ocultos na sombra projetada. É um tempo de reflexão que remete para a velha antropologia, mas que falta à antropologia visual contemporânea, à época do disparo, da mensagem síncrona e fugaz.


[1] Nehamas, A. (2007). Only a Promise of Happiness: The Place of Beauty in a World of Art. Princeton University Press.

[2] Baudrillard, J. (1991). Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio D’água. pp. 151–158.

[3] Malysse, S. (2006). Entre Arte e Antropologia: diálogos e apropriações. Schneider Arnd and Wright Christopher (Eds). Contemporary Art and Anthropology, Berg, Oxford, NY.

[4] Calheiros, L. (2018) Elogio do Feio na Arte, A fealdade artística da Antiguidade ao Século XX Edições Esgotadas. isbn: 9789898911032.

[5] Kuschnir, K. (2016). Antropologia e desenho. Editorial A antropologia pelo desenho: experiências visuais e etnográficas, 5(2) p. 5-13 https://doi.org/10.4000/cadernosaa.1095.

[6] Berger, J. (2005). Berger on Drawing. Jim Savage (ed.) Aghabullogue: Occasional Press.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Filipa Machado Rodrigues (16 de Junho de 2022). The active principle of the Ugly. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkus


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search