Categorias
diversity journalism Media Migrants

We need to hear the migrants’ voices

Precisamos ouvir as vozes dos migrantes

Embora haja um número razoável de notícias sobre migrações, quase não vemos imigrantes, refugiados e requerentes de asilo serem citados nos jornais. Sem realmente ouvi-los, não é possível conhecer sua perspetiva.

Ester Minga

No início de maio, assisti à peça Une Histoire Bizarre, dirigida por Sebastião Martins e produzida pela Associação Juvenil Ponte (com o apoio do Alto Comissariado para as Migrações; da Câmara Municipal de Lisboa; e do Fundo de Asilo, Migração e Integração; entre outros). A peça foi inspirada numa mulher congolesa que disse a seguinte frase a Martins, enquanto ele trabalhava como médico num campo de refugiados na Grécia: “Je vais te raconter une Histoire Bizarre”. A história bizarra era a história da sua vida. As histórias de catorze imigrantes e refugiados de distintas origens vivendo em Portugal são poderosas per se, pois dizem respeito a lutas pelo direito a uma vida plena, uma vida em que cada um possa buscar o seu desenvolvimento integral sem constrangimentos. O mais inspirador em Une Histoire Bizarre é que essas catorze pessoas migrantes são os atores das suas próprias histórias…, é a eles que o público vê em palco. Após alguns workshops e ensaios, necessários para a formação em técnicas teatrais e a promoção de um sentido de grupo, os migrantes estavam aptos a partilhar as suas tocantes histórias com o público português[1].

A peça fez-me pensar sobre o estado do jornalismo português no que toca às questões de diversidade cultural, imigração e refugiados. Como várias pesquisas recentes identificaram, há uma sub-representação de imigrantes, refugiados e requerentes de asilo nos media, em que prevalece a ausência da sua própria voz como atores e fontes de notícias [2]. Embora este estado de coisas não seja uma prerrogativa portuguesa, uma vez que também é identificado nos media de outros países europeus. Como Susanne Fengler e Marcus Kreutler[3] demonstram, migrantes e refugiados não estão apenas sub-representados na cobertura dos media europeus. Eles também são comumente descritos como grandes grupos e não como indivíduos, e dificilmente são citados nas peças noticiosas.

Apesar de Portugal receber um grande afluxo de imigrantes há mais de três décadas (todavia, abaixo da média europeia), os media portugueses costumam espelhar os debates europeus sobre as migrações e reportar principalmente sobre imigrantes e refugiados do Médio Oriente[4]. Assim, não é surpreendente que no último relatório sobre Portugal do Media Pluralism Monitor, o indicador de Inclusão Social apresente um risco médio (56%) e o subindicador “Acesso aos media para minorias” um risco elevado (67%)[5]. De acordo com a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), cidadãos estrangeiros, refugiados e membros da etnia cigana apareceram em cerca de 4% das peças televisivas entre 2018 e 2019, e imigrantes e refugiados foram representados sobretudo em situações adversas envolvendo pobreza, criminalidade ou vitimização[6].

Voltando à peça mencionada no início deste artigo, em princípio estive inclinada a supor que os atores se apresentariam como vítimas e interpretariam suas vidas como uma trajetória toda adversa, mas não é isso que acontece em Une Histoire Bizarre. Sim, o público fica a conhecer os riscos de morte enfrentados pelos imigrantes e refugiados, as suas lutas e dificuldades quotidianas em Portugal; mas também conhecemos, por exemplo, a comovente história de Huwaida Sorag, uma mulher de 51 anos que já discursou nas Nações Unidas e teve que fugir do Sudão devido a sua luta pelo acesso à educação para meninas e mulheres. Também conhecemos Lana Alqarnwi, uma jornalista iraquiana de 34 anos que foi ameaçada depois de escrever sobre os direitos das mulheres nos jornais do país.

No ocidente somos tão arrogantemente acostumados a ver mulheres muçulmanas como vítimas incapazes de falar por si mesmas[7], que é uma bem-vinda surpresa ver uma mulher de véu defender firmemente a si e às suas filhas. As histórias de Huwaida, Lana e dos outros mostram-nos que os imigrantes e refugiados podem contribuir para o desenvolvimento de Portugal e não apenas num sentido económico. Os exemplos e a experiência das mulheres citadas podem ser muito úteis num país com altas taxas de femicídio[8].

No entanto, o público português precisa ouvir as vozes dos imigrantes e refugiados, conhecer as suas trajetórias, experiências e dificuldades enfrentadas no país. O jornalismo é um meio fundamental para isso, porém ainda não temos (apesar de algumas nobres exceções) uma cultura jornalística empenhada em dar visibilidade a todos os membros da sociedade, mesmo àqueles que habitam as suas margens.


[1] Para saber mais sobre Une Histoire Bizarre e futuras apresentações, consulte o site oficial: https://www.unehistoirebizarre.pt/

[2] Silva, M. T. (2019). Fact sheet Portugal Report on media and migration. COMMIT for the EU project New Neighbours. 

[3] Fengler, S. & Kreutler, M. (2020). Migration coverage in Europe’s media. A comparative analysis of coverage in 17 countries (OBS Working Paper 39). Frankfurt/Main: Otto Brenner Stiftung.

[4] Devido ao passado colonial, as comunidades migrantes oriundas das antigas colónias portuguesas (sobretudo Brasil, Cabo Verde, Angola, Moçambique e Guiné-Bissau) correspondem a maior comunidade estrangeira em Portugal.

[5] Coordenado pelo Center for Media Pluralism and Media Freedom, o Media Pluralism Monitor 2021 corresponde a um esforço científico no sentido de documentar a qualidade dos ecossistemas mediáticos europeus. O relatório de Portugal está disponível em: https://cadmus.eui.eu/bitstream/handle/1814/71958/portugal_results_mpm_2021_cmpf.pdf?sequence=1&isAllowed=y

[6] ERC (2021). A Diversidade Sociocultural nos Media 2018-2019. Lisboa: ERC.

[7] A artista britânica e muçulmana Shaista Chishty criou a revista “The Daily Veil” (pastiche irónico do tablóide Daily Mail) para demostrar a hipocrisia dessa postura: https://www.youtube.com/watch?v=x3HcxeoupvM&t=2s

[8] Houve 21 femicídios em Portugal só em 2021. https://expresso.pt/sociedade/2021-11-25-A-violencia-domestica-e-uma-pandemia-permanente-e-brutal-este-ano-ja-morreram-14 -mulheres-e-estas-sao-as-historias-de-cada-uma-delas-44b2b9a2



Citar este post
Ester Minga (2022, 10 Junho). We need to hear the migrants’ voices. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 25 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/nkur

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search