Categorias
Development diversity Empathy Empatia Integral Human Development Non classé

Shall we reflect on empathy?

The important thing is to think and feel with those sharing their time, experience and narratives with us.
This openness to others’ emotions can also bring us discomfort, but they challenge our construction and learning

Vamos refletir sobre a empatia?

O importante é pensar e sentir com quem está a partilhar connosco o seu tempo, experiência e narrativas. Esta abertura para as emoções dos outros também nos pode trazer dissabores, mas que são um desafio à nossa construção e aprendizagem.

Carlos Barros

Quando se trabalha com populações socialmente mais vulneráveis, seja no contexto de investigação académica ou na intervenção comunitária é necessário, desde logo, adquirir um conjunto de competências sociais. Podemos prestar melhor suporte e, simultaneamente, também estarmos atentos ao nosso bem-estar.

Esta forma, em sinergia, de nos vermos (eu-profissional; eu-pessoa) em interação com os outros é condição primordial para que tenhamos foco nas reais necessidades do nosso “todo percetível”. Na minha perspetiva e experiência, o que temos a desenvolver desde logo para esta longa caminhada é a empatia.

A empatia é condição essencial para estabelecer conexão – o que se torna importante para quem tenta trabalhar para que as relações possam ter maior bem-estar – que é o objetivo dos vários intervenientes em Desenvolvimento Humano Integral.

Assim, depois de adaptação de um instrumento de recolha de dados para o meu projeto de pós-doutoramento, notei uma parte curiosa deste processo, o que me traz a esta reflexão.

Um dos passos desta adaptação era a entrevistas a especialistas – que tinham como tarefa refletir em voz alta sobre a conexão entre os seus trabalhos, a sua aprendizagem, os dados de leituras e eventuais necessidades para maior bem-estar intra e interpessoal com temas de resiliência em famílias transnacionais.

Os/as participantes eram de áreas diferentes entre si: i) migrações, ii) cognição social, iii) estudos em famílias, iv) estudos de género e literacia digital, v) intervenção com comunidade (e)migrante, vi) equilíbrio vida pessoal-laboral; vii) ética; viii) resiliência e bem-estar. Embora com backgrounds diferentes, os/as especialistas deixavam sempre no ar uma atmosfera de partilha, não codificável em palavras no software de análise, mas percetível como uma necessidade de “calçar os sapatos do Outro/a”, de ver além do óbvio.

Este além do óbvio significa termos capacidade de perspetiva: a nossa não é mais válida do que a de quem está a transmitir-nos algo; temos de aceitar e reconhecer as emoções, vivências e expectativas dos outros sem julgar, sem deixar que o nosso quadro pessoal de valores e normas interfiram no que estamos a ouvir, trabalhar e intervir.

O modo de começar, talvez seja termos escuta ativa – sabermos que mais importante do que qualquer julgamento é sempre haver “ouvidos bem atentos” para aquela realidade que pode ser mais próxima ou distante do que defendemos. O importante é pensar e sentir com quem está a partilhar connosco o seu tempo, experiência e narrativas.

Esta abertura para as emoções dos outros também nos pode trazer dissabores, mas que são um desafio à nossa construção e aprendizagem. Ainda há pouco tempo, numa formação sobre bem-estar, uma professora partilhava connosco “quantos de nós já não ouviram: nem partilhes coisas que me deixem desconfortável. Fico submerso/a no problema e não consigo sair”, mas quando estávamos a acenar que sim, a mesma disse: “bem, não é fácil, mas temos uma ferramenta super eficaz: a compaixão”.

De facto, a compaixão, é algo que devemos almejar no nosso eu-profissional e nosso eu-pessoal: quando estamos com uma pessoa que partilha algo que a deixa em sofrimento, podemos ajudar, encaminhar, seja qual for a forma de redução da dor do Outro/a, mas importa estabelecer limites entre o que pertence ao Eu e ao Outro para que não nos afoguemos no problema. Metaforicamente, quando queremos tirar alguém que está aflito numa piscina, temos de conseguir nadar e puxar a pessoa para fora sem irmos os dois ao fundo.

Assim, é importante estabelecer empatia, mas sabendo que a compaixão é uma ferramenta para nos mantermos à tona. Também, termos consciência que na vulnerabilidade há sempre espaço à coragem. Para que possa haver coragem, temos de estar em situação de incerteza e risco que nos faz ter de alterar – seja a nós, o contexto ou tudo. Ou seja: a linha ténue em que arriscamos, mesmo a medo, ver além.

Todos nós já estivemos em vulnerabilidade e é, de facto, um importante passo para a coragem. É quando podemos sair do espaço desconfortável e tomar decisões, que nos trazem para um mundo novo de opções. Não haverá sempre só emoções positivas, também algumas negativas, mas o sentimento de concretização e pertença fará toda a diferença ao longo das distintas fases da vida.

E é assim que podemos mudar vidas (inclusive a nossa), ao vermos o mundo empaticamente, estabelecer conexão com compaixão e, sobretudo, gratidão para com quem é corajoso para resolver os seus desafios com a nossa participação. É nesta dinâmica que reside a aprendizagem ao longo da vida, em que estamos todos conectados.

Como sugestão, veja esta curta animação de um excerto de um discurso da Dra. Brené Brown


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Carlos Barros (2 de Junho de 2022). Shall we reflect on empathy? Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/nkuq


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search