Categorias
Integral Human Development

Consumo mediático e envelhecimento

Segundo relatório produzido pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) em 2015 (disponível em: https://www.erc.pt/pt/estudos/consumos-de-media/estudo-publicos-e-consumos-de-media-/), entre os/as portugueses/as com 55 anos ou mais, 68% tinham interesse em notícias sobre Portugal e 79% estavam interessados/as em notícias em geral. Ainda de acordo com este documento, os públicos referidos como mais idosos, ou seja, com 65 anos ou mais, têm contato habitualmente com o noticiário à hora do almoço.

Estas são as poucas informações encontradas sobre os hábitos de consumo mediático da população de mais idade em Portugal que constam no documento. Além de escassos, os dados não se mostram capazes de dar a conhecer a diversidade subjacente às práticas sociais que envolvem a interpretação dos discursos mediáticos por parte das pessoas envelhecidas e que acarretam leituras situadas e polissêmicas.

Ao percorrer as diferentes vilas e aldeias do concelho da Covilhã para aplicação do questionário para caracterização do consumo mediático da população idosa da região, tenho encontrado diversidade de vivências que demonstram a necessidade de olhar para o envelhecimento além dos estereótipos e preconceitos de idade.

Entre os dados preliminares obtidos a partir dos 189 questionários já aplicados, mais de 30% das pessoas inquiridas leem jornais e revistas diariamente, cerca de 60% ouvem rádio, 97% assistem televisão e, deste grupo, mais de 77% assistem televisão por várias horas durante o dia. Além disso, cerca de 25% usam computador.

Mais que números, a aplicação deste questionário tem mostrado que a presença dos media, especialmente a televisão (mas não só), na vida das pessoas envelhecidas é parte importante do seu cotidiano. Algumas destas pessoas dizem que encontram nos media a companhia que falta, a informação que lhes mantém atentos/as ao que se passa perto e longe de si, a distração de que precisam, a ligação aos familiares distantes, entre tantas outras razões.

Por uma razão ou outra, o fato é que o consumo mediático se dá, também nas idades mais avançadas, de maneira intensiva. Presentes (ou onipresentes) nas suas vidas, os media trazem repercussões para as maneiras como vivenciam o envelhecimento, reconhecem suas experiências e se relacionam com o mundo.

(EN)

Media consumption and ageing

According to a report produced by the Portuguese Media Regulatory Authority (ERC) in 2015 (available at https://www.erc.pt/pt/estudos/consumos-de-media/estudo-publicos-e-consumos-de-media-/), among Portuguese people aged 55 and over, 68 per cent were interested in news about Portugal and 79 per cent were interested in news in general. Also according to this document, the audiences referred to as older, i.e. those aged 65 and over, usually have contact with the news at lunchtime.

This is the little information found on the media consumption habits of the older population in Portugal. As well as being scarce, the data is not capable of revealing the diversity underlying the social practices involved in the interpretation of media discourses by older people, which involve situated and polysemic readings.

As I have travelled around the different towns and villages in the municipality of Covilhã to apply the questionnaire to characterise the media consumption of the region’s elderly population, I have encountered a diversity of experiences that demonstrate the need to look at ageing beyond the stereotypes and prejudices of age.

Among the preliminary data obtained from the 189 questionnaires already carried out, more than 30 per cent of the people surveyed read newspapers and magazines every day, around 60 per cent listen to the radio, 97 per cent watch television and, of this group, more than 77 per cent watch television for several hours a day. In addition, around 25 per cent use a computer.

More than numbers, the application of this questionnaire has shown that the presence of the media, especially television (but not only), in the lives of older people is an important part of their daily lives. Some of these people say that they find in the media the company they need, the information that keeps them aware of what’s going on near and far, the distraction they need, the connection to distant family members, among many other reasons.

For one reason or another, the fact is that media consumption also takes place intensively at older ages. Present (or omnipresent) in their lives, the media have repercussions for the ways in which they experience ageing, recognise their experiences and relate to the world.

Elizângela Noronha

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de Coimbra, é investigadora de pós-doutoramento em Desenvolvimento Humano Integral na Universidade Católica Portuguesa onde desenvolve sua investigação sobre a autopercepção do envelhecimento a partir das representações mediáticas consumidas pela população com 65 anos ou mais.

More Posts


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Elizângela Noronha (11 de Junho de 2024). Consumo mediático e envelhecimento. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/11ste


Por Elizângela Noronha

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de Coimbra, é investigadora de pós-doutoramento em Desenvolvimento Humano Integral na Universidade Católica Portuguesa onde desenvolve sua investigação sobre a autopercepção do envelhecimento a partir das representações mediáticas consumidas pela população com 65 anos ou mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search