Categorias
Integral Human Development

A brief essay on the edge of the periphery

“What society is this? Who are we who form an entire generation of young people who need to express themselves through destruction?”

(Choque)

In 2012, the Seventh International Biennale of Berlin invited a group known as the “Brazilian pixadores” to conduct a presentation and workshop at St. Elizabeth Church. The Biennale’s theme, Forget the Fear sought to challenge or subvert established representations within the art world. As with other biennials, the primary objective was self-critique regarding institutional models of art exhibition and curation.

Pixo is a street manifestation from the outskirts of São Paulo, distinguished by a unique aesthetic conceptually distinct from graffiti. Its primary characteristics include hermetic lettering, resembling Germanic runes, and its prevalence in public spaces, particularly on tall buildings in city centres. Pixo exists solely through illegal means, defying social norms regarding private property and public space. Moreover, beyond being classified as a criminal act, pixo raises several issues concerning the relationship between society’s periphery and its centre, encompassing aesthetics, protest, social communication, and the sense of belonging in public spaces. Visitors to Brazil often recall the vast buildings, walls, and viaducts adorned with pixadores‘ emblems.

What was intended as an exhibition of art from São Paulo’s outskirts evolved into a police incident. Biennale curator Joana Warza requested a practical demonstration from the pixadores using old wooden panels previously employed in another workshop. Djan Ivson, one of the pixadores, recounted the scene:

Joanna had the autonomy to announce this workshop, so we allowed her to say whatever she wanted. However, I arrived with the intention to publicly discredit it, asserting that it was impossible to conduct a pixo workshop as it is an expression that only occurs on the street, within the context of transgression. For us, having an authorised and designated space for demonstrating pixo is abnormal. How were we expected to provide a practical demonstration of something that exclusively unfolds on the streets?… It’s very complicated to ask individuals accustomed to scaling buildings and confronting the police to demonstrate this. (CAROS AMIGOS, 2012)

Immediately the police were called. In an act of discord, the Biennale’s chief curator, Artur Zmijewski, poured a bucket of water over Djan Ivson, who responded with a bottle of yellow ink, leading to an exchange of paint between the two. Ivson reflected on the incident:

It was a shock; I thought the guy was attacking me, and I almost struck him. I knocked the bucket from his hand, yelled at him in Portuguese, ‘Are you crazy? This is physical assault! We attack walls!’ He understood my message, just as I comprehended his intentions. He gestured towards the wall, implying, ‘Didn’t you tag the church? Now I’m tagging you.’ I almost hit him. (ibid.)

This incident prompts contemplation on contemporary art. How can marginal expressions like pixo be incorporated, if at all, into major events such as biennials?

To initiate this discussion, it is imperative to contemplate the concept of “periphery” in its broader, conceptual context. Pixo transcends mere geographical borders, embodying a deeper significance. The notion of periphery serves politically, as a strategic framework or a means, rather than an end, of structuring discourses and practices. It serves to accentuate differences, carve out space, and transcend marginalization.

Pixo emerges from marginalization and spatial segregation, imprinting its emblem upon both public and private domains as a testament to its existence. Thus, when questioned about the role of pixo in contemporary art, Djan Ivson articulates:

With pixo, one does not pursue material or financial gain; it is purely symbolic. Our pursuit is existential; it is about ensuring our existence does not fade into obscurity. This is the essence of the pixador… What compels someone to risk their life to leave a simple mark on a wall?(CAROS AMIGOS, 2012).

The existential act of pixo at the Berlin Biennale was carried out, as it fell outside the legal standards agreed with the curatorship, it was repressed and legally contested, as it should be; otherwise, using the wooden panels would have been just a demonstration, a lesson in stylized script. Biennials, galleries, and contemporary art museums attempt to create an open space for dialogue with marginalized groups, but in fact, these spaces are not prepared for the periphery of the periphery.


PT

Breve ensaio sobre as bordas da periferia

“Que sociedade é esta? Quem somos nós que formamos uma geração inteira de jovens que precisam se expressar através da destruição?”
(Choque)

Em 2012, a Sétima Bienal Internacional de Berlim convidou um grupo conhecido como os “pixadores brasileiros” para realizar uma apresentação e um workshop na Igreja de Santa Elisabeth. O tema da Bienal, “Forget the Fear”, procurava desafiar ou subverter representações estabelecidas no mundo da arte. Tal como ocorrido em outras bienais, o objetivo principal era a auto-crítica em relação aos modelos institucionais de exposição e curadoria de arte.

O pixo é uma manifestação de rua originária das periferias de São Paulo, distinguida por um conceito estético único, conceptualmente distinto do graffiti. As suas principais características incluem uma caligrafia hermética, que lembram as runas germânicas, e a sua prevalência em espaços públicos, particularmente em edifícios altos nos centros urbanos. O pixo existe exclusivamente através de meios ilegais, desafiando as normas sociais relativas à propriedade privada e ao espaço público. Além de ser classificado como um ato criminoso, o pixo levanta várias questões sobre a relação entre a periferia e o centro, abrangendo questões sobre estética, protesto, comunicação social e o sentido de pertença nos espaços públicos. Todo turista que visita o Brasil, levará na memória os altos edifícios, muros e viadutos cobertos com os emblemas dos pixadores.

O que era para ser uma exposição de arte das periferias de São Paulo evoluiu para um incidente policial. A curadora da Bienal, Joana Warza, solicitou uma demonstração prática aos pixadores utilizando painéis de madeira antigos, anteriormente utilizados noutro workshop. Djan Ivson, um dos pixadores, contou a cena:

A Joanna tinha autonomia para anunciar esse workshop, então deixamos ela falar o que quisesse. Mas eu cheguei lá com a postura de desmentir isso publicamente, falando que não tinha como dar um workshop de pixação, porque é uma manifestação que só acontece na rua, no contexto da transgressão; que para a gente não é normal chegar e ter um lugar autorizado e especificado para a gente dar uma demonstração de pixação. Como a gente ia dar uma demonstração prática de uma coisa que só acontece na rua? (…) É muito complicado você chegar para os caras, que estão acostumados a escalar prédio, enfrentar a polícia e falar ‘olha, quero que você dê uma demonstração disso’ (CAROS AMIGOS, 2012)

A polícia foi imediatamente chamada e, num ato de contenção, o curador geral da Bienal, Artur Zmijewski, jogou um balde de água em Djan Ivson que lhe devolveu com uma garrafa de tinta amarela, o que, em seguida, lhe foi retribuído com uma garrafa de tinta azul.

Foi um susto, pensei que o cara estava me agredindo, quase bati nele. Derrubei o balde da mão dele, falei um monte pra ele, em português mesmo: ‘Você tá louco? É agressão física! A gente agride parede!’. E ele entendeu o que eu quis dizer, eu também entendi o que ele quis fazer, ele olhava para mim, mexendo e apontando as mãos para a parede, querendo dizer ‘Você não pixou a igreja? Eu tô pixando você’. Eu estava quase batendo nele… (idem.)

O caso retrata bem o problema das artes na contemporaneidade. Como englobar, se é que isso é mesmo possível, as artes não museológicas em grandes eventos como as bienais? Para iniciar esta discussão, é imperativo contemplar o conceito de “periferia” no seu contexto mais amplo e conceptual. O pixo transcende meras fronteiras geográficas, incorporando um significado mais profundo. A noção de periferia serve politicamente, como um enquadramento estratégico ou um meio, e não um fim, de estruturar discursos e práticas. Serve para acentuar diferenças, criar espaço e transcender a marginalização.

O pixo emerge da marginalização e da segregação espacial, imprimindo o seu emblema tanto no domínio público quanto no privado, como um testemunho da sua existência. Assim, quando questionado sobre o papel do pixo na arte contemporânea, Djan Ivson articula:

Com a pixação, você não está em busca de nada material ou financeiro, é só um valor simbólico. A nossa busca é existencial, é não deixar a nossa existência passar em branco. Esse é o papel do pixador (…) O que explica um cara arriscar a vida para deixar um simples risco na parede?(CAROS AMIGOS, 2012).

O ato existencial da pixação na Bienal de Berlim foi realizado, afinal estava fora dos padrões legais acordados com a curadoria, foi reprimido e combatido legalmente, como deve ser; no contrário, utilizando os painéis de madeiras, teria sido apenas uma demonstração, uma aula, de grafia estilizada. As Bienais, as galerias e os museus de arte contemporânea ensaiam um espaço aberto de diálogo com os marginais, mas de fato estes espaços não estão preparadas para as bordas da periferia.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
stefaniefranco (3 de Junho de 2024). A brief essay on the edge of the periphery. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/11rqi


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search