Categorias
Migrants Objetivos de desenvolvimento sustentáveis Sustainable development goals Theater

Theater, collectivity and health literacy based on cancer experiences in A feia

Pictures of the play A feia at the hall of Teatro da Comuna, May 2024, with the kind permission of Pedro Branco.

“I know I’m not alone here. I didn’t come to Portugal to die,” says one of the characters in the play A feia (Teatro da Comuna, Lisbon, 2024), reflecting on her oncologic treatment. The text of the play, which incorporates excerpts from Professor Clarice’s Diary of a Courageous Woman and a publication by Lara Vaz Pato, also brings together the impressions, experiences and problems lived by the actors on stage, all of whom have been cancer patients at some point. Most of them are Cape Verdean women giving life to a drama that antagonizes the stigma and silence surrounding the word cancer. Female loneliness and the primal fear of not having anyone to listen to them or understanding their pain in the slightest are some of the themes chosen by Pedro Branco’s dramaturgy. The result is surprising, since the audience is challenged to pay attention to these commonly invisible anguishes in a humanized way – the songs that refer to Cape Verdean culture, the mentions to food and the costumes with African patterns base stories on images, sounds and memories that are absolutely real, and made present, embodied.

The process of taking what is universal about life in conflict through representation does not exclude the singularization of the dramas brought by the actresses on stage: at one point, the actress says that “it’s all very violent. Being alone is violent, losing your hair is violent.” This strengthens a truly collective event between those on stage and their audience, as it sees theater as more than just a performance which publicizes the affliction of chronic illnesses. It is an epistemological proposition, in other words, one that simultaneously promotes public literacy about cancer health and creates cracks in the sometimes strict scientific knowledge about cancer. After all, the subjectivities that involve both patients and their families, as well as health professionals, are of great interest. Aware of this valuable dramaturgical power, PintaVida (Lusophone Association for the Promotion of Literacy in Oncologic Health), in the person of Maria João Cunha, reinforced the importance of acting in accordance with the 2030 Agenda for Sustainable Development Goals, which implies expanding universal access to health services and reducing inequalities – as well as creating channels of knowledge about the cancer experience, unfortunately still marked by shame or isolation.

The artistic creation makes it possible, when it confronts certain scientific and dogmatic limits imposed on reality, to carry out an investigation that is itself open to emotion and imagination, and in this context of working with non-actors, this means taking acting off of a pedestal. “We’re not here to be singers, we’re here to sing,” says a character, meaning that theater needs to be experienced as human research and as a process for shared knowledge. As the stage director and theater professor Antônio Araújo wrote, “there is something in creation that is not controllable, verifiable, applicable or even reproducible. However, there is knowledge at stake in artistic practice. We research using sounds, narratives, images, places, technological devices, bodies, autobiographical testimonies, which not only aim to produce meaning, but also to create experiences, mobilize the imagination, awaken memories and reflections, enhance affections, stimulate actions, establish community links, and promote dialogue. Evocation of worlds and possibilities, rather than categorical assertions or proof of hypotheses” (106, 2012, my translation). In this sense, such practices staged and embodied by people who live with or have lived with cancer are extremely important as they promote paths of self-discovery for the artistic crew and also for those willing to listen, reflect and connect with the stories proposed by A feia.

Bibliography:

Araújo, Antônio. 2012. “A cena como processo de conhecimento.” In Arte e ciência: abismo de rosas, edited by Luiz Fernando Ramos: 105-113. São Paulo: ABRACE.

(Português)

Teatro, coletividade e literacia em saúde a partir de experiências oncológicas em A feia

Fotografias do espetáculo A feia no hall do Teatro da Comuna, em maio de 2024, gentilmente autorizadas por Pedro Branco.

“Eu sei que não estou aqui sozinha. Eu não vim morrer a Portugal,” diz uma das personagens do espetáculo A feia (Teatro da Comuna, Lisboa, 2024), a refletir sobre suas experiências de tratamento oncológico. O texto da peça, que incorpora excertos do Diário de uma mulher coragem, da Professora Clarice e de uma publicação de Lara Vaz Pato, também traz impressões, vivências e problemáticas dos atores e atrizes em cena, todos eles em alguma altura pacientes oncológicos. Em sua maioria, são mulheres cabo-verdianas num palco que antagoniza o estigma e o silêncio relativos à palavra cancro. A solidão feminina e o medo primordial de não ter quem as oiça ou compreenda minimamente suas dores são alguns dos temas eleitos na dramaturgia de Pedro Branco. O resultado é surpreendente, dado que o público é interpelado a prestar atenção a estes flagelos comumente invisíveis de um modo humanizado – as canções que remetem à cultura cabo-verdiana, as menções às comidas e os trajes com padrões africanos assentam histórias em imagens, sons e memórias absolutamente reais, e tornados presentes, corporificados.

O processo de universalização da vida em conflito através da representação não exclui a singularização dos dramas trazidos pelas atrizes em cena: em dada altura, a atriz expõe que “é tudo muito violento. Estar sozinha é violento, ficar sem o cabelo é violento.” Isso fortalece um acontecimento verdadeiramente coletivo daquelas em cena com o seu público. Essa dinâmica entende o teatro mais do que uma mera apresentação que faz saber a aflição da doença crónica. Trata-se duma proposição epistemológica, ou seja, que simultaneamente age em prol duma literacia do público sobre a saúde oncológica, e cria fendas num saber estritamente científico sobre o cancro. Afinal de contas, interessam e muito as subjetividades que envolvem tanto pacientes quanto os seus familiares, além dos profissionais de saúde. Ciente dessa valiosa potência dramatúrgica, a PintaVida (Associação Lusófona para a Promoção da Literacia em Saúde Oncológica), na figura de Maria João Cunha, reforçou a importância de se agir em conformidade com os objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, o que implica ampliar o acesso universal aos serviços de saúde e reduzir as desigualdades – assim como criar canais de conhecimento sobre a experiência oncológica, ainda marcada pela vergonha ou isolamento.

A criação artística possibilita, quando confronta certos limites científicos e dogmáticos impostos à realidade, uma investigação por si só aberta às emoções e imaginações, e nesse contexto de trabalho com não-atores, isso significa tirar a atuação de um pedestal. “Não estamos aqui para ser cantores, mas para cantar”, diz o texto, ou seja, é preciso experimentar-se o teatro como pesquisa humana e proposta de conhecimento partilhado. Como escreveu o encenador e professor de teatro Antônio Araújo, “há algo na criação que não é controlável, verificável, aplicável e nem mesmo reproduzível. Contudo, há um saber em jogo na prática artística. Pesquisamos lançando mão de sons, narrativas, imagens, lugares, aparatos tecnológicos, corpos, depoimentos autobiográficos, os quais não almejam apenas produzir sentidos, mas buscam criar experiências, mobilizar o imaginário, despertar memórias e reflexões, potencializar afetos, estimular ações, estabelecer elos comunitários, promover diálogos. Evocação de mundos e de possibilidades, mais do que assertivas categóricas ou comprovação de hipóteses” (106, 2012). Nesse sentido, as práticas encenadas e relatadas por pessoas que convivem ou conviveram com o cancro são de extrema importância para promover caminhos de auto-descoberta para a equipa artística e igualmente para quem se dispôs a ouvir, refletir e ligar-se às histórias propostas por A feia.

Bibliografia:

Araújo, Antônio. 2012. “A cena como processo de conhecimento.” In Arte e ciência: abismo de rosas, org. Luiz Fernando Ramos: 105-113. São Paulo: ABRACE.



Citar este post
Eduardo Prado Cardoso (2024, 6 Maio). Theater, collectivity and health literacy based on cancer experiences in A feia. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 22 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/11n5x

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search