Categorias
Integral Human Development

‘Difficult Architecture’ and Museology: The End of the Asylum Era

After fourteen years of disagreements, it has finally been publicly announced that the former Miguel Bombarda Psychiatric Hospital will reopen its doors with a cultural project. Part of the hospital’s space will be occupied by the Largo Residências Cooperative, which develops various types of community projects, and which was operating provisionally inside an old National Republican Guard (GNR) building.

‘Bombarda’ was created in 1848 (first as Rilhafolles Hospital), the first Portuguese asylum for the insane and alienated, and was closed in 2010 as part of structural reforms in the mental health system. Since then, the hospital’s architectural complex has been the subject of dispute, involving the company that purchased the hospital and a civil society group committed to the protection and preservation of heritage. It includes the Security Pavilion, a panoptic building designed to incarcerate dangerous patients or those coming from the penitentiary. Furthermore, not only the buildings but also clinical archives, movable assets, and an “art collection” belonging to the inmates have been the subject of controversy.

With the structural reforms in the mental health service over the past few decades, some institutions have been closed, opening the space for other kinds of treatments which are not based on the asylum model. This was a reality for many countries which started their psychiatric reforms in the 1970s with the criticism of psychiatric biopolitics. Besides the philosophical content, the main goal has been to transfer institutionalized people from hospitals to community care, based on the knowledge that long-term institutionalization transforms hospitals into permanent housing. Moreover, history has demonstrated that isolation is harmful to personal development since institutionalized people just coexist with their medical environment at the same time as it creates more medicine dependence.

If community health care is the best path to go forward, the big empty buildings, some hundreds of years old, become a heritage problem. Very similar to the asylum architecture, some examples of museums can be seen in decommissioned prisons, such as the historical Portuguese prison of Aljube or the more recent Museu Nacional Resistência e Liberdade – Fortaleza de Peniche (Resistance and Liberty Nacional Museum – Peniche Fortress). The same happened with an old building in the centre of São Paulo which served as a political prison during the military dictatorship in Brazil and, after being listed as a cultural asset, in 1999, it was transformed into the Memorial da Resistência de São Paulo (São Paulo Resistance Memorial). It’s interesting to think how these museums are responsible for safeguarding memories of a difficult past, including in their own museographies, pieces of history that recreate pain and shame, for example, the reconstruction of the small cells, some ambient sounds, or writings on the walls. In other words, the museology of these locations focuses on memories of resistance therein and the embarrassment of cruelty.

In the case of decommissioned psychiatric hospitals, museology is not the first option. Considering their solid architecture, some asylums were readapted to general hospitals. Some examples of psychiatric hospitals renovated into museology spaces can be found at the Madness Museum (Barbacena, Brazil), Slovenia’s Museum of Madness (Trate, Slovenia), Bethlem Museum of the Mind (Beckenham, UK), or the Oregon State Hospital – Museum of Mental Health (Oregon, US). Despite their numerous conceptual disparities, these examples engender critical visibility for biopolitics and psychiatric authority throughout history, in addition to enabling visitors to engage with the history of madness. In some cases, it’s possible to see rudimentary instruments of electroconvulsive or lobotomy therapies as well as straight jackets.

Scenographic practices are common in these museum spaces, seeking to make the visitor perceive themselves as being part of the inhabited space – in this case, a prison or a psychiatric asylum. The concept of dark heritage in academic literature arose in the 1990s as the result of Malcolm Foley and John Lennon’s (2000) investigation into dark tourism. The authors interrogated the reasons why places associated with war, genocide, and other tragic events have become tourist destinations. On the other hand, the exploitation of this kind of heritage can be seen with positivity since they can produce visibility and awareness about their history.

The case of the Bombarda hospital gives Portugal the opportunity to think about the reoccupation of asylum spaces considering different international experiences. Forgetting the past is not an option, the panopticon building will be there to remind us of the many cases of individuals who were hospitalized as criminals. Considering how long the hospital has been closed, the poor preservation of the buildings and the lack of management of movable assets demonstrate that there is a lot to be debated about in Portugal on this topic. For now, we can celebrate the reopening of the space as a cultural project and hope that it doesn’t become another dark heritage destination, bringing curiosity more than historical awareness.


‘Arquiteturas difíceis’ e museologia: o fim da era dos manicómios

Após catorze anos de desentendimentos, foi finalmente anunciado publicamente que o antigo Hospital Psiquiátrico Miguel Bombarda reabrirá suas portas com um projeto cultural. Parte do espaço do hospital será ocupado pela Cooperativa Largo Residências, que desenvolve diversos tipos de projetos comunitários e que estava operando provisoriamente dentro de um antigo edifício da Guarda Nacional Republicana (GNR).

‘O Bombarda’ foi criado em 1848 (primeiramente como Hospital de Rilhafoles), o primeiro asilo português para insanos e alienados, e foi fechado em 2010 como parte das reformas estruturais no sistema de saúde mental. Desde então, o complexo arquitetónico do hospital tem sido objeto de disputa, envolvendo a empresa que adquiriu o hospital e um grupo da sociedade civil comprometido com a proteção e a preservação do patrimônio. Isso inclui o Pavilhão de Segurança, um edifício panótico projetado para encarcerar pacientes perigosos ou provenientes do sistema penitenciário. Além disso, não apenas os edifícios, mas também os arquivos clínicos, os bens móveis e uma “coleção de arte” pertencente aos internos têm sido objeto de controvérsia.

Com as reformas estruturais no serviço de saúde mental nas últimas décadas, algumas instituições foram fechadas, abrindo espaço para outros tipos de tratamentos que não se baseiam no modelo de asilo. Isso foi uma realidade para muitos países que iniciaram suas reformas psiquiátricas na década de 1970 com a crítica à biopolítica psiquiátrica. Além do conteúdo filosófico, o principal objetivo tem sido transferir pessoas institucionalizadas dos hospitais para cuidados comunitários, com base no conhecimento de que a institucionalização de longo prazo transforma os hospitais em moradias permanentes. Além disso, a história tem demonstrado que o isolamento é prejudicial ao desenvolvimento pessoal, pois as pessoas institucionalizadas apenas convivem com o ambiente médico ao mesmo tempo em que criam mais dependência aos medicamentos.

Se o cuidado continuado na comunidade é o melhor caminho a seguir, os grandes edifícios vazios, alguns com centenas de anos, se tornam um problema de patrimônio. Muito semelhante à arquitetura de asilos, alguns exemplos de museus podem ser vistos em prisões desativadas, como a histórica prisão portuguesa do Aljube ou o Museu Nacional Resistência e Liberdade – Fortaleza de Peniche. O mesmo aconteceu com um antigo edifício no centro de São Paulo que serviu como prisão política durante a ditadura militar no Brasil e, após ser listado como patrimônio cultural, em 1999, foi transformado no Memorial da Resistência de São Paulo. É interessante pensar como esses museus são responsáveis por salvaguardar memórias de um passado difícil, incluindo em suas próprias museografias, peças da história que recriam dor e vergonha, por exemplo, a reconstrução das pequenas celas, alguns sons ambientes ou escritos nas paredes. Em outras palavras, a museologia desses locais se concentra em memórias de resistência e no constrangimento da crueldade.

No caso de hospitais psiquiátricos desativados, a museologia não é a primeira opção. Considerando sua arquitetura sólida, alguns asilos foram readaptados para hospitais gerais. Alguns exemplos de hospitais psiquiátricos renovados em espaços museológicos podem ser encontrados no Museu da Loucura (Barbacena, Brasil), Slovenia’s Museum of Madness (Trate, Slovenia), Bethlem Museum of the Mind (Beckenham, UK), ou no Oregon State Hospital – Museum of Mental Health (Oregon, US). Apesar de suas muitas diferenças conceituais, esses exemplos criam visibilidade crítica para a biopolítica e a autoridade psiquiátrica ao longo da história, além de permitir que os visitantes experienciem a história da loucura. Em alguns casos, é possível ver instrumentos rudimentares de terapias eletroconvulsivas ou de lobotomias, bem como camisas de força.

Práticas cenográficas são comuns nesses espaços museológicos, buscando fazer com que o visitante se perceba como parte do espaço habitado – neste caso, uma prisão ou um manicômio psiquiátrico. O conceito de patrimônio sombrio (dark heritage) surgiu na literatura acadêmica na década de 1990 como resultado da investigação de Malcolm Foley e John Lennon (2000) sobre o turismo sombrio (dark tourism). Os autores questionaram o motivo de lugares associados à guerra, genocídio e outros eventos trágicos se tornaram destinos turísticos. Por outro lado, a exploração desse tipo de patrimônios pode ser vista com positividade, pois podem produzir visibilidade e conscientização sobre sua história.

O caso do hospital Bombarda dá a Portugal a oportunidade de pensar sobre a reocupação de espaços de asilo considerando diferentes experiências internacionais. Esquecer o passado não é uma opção, o edifício panótico estará lá para nos lembrar dos muitos casos de indivíduos que foram hospitalizados como criminosos. Considerando o longo tempo em que o hospital esteve fechado à espera de resolução, a má conservação dos edifícios e a falta de gestão dos bens móveis demonstram que há muito a ser debatido em Portugal sobre este tema. Por enquanto, podemos celebrar a reabertura do espaço como um projeto cultural e esperar que não se torne outro destino de patrimônio sombrio, trazendo mais curiosidade do que consciência histórica.

Links of interest/Links de Interesse:

https://en.muzejnorosti.eu/blog/revitalisation-difficult-cultural-heritage-video-0
https://www.muzejnorosti.eu/
https://www.fhemig.mg.gov.br/
https://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2021/08/18/museu-da-loucura-completa-25-anos-de-fundacao-em-barbacena.ghtml
https://museumofthemind.org.uk/
https://oshmuseum.org/
https://www.museumgugging.at/en

References/Referências:

Ashworth, G. & Tnbridge, J. (orgs). (2009). Places of pain and chame. Dealing with ‘difficult heritage’. London: Routledge.

Borges, Viviane. (2020). Entre o pesar e a ruína: Hospital Miguel Bombarda, notas sobre um debate inconcluso. In Convocarte. Revista de Ciências da Arte, nº10 Dossier Arte e Loucura, p. 177-197, http://convocarte.belasartes.ulisboa.pt/index.php/2021/05/21/n-o-10-e-n-o-11-arte-e-loucura/

Foley, Malcolm; Lennon, John. (2000). Dark Tourism. Tourism Series. Continuum.



Citar este post
stefaniefranco (2024, 6 Maio). ‘Difficult Architecture’ and Museology: The End of the Asylum Era. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 22 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/11n5y

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search