Categorias
Empathy Empatia Human Rights Humanitarian work peace Theater

From shock to rhythm: Dans la mesure de l’impossible and the staging of humanitarian work

Source: Magali Dougados.

No scenic element so perfectly translates the play Dans la mesure de l’impossible (Tiago Rodrigues, Culturgest, 2024) as its sonic foundation. It is true that the tent set up on stage, as well as the actors’ body work, will have been stuck in the memory when the curtains close. But it is really through the experience of live percussion that the senses come to the surface, quite literally.

By bringing together the accounts of humanitarian professionals who at times have lived through extreme situations, facing the horror, inhumane acts and the impossible, the play brings together four characters who are extremely skillful at expressing the contradictions of war and conflict. That is why the sound of Dans la mesure de l’impossible becomes paramount, emerging not only metaphorically in the text (the noise of the bomb, or the beating of the heart), but also in live and sound wave form, through the hands of the astonishing Gabriel Ferrandini. By intercutting musical performances with testimonies about rescues, rape crimes, examples of micro and macro-politics, cases of feminicide and genocide, Rodrigues’ work on one hand admits the impossibility of putting into words the horrors experienced in refugee camps and field hospitals. But more importantly, he finds in the musical structure the ability to transmute human shocks into rhythm. It is from percussion (as in beat, strike, bang) that the critical possibility for his audience is brought to life, impacted as much by the sound as by the visceral experiences shared by paramedics and firefighters.

At one point, one of the characters chooses the silence of the spectators as a part of her anecdote, narrating a deafening break in the exchange of bullets and shots. Sometimes the silence of calm and peace, sometimes the silence of reflection and even that of pessimism and passivity, this phenomenon, which exists only in contrast to sound, suggests that in Dans la mesure de l’impossible every rhythmic detail only happens when it is shared. This is key because, as the play situates itself in a zone of conflict and social responsibility, it ends up awakening our senses and our conscience, in a humanistic, empathetic and transformative act.

(Português)

Do choque ao ritmo: Na medida do impossível e a encenação do trabalho humanitário

Nenhum elemento cénico traduz tão perfeitamente o espetáculo Na medida do impossível (Tiago Rodrigues, Culturgest, 2024), quanto a sua fundamentação sonora. É verdade que a tenda armada no palco, bem como o trabalho corporal dos atores, terão se fixado na memória quando as cortinas se fecham. Mas é mesmo através do recurso da percussão tocada ao vivo que os sentidos vêm à tona, literalmente.

Ao reunir relatos de profissionais humanitários que estiveram em situações extremas, e portanto depararam-se em dadas alturas com o horror, com a desumanidade, com o impossível, a peça convoca quatro personagens com enorme habilidade em expressar as contradições da guerra e do conflito. É por isso mesmo que o som de Na medida do impossível torna-se imperativo, a emergir não apenas metaforicamente no texto (ruído que é da bomba, ou do batimento do coração), mas presencialmente, pelas mãos do assombroso Gabriel Ferrandini. Ao intercalar as performances musicais com os depoimentos a versar sobre resgates, violações, exemplos da micro e da macropolítica, casos de feminicídio e genocídio, o espetáculo de Rodrigues primeiramente admite a impossibilidade de colocar apenas em palavras os horrores experimentados nos campos de refugiados e hospitais de campanha. Mais importante: ele encontra, na estrutura musical, a capacidade de transmutar os choques humanos em ritmo. É da percussão (batida, pancada, embate) que nasce, portanto, a possibilidade crítica para o seu público, impactado tanto pelo som quanto pela experiência visceral partilhada por paramédicos e bombeiros.

Às tantas, uma das personagens elege o silêncio dos espectadores como parte de sua anedota, a narrar um ensurdecedor intervalo na troca de disparos. Ora o silêncio da calma e da paz, ora o silêncio da reflexão e até mesmo do pessimismo e da passividade, tal fenômeno que existe apenas em contraste com o som sugere que em Na medida do impossível cada detalhe ritmado só acontece quando partilhado. Isso é essencial, dado que o espetáculo situa-se na zona do conflito e da responsabilidade social, e prospera quando desperta nossos sentidos e nossa consciência, num ato humanista, empático e transformador.



Citar este post
Eduardo Prado Cardoso (2024, 23 Abril). From shock to rhythm: Dans la mesure de l’impossible and the staging of humanitarian work. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 22 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/w9eh

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search