Categorias
Integral Human Development

O 25 de Abril e o envelhecimento

A aproximação do 25 de Abril traz, todos os anos, o interesse mediático pela reconstituição dos dias que culminaram na Revolução de 1974. Na pauta do dia estão notícias e debates sobre como era a vida no contexto do regime salazarista e como a abertura democrática tem vindo a alterar a sociedade portuguesa nestes 50 anos.

Em notícia publicada no dia 21 de abril (disponível em https://www.rtp.pt/noticias/pais/50-anos-de-revolucao-quem-eramos-quem-somos_es1565209), a RTP publicou um texto em que busca sintetizar, a partir de indicadores demográficos e econômicos, “quem éramos e quem somos”, como refere o título da peça.

O primeiro indicador a ser apresentado é o índice do envelhecimento da população portuguesa. Sob a rubrica “cada vez mais velhos”, o texto afirma que “o índice de envelhecimento espelha o peso desta nova realidade. Há agora 184 idosos por cada 100 jovens até aos 14 anos, quando nos anos 70 eram 34”.

Mais adiante, a notícia segue com a seguinte formulação: “Em percentagem, as pessoas com mais de 65 anos representam 24 por cento da população, quando, há 50 anos eram 10 por cento. Por outro lado, em 1974, as crianças até aos 14 anos eram quase um terço, 28 por cento, dos portugueses. Atualmente são apenas 13 por cento”.

Estes excertos da publicação demonstram a continuidade de uma representação negativa do envelhecimento, mesmo quando se tem como pano de fundo a Revolução de 1974. De maneira geral, o envelhecimento e a velhice têm sido contextualizados pelos indicadores demográficos essencialmente como uma preocupação econômica e um “peso”, como refere o texto, sobre as parcelas mais jovens da sociedade.

Obviamente, a mudança da pirâmide populacional nas últimas décadas (conforme imagem abaixo) representa um desafio para a sustentabilidade econômica e para os serviços públicos sobrecarregados. No entanto, não se pode esquecer que essa mudança também decorre de alterações extremamente positivas, a exemplo da melhoria na qualidade de vida, do aperfeiçoamento dos serviços públicos e da possibilidade de viver de maneira pacífica, sem conflitos que abreviavam as vidas de homens e mulheres jovens.

Olhar para os indicadores sem a devida problematização faz parte de um jornalismo que tem (cada vez mais) pressa para noticiar e publicar seus conteúdos. E, com pressa, reproduz e naturaliza apreciações parciais sobre a sociedade em geral e sobre o envelhecimento em particular.

Viver mais e melhor é mais um legado deixado pelos/as jovens de 1974 que hoje experienciam uma velhice com liberdade e olhar atento às pessoas. Viva o 25 de Abril e viva a longevidade obtida a partir da revolução!

(ENG)

25 April and ageing

Every year, the approach to the 25th of April brings media interest in reconstructing the days that culminated in the 1974 Revolution. On the agenda are news stories and debates about what life was like under the Salazar regime and how the democratic opening has changed Portuguese society over the last 50 years.

In a news item published on April 21 (available at https://www.rtp.pt/noticias/pais/50-anos-de-revolucao-quem-eramos-quem-somos_es1565209), RTP published a text that seeks to summarise, using demographic and economic indicators, “who we were and who we are“, as the title of the piece states.

The first indicator to be presented is the ageing index of the Portuguese population. Under the heading “increasingly older“, the text states that “the ageing index reflects the burden of this new reality. There are now 184 elderly people for every 100 young people up to the age of 14, compared to 34 in the 1970s“.

The article goes on to say: “As the percentage indicates, people over 65 represent 24 per cent of the population, compared to 10 per cent 50 years ago. On the other hand, in 1974, children up to the age of 14 accounted for almost a third, 28 per cent of the Portuguese population. Today they are just 13 per cent“.

These excerpts from the publication show the continuity of a negative representation of ageing, even against the backdrop of the 1974 Revolution. In general, ageing and old age have been contextualised by demographic indicators essentially as an economic concern and a “burden”, as the text puts it, to the younger sections of society.

Obviously, the change in the population pyramid in recent decades (as shown in the image below) represents a challenge for economic sustainability and for overwhelmed public services. However, we must not forget that this change is also the result of extremely positive changes, such as improved quality of life, better public services and the possibility of living peacefully, without conflicts that shortened the lives of young men and women.

 Looking at the indicators without properly problematising them is part of a journalism that is (increasingly) in a hurry to report and publish its content. And in its haste, it reproduces and naturalises biased assessments of society in general and of ageing in particular.

Living longer and better is yet another legacy left by the young people of 1974 who today experience old age with freedom and an attentive eye for people. Long live April 25 and long live the longevity gained from the revolution!



Citar este post
elizangelanoronha (2024, 22 Abril). O 25 de Abril e o envelhecimento. Desenvolvimento Humano Integral. Recuperado em 22 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/w9eg

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search